Livro 2: A Morte de Rachel (Killing Rachel)




Título: A Morte de Rachel
Título Original: Killing Rachel
Tradução: Viviane Diniz
Editora: Rocco
Ano: 2015
Páginas: 272
Gênero: Young Adult, Suspense e Mistério

A busca de Rose Smith e Joshua Johnson por seus pais continua. Em A morte de Rachel, segundo livro da série The Murder Notebooks, a britânica Anne Cassidy mostra a dupla às voltas com os cadernos criptografados que podem ser a chave para o súbito desaparecimento de Kathy, mãe de Rose, e Brendan, pai de Joshua. Mas um novo mistério aparece no caminho dos dois: Rachel Bliss, com quem Rose não falava desde a época em que estudavam juntas, é encontrada morta depois de várias tentativas de entrar em contato com a antiga amiga. Além da angústia de ignorar o que houve com a mãe e de uma ponta de remorso por não ter levado Rachel a sério, Rose precisa lidar com os próprios sentimentos em relação a Joshua. A cada dia, cresce a atração que ela sente pelo rapaz, mas paira a dúvida no ar: será que ele a vê apenas como amiga? Afinal, antes de seus pais desaparecerem os quatro formavam uma família e, nessas condições, os dois jovens seriam como irmãos. Para complicar ainda mais a cabeça de Rose, ela encontra uma carta que Rachel jamais lhe enviou, com informações sobre Kathy e Brendan obtidas depois que o casal sumiu. Seria uma outra mentira de Rachel ou a confirmação de que os policiais poderiam estar vivos? A intuição de Joshua estará certa e a ida a Norfolk trará respostas? Em mais uma trama repleta de suspense, Anne Cassidy faz os leitores perderem o fôlego e darem mais um passo na direção de decifrarem o mistério em The Murder Notebooks.

Sabe aquele livro desnecessário? Acho que Anne assinou contrato para quatro livros, não tinha o que fazer e fez A Morte de Rachel.
Não, não é ruim, apenas desnecessário. São 352 páginas para falar apenas sobre bullying, porque não tem grandes desdobramentos na história principal, que é o desaparecimento dos pais de Rose e de Joshua, porque as revelações de Rachel sobre a mãe de Rose poderiam muito bem ser um capítulo do livro 3 – cairia muito melhor em um prólogo do que em um livro inteiro de “memórias dolorosas sobre a época do colégio”.
Rose e Joshua continuam sua investigação secreta. O super vilão do mal continua atrapalhando e se metendo na trama e a gente sabe que a pessoa é do mal, mas não sabe os motivos, mesmo que a Anne tenha contado tudinho no livro 1. Isso é a coisa mais louca do mundo, lá no livro 1 ela diz porque os pais dos jovens sumiram, quem sumiu com eles e como e a gente não se dá conta. Só depois do último parágrafo do último livro é que tudo se encaixa – sim, eu voltei ao primeiro livro só para confirmar que ela fez a melhor série de suspense dos últimos anos.
Acho que a grande vantagem desse livro é o momento em que a autora deixa muito claro que Joshua não vê Rose como uma irmã, no máximo “a menina do fim da rua”, ele tem carinho por ela, conversa, escuta, dedica-se a amiga. Que Rose não pensava em Josh como irmão era claro desde o início, mas foi importante esclarecer a visão do rapaz, deixar evidente que a relação dos dois eram apenas: meu pai casou com sua mãe.
A questão do mistério é o que falei, Cassidy não deu muita atenção para ele aqui. Apesar de Rachel ser fundamental para entendermos o que vai acontecer. Se o livro sobre a relação de Rose/Rachel fosse diluído nos livros 3 e 4 faria mais sentido.
Conselho? Leia porque senão a série fica “capenga”, mas não é o melhor livro da série não.
Nota? 3.

Nascida em 1972, em Volta Redonda - RJ, jornalista, escritora, curiosa, observadora e que ama conversar com as pessoas e ouvir suas histórias. Escrever é mais quem um hobby para ela, é um vício. Um bastante saudável até. E para mantê-lo é preciso ler, ler muito e depois ler mais um pouco. Além de assistir muitos filmes e de conversar com muitas pessoas - na fila do banco, do mercado, na pr

Nenhum comentário