Devaneios da Bel encontra Leituras da Mari: Seal's Professor: A Military Roommate Romance — Piper Sullivan



Título:  Seal's Professor: A Military Roommate Romance
Título original: Seal's Professor: A Military Roommate Romance
Páginas: 1652 páginas (Edição Kindle)
Autor(a): Piper Sullivan
Tradução: Sem tradução
Editora: Amazon Kindle
Ano: 2017
Gênero: Romance Estrangeiro, Guerra, Chick-lit


Hoje não teremos uma resenha, mas a impressão pessoal de duas das resenhistas mais exigentes do Conchego. Vamos lá?

Eu, Bel, a Mariana Ramos e mais uma amiga, a Glauce Valeriano, estávamos um tanto entediadas com nossas leituras e resolvemos que iríamos brincar: leríamos o mesmo livro, ao mesmo tempo, e depois compararíamos nossas impressões. 
Infelizmente a Glauce teve um contratempo e não conseguiu terminar a leitura, mas eu e Mariana terminamos e vamos analisar a obra.

Nenhuma de nós conhecia a autora. Piper Sullivan é uma escritora romântica da velha escola, que acredita em romance, amor e histórias quentes.

Em SEAL’s Professor, Piper nos apresenta um casal improvável: uma nerd, professora na conceituada Universidade de Stanford, que se formou com menos de 15 anos, graças ao QI genial, e o seu parceiro nessa história, um SEAL charmoso e sexy. 

Laney é versão feminina de Sheldon Cooper (do seriado The Big Bang Theory), inteligentíssima, com nenhuma experiência romântica e pouca habilidade social. Sua mais recente ideia foi a de uma pesquisa que mudaria o mundo, fornecendo energia limpa e renovável a custo quase zero. Claro que isso atraiu a atenção de governos e ela passou a ser um alvo; por este motivo Bennett foi incumbido de protegê-la.

Bennett é um bom homem, um guerreiro moderno, um SEAL. Mesmo se sabendo sexy e atraente, tem a consciência que não é o tipo de homem que prenderia um gênio como Laney. 

O melhor é que, por mais improvável que possa parecer, os dois funcionam juntos. Delaney – Laney – e Bennett são bons, não têm jogos, não tem enrolação. O tempo todo, eles têm a consciência de que se não fosse o estudo de Laney, que vai revolucionar o mundo e ajudar na produção de energias renováveis, que acaba colocando-a como alvo de terroristas internacionais – homens interessados em roubar sua tese –, ela e Bennett, o homem designado para protegê-la, jamais teriam ficado juntos. Aconvivência dos dois é que faz com o que casal funcione.

O livro não é ruim, Piper tem uma escrita engraçada, mas a história tem furos que chegam a ser risíveis.

Bennett é um super SEAL bastante diferente do que eu esperaria. O envolvimento romântico imediato com aquela que ele deveria proteger nem foi o que me espantou, isso era esperado por ser um romance e tal, mas... * Ele é treinado para proteção – além dos outros treinamentos inerentes que um SEAL recebe –, e é o encarregado de evitar que a professora-doutora Delaney Watson seja sequestrada ou morta por conta de sua pesquisa, mas o homem não pensa, não faz outra coisa que não seja desejar Laney e pensar em formas e maneira de levá-la para cama.

A falta de profissionalismo do homem chega a ser ridícula! Como o cara pode considerado um SEAL e competente se não percebe quando a casa está sendo invadida, quando um carro está perseguindo ele, e deixa fontes em potencial irem embora após a fonte assumir que estava perseguindo aquela que ele deveria proteger está completamente além da minha compreensão.

Porém o auge dos erros e da falta de atenção ao trabalho acontece quando durante uma comemoração – inventada por Bennett – em uma boate. Laney é abordada por um estranho e, ao invés de Bennett deter o homem para interrogatório, ele simplesmente ameaça o cara, pega Laney, leva para casa e faz sexo alucinante com ela.

Se não fosse a total e completa incompetência dos vilões, o livro não teria chegado ao capítulo 3, pois no mundo real nossa heroína já estaria morta e sua importante pesquisa roubada e destruída.

Falando na pesquisa... Também tive dificuldades de entender a lógica em o governo querer proteger a pesquisa de Laney por ser uma vantagem tática para os EUA e Bennett estimular a mulher a publicar a pesquisa pois “todo o mundo deveria ter acesso àquilo”.


Agora, pensando que é apenas um livro de leitura rápida e diversão sem maiores aprofundamentos – coisas que não tenho nada contra –, eu, Bel, aconselho a leitura do livro. (Eu, Mariana, não. Fiquei surtando com os furos da história, querendo entrar no livro e sacudir o Seal desmiolado). Agora, você precisa saber ler em inglês, porque o livro não foi lançado em português, tendo apenas versão em inglês na Amazon.

Nossa avaliação? 

BEL - Três estrelas. O livro até merece mais estrelas, porque é aquela coisa que a gente lê em uma tarde de chuva, mas esses erros sobre o trabalho e a função de SEAL merecem que perda pontos na avaliação.

MARIANA - Embora eu odeie fazer isso porque sei trabalho que dá criar uma história e como é difícil se arriscar e colocar essa história “no mundo”, passível de crítica... Dou somente 01 estrela. Em resumo, foi um livro que desafiou minha compreensão sobre o que seria um SEAL e como um governo agiria para preservar segredos táticos para um país. Muitos furos para qualquer um que já tenha visto um filme policial na vida. 

Tirando a versão feminina do Sheldon, mais nada foi crível para mim.



Sinopse Goodreads (tradução livre da Mariana Ramos):
Dr. Watson
As pessoas me chamam de muitas coisas: nerd, cabeção, CDF. Eu prefiro ser chamada de Laney.
Comecei a faculdade quando tinha 11 anos e agora sou Professora nela.
Eu nunca tinha visto alguém tão másculo, lindo e intenso quanto Bennett Atlas; com aqueles brilhantes olhos azuis e um sorriso de matar.
Pensei que talvez nós pudéssemos ser amigos. Então alguém tentou me matar e ele acabou tornando-se o meu protetor.
“SEAL”
“Fodão”
Eu amo todos esses nomes, mas amo mesmo quando ela me chamou de Bennett.
Eu ralei muito pra virar um SEAL, fazendo a minha parte para manter meu País seguro - o que acabou por incluir bancar o guarda-costas de uma professorinha nerd.
Contudo, Laney não era uma bitolada. Ela era uma cientista brilhante e linda, que não fazia ideia do quão maravilhosa era.
Eu fui enviado para protegê-la, mas... Quando chegar a hora, serei capaz de deixá-la?

PS: Tudo que está em vermelho, negrito, são as opiniões da Mari

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Olá, meninas!
    Adorei essa resenha a duas mãos!!
    Estou chocada com essa história! Sinto muito, Bel, mas nesse caso sou #TeamMari porque eu não conseguiria superar todos esses furos! Acho que eu teria largado logo de cara e dado no máximo uma estrela pelo esforço da autora!!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir