Devaneios da Bel: Tempest – Beverly Jenkins


Título: Tempest
Título original: Tempest
Páginas: 384
Autor(a): Beverly Jenkins
Tradução: não tem
Editora: Avon Books
Ano: 2018
Gênero: Romance, Romance Estrangeiro, Ficção Histórica

Sinopse Goodreads: A escritora best-seller de USA Today, Beverly Jenkins, apresenta um novo romance em uma série fascinante ambientada no Velho Oeste, onde um casamento arranjado se torna uma grande paixão. . .
Que tipo de noiva de correspondência a cumprimenta com uma bala em vez de um beijo? Um como Regan Carmichael - um espírito independente igualmente à vontade em denims e vestidos. Atirar o Dr. Colton Lee no ombro é um erro honesto, mas logo Regan se pergunta se todo o seu plano de se casar com um homem que ela nunca conheceu é um erro. Colton, que enterrou seu coração junto com sua primeira esposa, insiste que ele só quer alguém para cuidar de sua filha. No entanto, Regan é atraído para o desejo inconfundível em seu olhar.Regan está longe da dócil noiva que Colton estava esperando. Ainda assim, poucas mulheres enfrentariam as terras selvagens do Território de Wyoming para um futuro incerto com um viúvo e seu filho. O pensamento de ter uma mulher ousada e direta como Regan em sua vida - e em seus braços - começa a inspirar um novo sonho. E apesar da desaprovação de sua família e de um inimigo invisível, ele arriscará tudo para fazer desse jogo uma união real de corpo e alma.

Sabe aquele livro que você compra pela capa? Foi meu primeiro livro de “impulso”, vi a capa e pensei “Preciso ler um livro que se passa no Velho Oeste norte-americano e que é protagonizado por negros”.

Já me antecipando aos chatinhos, assistam filmes que se passam no Velho Oeste – nos escritos até os anos 1990/2000 negros eram quase sempre escravos, não tinham formação e andavam malvestidos. Depois dos anos 2000 as histórias mudaram um pouco, mas o estereótipo nem tanto. Então eu precisava ler um livro escrito por uma negra, retratando a história – ou a visão dela da história – do país que ela nasceu.

Não vou dizer que me surpreendeu. É um romance, se eu esperava encontrar dinossauros ou naves espaciais deveria ter procurado outro tipo de livro, mas dentro da expectativa de romance posso garantir que Bev – como as leitoras e fãs se referem à autora – está na média. Outro ponto que não é surpresa nenhuma quando se lê a biografia da autora. Ela foi uma das vencedoras do prêmio Nora Roberts. Ou seja, ela sabe o que está escrevendo.


Quanto a história. Confesso que graças a todas as aulas de História, filmes históricos e da Sessão da Tarde, além de livros de romance que já li na vida, demorei para “aceitar” um médico negro no Velho Oeste.

A história é a terceira da série Old West, se passa em torno de 1800 e traz uma heroína negra, determinada, destemida e que sabe utilizar uma Winchester como poucos homens.

Uma história engraçada, nada leve – gente é Velho Oeste, territórios inóspitos, conquista do Oeste, essas coisas – com suspense, piadas e muito romance.

Enquanto o doutor Colton Lee é um médico – negro – em uma pequena comunidade no meio do nada do Wyoming, viúvo, com uma peste, digo, filha de seis aninhos. Regan é uma mulher... Vamos por ordem. Colton ainda está de luto depois de perder a esposa, mas acha que precisa se casar novamente, para sua filha ter uma mãe, para alguém cuidar de suas roupas e sua casa, para fazer a comida, lavar a roupa – gente, 1800, esqueçam o feminismo por um segundo, mas só por um segundo. Então ele apela para o Tinder da época: correio romântico.

Em uma troca de correspondências ele – o doutor certinho – conhece a mulher perfeita para encarnar a dona de casa, lavadeira, babá e boneca inflável. Regan Carmichael chega à cidade e... atira no futuro marido. Não vou contar porque, mas podem apostar que é uma cena engraçada.

Essa é a tônica do livro, Regan não é uma feminista, Colton não é um porco chauvinista, não é um abusador. Ele é um homem do século 19. Regan tem outras ideias, tem uma personalidade forte – não é grossa, mal-educada, sem noção. Ela apenas acha que tem direito a mais.

A parte mais legal é que a escritora construiu personagens complementares. Não são imãs, não são limitados. Eles são como peças de um quebra-cabeças, eles se encaixam a perfeição. Onde Colton é inseguro Regan é dona da situação. Onde Regan mete os pés pelas mãos, Colton é um esteio. Talvez isso tenha dado a história um quê de balé, uma dança, com os personagens de envolvendo de uma maneira mais lúdica, mais divertida dos que nos romances mais “convencionais”.

Quem está se perguntando sobre o título... Regan é uma tempestade, daquelas que destroem tudo ao redor. E depois deixa os campos férteis, lindos e floridos!
A escrita de Beverly me cativou bastante, gostei demais do livro, que apesar de grande li em apenas um final de semana. Quem souber inglês e conseguir comprar o e-book eu recomendo os livros dessa escritora.

Nota 4! 

Nascida em 1972, em Volta Redonda - RJ, jornalista, escritora, curiosa, observadora e que ama conversar com as pessoas e ouvir suas histórias. Escrever é mais quem um hobby para ela, é um vício. Um bastante saudável até. E para mantê-lo é preciso ler, ler muito e depois ler mais um pouco. Além de assistir muitos filmes e de conversar com muitas pessoas - na fila do banco, do mercado, na pr

Um comentário

  1. Oi Bel,
    Não conhecia a obra, me parece um romance de época e isso por si só já chama minha atenção, já que amo o gênero, adorei a resenha, dica anotada.

    Beijokas

    ResponderExcluir