Devaneios da Bel: Depois da Tempestade – Travis Mulhauser




Título: Depois da Tempestade
Título original: Snow Girl
Páginas: 256
Autor(a): Travis Mulhauser
Tradução: Fabiana Colasanti
Editora: Fábrica231 (Rocco)
Ano: 2018
Gênero: Ficção – Romance/Novela, Suspense

Sinopse Rocco: O inverno castiga uma pequena cidade do norte de Michigan. Uma garota de apenas 16 anos, Percy James, procura pela mãe desaparecida. Viciada em metanfetamina, foi vista pela última vez na casa de um traficante. Uma forte nevasca se aproxima, e ao invadir a casa para tentar resgatar a mãe, a garota encontra apenas um cão morto e um bebê, enquanto o perigoso negociante de drogas (Shelton Potter) dorme na sala com sua namorada depois de mais uma dose. Esse é o tom de Depois da tempestade, romance de estreia do norte-americano Travis Mulhauser.
Percy leva a pequena Jenna (o nome do bebê estava gravado no berço), que morria de frio, para a casa de um conhecido, Portis Dale, para limpá-la e alimentá-la. O traficante acorda, não encontra a criança e começa a tentar descobrir o que pode ter acontecido em uma situação tão improvável. Pela pouca distância entre as casas e as marcas deixadas por Percy na neve, os dois temem o momento em que ele vai descobrir de fato onde está o bebê e aparecer para resolver a situação. O cachorro de Portis late sem parar, parecendo pressentir o pior.
O ritmo do romance é um capítulo à parte. Travis Mulhauser parece não desperdiçar uma só palavra e narra tudo como uma avalanche, que vai ficando mais densa com o desenrolar da caçada de Shelton Potter para descobrir o que aconteceu com o bebê desaparecido. O livro alterna os pontos de vista de Percy, em primeira pessoa, e o de Shelton, em terceira.
Mistura de Inverno da Alma e Breaking Bad, o livro conjuga a luta de uma jovem pelo acolhimento familiar em um ambiente perigoso de drogas e pessoas pouco confiáveis. Percy James é uma personagem forte, que enfrenta sem medo os perigos reais que se apresentam e seus fantasmas mais pessoais.

Livro de estreia do norte-americano Travis Mulhauser nasceu com um potencial cinematográfico acima da média. Claro que o tema e o gênero ajudam muito, um thriller, que engloba o psicológico, o físico e emocional – mais do leitor do que dos personagens.
Travis criou uma heroína diferente, uma menina de 16 anos, órfã de pai, com uma mãe viciada e tendo como referência paterna ou melhor, como referência de adulto responsável, um ex-namorado da mãe.
Pouco antes de uma grande nevasca Percy James, nossa pequena heroína, sai pela cidade procurando sua mãe. A caça a leva até a casa de Shelton Potter, um dos traficantes de sua mãe. O que ela encontra é de cortar o coração. Enquanto Shelton dorme na sala, com a namorada, completamente chapados, em um quarto um bebê está morrendo congelado.
Continuar a caçada pela mãe ou salvar um bebê?
Percy retira Jenna – provável nome da bebê, já que era isso que estava gravado no berço – e a leva para a casa de Portis Dale, um homem que ela vê como adulto responsável e que poderia ajudá-la a tentar salvar aquele bebê, limpar, alimentar, aquecer, e com isso dar uma chance de sobrevida para a pequena.
Claro que Percy poderia apenas fechar a janela por onde entrava o frio e a neve, mas em um dos cômodos da casa ela encontrou um cachorro morto – de frio, maus-tratos e fome – e a situação da própria Percy, ela mesmo uma menor abandonada, não permitia que simplesmente virasse as costas para alguém mais indefeso na mesma situação.
Quando Shelton “acorda” e se dá conta de que a bebê não está mais na casa a vida de Percy e Portis passa a correr perigo, porque o traficante é um homem violento, do tipo que mata primeiro e não pergunta nada depois.
O clima de tensão é crescente, o medo – da solidão, abandono, frio, fome – permeia toda a narrativa do escritor. Mais do que medo das atitudes de Shelton o que incomoda no livro é o frio. O autor cresceu em um dos estados que considerado mais frio dos Estados Unidos e ele descreve o congelamento, o frio, as sensações que ele provoca no corpo e na alma com propriedade. Em alguns momentos é possível sentir o gelo se desprendendo das páginas e envolvendo o leitor.
Além da capacidade narrativa de Travis um grande atrativo para a leitura é a construção de Percy, uma personagem feminina – que mesmo sendo muito nova – é uma fortaleza. Ela não espera o príncipe encantado aparecer para a salvar. Aliás, ela não sabe nada sobre príncipes encantados. Dentro de sua ingenuidade e inocência Percy acredita que ao salvar Jenna será capaz de salvar a si mesma.
Acho apenas que a força do título em inglês deveria ter sido mantida na tradução: Sweet Girl – Doce Menina.
Doce Percy.
Doce Jenna.
Doce esperança de um futuro menos solitário, frio e sombrio.

Nascida em 1972, em Volta Redonda - RJ, jornalista, escritora, curiosa, observadora e que ama conversar com as pessoas e ouvir suas histórias. Escrever é mais quem um hobby para ela, é um vício. Um bastante saudável até. E para mantê-lo é preciso ler, ler muito e depois ler mais um pouco. Além de assistir muitos filmes e de conversar com muitas pessoas - na fila do banco, do mercado, na pr

Nenhum comentário