O Marco Leu: Zona Morta - Stephen King


Título no Brasil: Zona Morta
Título Original: The Dead Zone
Autor: Stephen King
Editora: Abril Cultural
Ano: 1985
Páginas: 390

Existem substâncias capazes de provocar dependência já no primeiro contato. Depois deste fatídico acontecimento, o usuário se sente infeliz quando está sem a droga, busca mais dela em porções cada vez maiores. Hoje irei falar para vocês leitores um pouco sobre meu vício, mais especificamente a origem dele. Dizem que isso ajuda no tratamento mas eu duvido, só de pensar no que escrever fiquei na vontade de mais uma dose. Ainda assim revelarei para vocês leitores como entrei no mundo sombrio e sem volta dos livros de Stephen King.

Já conhecia alguns filmes inspirados em suas histórias, e meu encantamento por eles (quem não adora “Um Sonho de Liberdade” e “À Espera de Um Milagre”?) me fez querer conhecer melhor suas obras. Procurei por um bom tempo nos sebos da cidade, mas nunca tinha a sorte de encontrar algum exemplar de qualquer título que fosse. Os donos diziam “Os livros dele não param na prateleira”, “Saí mais rápido que pão novo”. Mesmo antes de entrar nesse mundo, foi fácil entender que existiam soltos por aí, muitos perigosos usuários sedentos dessas doses milagrosas e que esta droga não era de fácil acesso. As livrarias até ofereciam edições novas, mas o preço era mais caro do que eu podia pagar na época. Provavelmente teria de roubar para sustentar meu vício.


Minha persistência enfim foi premiada, encontrei uma cópia muito velha e amarelada, com algumas folhas quase se soltando (e algumas chegaram a cair durante a leitura) de “Zona Morta”. Nunca tinha ouvido falar do título mas não pensei duas vezes para comprá-lo, imediatamente começar a leitura e conhecer John, um cara comum com pais amorosos e uma bela namorada. Ele tem sua vida revirada por um acidente de automóvel que o deixa em coma por longos quatro anos. Quando acorda seu corpo está totalmente debilitado, perdeu quase toda vida social e ainda por cima descobre que pode perscrutar mentes, o passado e o futuro das pessoas.

A questão deste poder ser um dom ou  uma    maldição é muito bem feita, mesmo ajudando as pessoas, elas o veem como uma aberração. Johnny fica perdido e só encontra uma motivação ao receber um aperto de mãos de um político em campanha. Neste relés cumprimento John descobre que um futuro catastrófico pode acometer todo o planeta se aquele homem continuar sua carreira política. Assim, impedir que esse armagedon aconteça torna-se sua razão de viver.
  
Não encontrei o terror que esperava, este é mais um drama com coisas impossíveis que Stephen é mestre em criar. Totalmente indicado para os descrentes que não leem o mestre por medo.  Envolvido na teia, tudo que resta ao leitor é torcer. Torci com todas as minhas forças para John se recuperar dos quatro anos de coma e voltar a ter uma vida, para ele achar uma nova namorada, para ele não ser tratado como uma aberração, para o político ser dar mal e John conseguir evitar a catástrofe. Saboriei tudo meio embriagado, encantado ainda mais por ser aquela a minha primeira vez.

O final  perfeito serve para refutar a fama de “estraga finais”. Ainda sem saber dessa fama “Zona Morta” me fez adorar seu criador, seria isso o chamado “amor à primeira lida”? Ou quem sabe “viciado ao primeiro trago”? 
Sinopse do Skoob: Jonny Smith, um simplório professor secundário, acorda de um coma de cinco anos aparentemente sem sequelas, a não ser por uma área de seu cérebro danificada, que o impede de reconhecer certos objetos. Os médicos dão a essa área o nome de zona morta.Mas a zona morta abriga muito mais que memórias esquecidas. Por conta dela, Johnny desenvolve o poder de prever o futuro. Mas isso támbem é sua condenação - nela cresce um tumor que rapidamente suga suas energias.Após conhecer Greg Stillson, um inescrupuloso candidato a deputado, Johnny tem terríveis visões do político como presidente dos Estados Unidos e o país mergulhando numa guerra nuclear. Perturbado, ele terá que enfrentar o difícil dilema: sofrer em silêncio, sabendo das tragédias que virão, ou matar Stillson, numa desesperadatentativa de impedir a catástrofe prenunciada.

Leia resenhas de outros livros desse autor resenhados no Conchego clicando na imagem abaixo:


Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Oiieee

    Estou começando a ler King pela primeira vez e realmente ele é um gênio, quando temrinar Misery minha atual leitura pretendo ler outros livros do autor com certeza, fica o titulo desse anotado, parece ser bem legal.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alice, Misery é muito bom, um dos meus preferidos do mestre. Gostei de ver a genialidade dele sendo reconhecida. Muito bom
      Abraços.

      Excluir
  2. Hello!
    I loved the post, I didn't know your blog and I followed it, would you follow mine back?

    Greetings!
    Obsesión por la lectura

    ResponderExcluir