Livro 4: Dead and Buried – The Murder Notebooks #4



Título: Dead and Burried – The Murder Notebooks #4
Título original: Dead and Burried – The Murder Notebooks #4
Série: The Murder Notebooks #04
Autor(a): Anne Cassidy
Tradução:
Editora:
Páginas: 336
Ano: 2014

Sinopse Goodreads: Já se passaram cinco anos desde que a mãe de Rose, Kathy, desapareceu e, após os acontecimentos recentes, tudo o que Rose quer fazer é seguir com sua vida. O que significa tirar uma folga do seu meio-irmão complicado, Joshua.
Então o policial Henry Thompson vem chamando com más notícias: um corpo foi encontrado enterrado no jardim da antiga casa de Rose. Um corpo que não foi descoberto há cinco anos. O corpo de uma adolescente desaparecida.
Com Kathy e Brendan envolvidos em sua morte, Rose e Joshua têm uma última chance de limpar os nomes de seus pais. Mas se eles falharem, as consequências serão mortais...

Eu esperei por esse livro mais ou menos uns 3 anos, porque li os três primeiros livros e nada de conseguir o último, Morto e Enterrado (em tradução livre), esse desejo todo era porque, simplesmente, precisava entender como a autora conseguiria amarrar todo o suspense e dar um encerramento digno para a história de Rose, Joshua, Kathy e Brendan. Então, sem mais enrolação, vamos a resenha do último livro da série.

Não acho que Anne tenha conseguido manter a qualidade do primeiro e segundo livros. A sensação que tive é que ela precisava cumprir o contrato e que “qualquer coisa vale”, isso é o que me pareceu dos dois últimos livros da série. Tudo bem que o gancho usado, de matar um personagem importante e querido, no livro 3, deu uma sobrevida a série, mas não acrescentou nada em termos de qualidade.
Dead and Burried é a última parte da série Young Adult The Murder Notebooks, e depois de todos os apuros enfrentados por Rose e Joshua nos 3 primeiros livros, temos agora um fechamento.
Apesar de o encerramento, do final, da conclusão – pois é, estou confusa quanto a como nomear esse último capítulo – não ser o que se esperava, ele foi total e completamente convencional. Não se preocupem, não darei spoiler, apenas vou expressar toda a minha frustração.
Depois de cinco anos do desaparecimento, do mistério e das buscas sobre a mãe de Rose – Kathy – e o pai de Joshua – Brendan –, agora os jovens têm uma resposta – parcial – sobre o que realmente aconteceu. Falta apenas nomear o culpado e esclarecer alguns pontos... E então tudo muda, o que era uma coisa mostra-se algo diferente e somos apresentados à corrupção policial, mais segredos e revelações avassaladoras.
O grande problema é que enquanto na abertura da série, o tal livro 0,5, tivemos um Joshua bem construído e maduro para sua idade – talvez devido aos problemas que ele teve que enfrentar e que forçaram seu crescimento – na evolução da série vimos uma grande regressão no comportamento dele. Fato semelhante se dá com Rose, se no início ela passa de uma menina irritante e cheia de dúvidas para a força motriz em desvendar os mistérios, do nada ela perde sua personalidade interessante. Passando a ser apenas... chatinha.
Os livros como um todo não são ruins. A série não é completamente dispensável, só a acho longa demais e que o final não condiz com o que foi apresentado no início.
Em compensação eu continuo recomendando para quem ainda não conhece ou não leu nada de suspense. Acredito que é uma porta melhor – mais leve e mais “digerível” – do que os grandes mestres do suspense.
Não vou esquecer que essa recomendação se baseia no fato de que Anne conseguiu manter o mistério sobre o real motivo para o desaparecimento de Kathy e Bredan até o último segundo, mesmo tendo contado em Dead Time quem era o principal responsável pelo caso e até deu várias pistas sobre o que levou o casal a desaparecer e deixar os filhos sozinhos.
Minha nota para esse livro específico é... Bom, não dá para ser 2,5, então vamos de 3.
A série como um todo merece um 4+, porque não é qualquer autor que consegue surpreender tanto com um suspense, mantendo o leitor na dúvida até o ponto final.

Nascida em 1972, em Volta Redonda - RJ, jornalista, escritora, curiosa, observadora e que ama conversar com as pessoas e ouvir suas histórias. Escrever é mais quem um hobby para ela, é um vício. Um bastante saudável até. E para mantê-lo é preciso ler, ler muito e depois ler mais um pouco. Além de assistir muitos filmes e de conversar com muitas pessoas - na fila do banco, do mercado, na pr

Nenhum comentário