Resenha: Um Amor para Lady Johanna


Título: Um Amor para Lady Johanna
Título Original: Saving Grace
Autor(a): Julie Garwood
Número de páginas: 400
Tradução: Cely Couto
Editora: Universo dos Livros
Ano: 2016

Ano de 1206, linda lady inglesa vê-se obrigada a casar com verdadeiro “ogro” das Highlanders. Após anos sofrendo abusos, era tudo de que ela não precisava, mas antes isso a cair nas mãos do horrendo lorde escolhido pelo Rei... 

Okay, nada de novo até aqui; se lady Johanna não fosse a mais intrigante das mocinhas. Covarde, medrosa, insegura. É isso mesmo, produção? Ou estará ela fingindo ser algo que não é na tentativa de sobreviver a tantas adversidades? Será mesmo tão ingênua como parece? Ou é inteligente demais e está “passando a perna” em todos nós, leitores (as) e até nos outros personagens?

A verdade é que lady Johanna foi um verdadeiro enigma para mim; só formei uma opinião sobre ela no final da história e, confesso, ainda com uma pontinha de dúvida.  Posso dizer que não é uma personagem tão simples quanto parece e que traduz a já conhecida engenhosidade da autora em construir personalidades únicas a partir de um “molde” previsível. Como sempre, amei acompanhar os conflitos internos de cada um deles.


Quanto ao lorde Gabriel MacBain, é, de fato, um homem rude, orgulhoso, que não luta limpo e rouba para sobreviver, sem o menor traço de remorso. Um homem sem princípios! Contudo, pasmem, é honrado. Contraditório, não? Pois são assim os personagens de Julie Garwood, fazer o quê?

Para Gabriel, casar-se com uma sassenach era algo impensável – a menos que isso garantisse a posse das terras onde vivia seu clã e esse foi o único fator que o levou a tomar essa terrível decisão. Objetivo, faria o que fosse melhor para seu povo e, em seguida, permitiria que a jovem fizesse o que bem lhe aprouvesse.

"— Eu não idealizo meu futuro como marido dela, mas você está certo, irei tratá-la muito bem. Imagino que encontraremos um modo de não cruzar nossos caminhos."

Resumo da ópera: esses dois, por motivos distintos, tiveram que se casar. Por consequência, ela, enquanto esposa, viu-se obrigada a salvar a alma desse pobre pecador, que, por sua vez, tornou-se seu mais fiel escudeiro, com “requintes de crueldade protetora”, rsrsrs. Como eu disse logo no início, nada muito diferente do que estamos acostumados a ler nos romances de época medievais, mas com aquela mágica misteriosa que algumas autoras, como Garwood, usam para nos enfeitiçar.

Tentarei amá-lo, milorde, e certamente o horarei porque será meu marido, mas não acredito que irei obedecê-lo muito.

 Um amor para Lady Johanna é uma história de coragem e superação; é romântica, pontuada por cenas engraçadas (de um jeito fofo), mas não é só isso. Há reflexões sobre o papel da mulher na sociedade, no casamento e na família; há a sementinha do amor germinando em um terreno aparentemente inóspito (meu "eu" romântico falando, rs); há também um mistério que pode colocar a vida da mocinha em perigo, mas que também pode ser um trunfo em suas mãos, e isso garante uma dose exata de apreensão do início ao fim.

Assim como em outras histórias que li da autora, não há enfadonhas descrições sem sentido, mas uma ambientação bastante respeitável através do contexto, além de personalidades construídas com muita engenhosidade. Enfim, queria falar mais, porém sou daquelas que abomina resenhas e sinopses repletas de spoiler; gosto de, literalmente, descobrir cada detalhe da trama.

Um Amor para Lady Johanna é uma história adorável. Recomendo!

Sinopse Skoob: Uma jovem viúva. Um guerreiro escocês fascinante. Duas vidas transformadas pelo amor e por uma paixão avassaladora. Quando Lady Johanna soube que estava viúva, ela prometeu que jamais se casaria novamente. Com apenas dezesseis anos, ela já possuía uma força de vontade que impressionava a todos que enxergavam além de sua beleza avassaladora. Contudo, quando o Rei John ordenou que ela se casasse outra vez – e selecionou um noivo para ela – pareceu que a moça deveria se conformar com esse destino. Seu irmão, no entanto, sugere ao Rei um novo pretendente: o belo guerreiro escocês Gabriel MacBain. No início, Johanna estava tímida, mas, conforme Gabriel revelou com ternura os prazeres magníficos a serem compartilhados, ela começou a suspeitar que estava se apaixonando por seu novo e rude marido. Logo ficou claro para todo o clã das Terras Altas, portanto, que o ríspido e galante lorde rendera completamente seu coração. Porém, a iminência de uma intriga da realeza ameaça separar o casal e destruir o homem que ensinou a Johanna o significado do verdadeiro amor, que a transportou além de seus sonhos mais selvagens.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Amei seu blog, já estou seguindo. Não conhecia esse livro, mas gostei muito da resenha, já quero ler. Gosto de livros que trazem histórias de coragem e superação, reflexões, e romântica então. Amei mesmo. Beijos :*

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Monyque, que bom ter você por aqui. Seja Bem-vinda!!!

    ResponderExcluir