Resenha: A Redenção de Gabriel, Sylvain Reynard


Título: A Redenção de Gabriel (O Inferno de Gabriel #3)
Título original:  Gabriel’s Redemption
Autor(a): Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Páginas: 432
Tradução: Fabiano Morais


Que saudade estava de falar mal de um livro. Definitivamente eu demorei para ler e gostar de A Redenção. Já já explico a razão.

Novamente Fabiano Morais se esmerou na adaptação do academicismo e dos termos menos usuais para nossa língua, a tradução não deixa a desejar, assim como não dá aquela sensação forçada na leitura. Papel, fonte e diagramação também são no mesmo padrão dos anteriores, ou seja, muito bons.

Então do que você não gostou, tia Bel? Simples, Sylvain vinha em um crescimento, criando personagens cativantes e envolventes, que tinham uma profundidade psicológica – sinceramente, nunca entendi as pessoas que insistem em comparar esse tratado de psicologia com aquela coisa chinfrim de 50 tons, mas enfim... cada um com seu cada qual.

Voltando... Sylvain criou, nos dois primeiros volumes, a despeito da profundidade psicológica ser ou não arrastada, duas pessoas coerentes e que se desenvolvem durante a passagem de tempo: 

  • Julianne sai de uma menina assustada e traumatizada para uma mulher sensual e segura de seus pensamentos. Seus questionamentos são coerentes e sensatos, baseados em lógica e observação.
  • Gabriel também sai de seu casulo, deixa de ser um rabugento para se tornar um romântico apaixonado que recita poesia em um pomar, mas que ainda mantém seu pedantismo. 
  • Eles não criam outras personalidades, apenas deixam, como quando cobras trocam de peles, seus medos e problemas, aprendendo a viver como um casal.
Isso até o livro 3. A conclusão da trilogia deixa muito a desejar quando Sylvain renega tudo o que construiu até aqui e volta a uma Julianne medrosa, confusa e sem voz própria, que apenas quer rebater o que apresentam a ela sem parar para pensar ou ponderar. Gabriel não fica atrás, não usa mais a sensatez ou o raciocínio lógico para tomar decisões; age como um animal, guiado apenas por instintos.

O livro é ruim? Se analisado sozinho não, mas quando comparado com os outros dois, deixa muito a desejar em termos de envolvimento com os personagens.

Julia e Emerson mereciam um final mais digno, na minha opinião.

Recomendo a leitura para quem quiser saber o final da série, mas não é o melhor do autor. Chegamos ao final da história do Professor Emerson e sua mulher, só que isso não é o final... Ainda teremos algumas receitinhas baseadas nos livros, porque Sylvain, além de nos apresentar a literatura clássica e alguns dos pintores mais famosos do mundo, ainda é responsável por jantares interessantes. Ficaram curiosos? Aguarde... Em breve!


Leia resenhas dos livros anteriores da série clicando nas imagens abaixo: 




Sinopse site da Editora Arqueiro: Depois do escândalo em que se viram envolvidos em Toronto, Gabriel e Julia se casaram e se mudaram para Massachusetts, onde ele dá aula na Universidade de Boston e Julia faz doutorado em Harvard. Agora ela precisa provar que não vive à sombra do marido famoso.Mas parece que Gabriel não está pronto para ver a esposa caminhar com as próprias pernas. Quando ela é convidada a dar uma palestra em Oxford, surge seu primeiro conflito: a linha de pesquisa dela diverge da teoria dele.Durante a conferência, os dois são obrigados a confrontar antigos rivais, entre eles a incansável Christa, que, ainda determinada a humilhar Julia, ameaça revelar um dos segredos mais obscuros de Gabriel.Além disso, as coisas entre eles não vão muito bem. Isso porque Gabriel está ansioso para ter um filho, mas Julia quer concluir o doutorado primeiro.Para ver realizado seu sonho de formar uma família, Gabriel terá que enfrentar fantasmas do passado. Será ele capaz de fazer isso? E será que a generosidade de Julia resistirá à ameaça de ver arruinada a carreira que ela tanto se esforçou para construir?A redenção de Gabriel é o desfecho brilhante dessa trilogia que arrebatou leitores no mundo inteiro.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Olá!
    Que pena que você não gostou tanto quanto gostou dos dois primeiros :( Eu conheço a série pelos nomes só, nunca tive muita curiosidade para conhecer mais sobre, mas agora vou atrás para ver se realmente seria uma leitura que me agradaria :)
    Beijocas!

    http://ultimasfolhasdooutono.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eu ainda quero ler essa trilogia! Que bom saber que nos dois primeiros temos um desenvolvimento psicológico melhor dos personagens! Adoro ver quando amadurecem, tornando a leitura ainda mais interessante! Que pena que o último livro deixou a desejar nesse ponto, mas que você encontrou outros pontos positivos.
    Beijos!
    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Se não gosto nem do primeiro, quem dirá do terceiro que você não gostou HAHAHA Tive sérios problemas com a mocinha da trama que não me desceu. O pano de fundo Dante é magnífico mas a história não é só isso. Enfim, nenhuma novidade para mim não ter gostado. E eu passo longe da trilogia.
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Bel! Eu já li essa trilogia e também fiquei bem intrigada com a volta de algumas atitudes negativas dos personagens principais nesse livro haha. Eu amei a escrita do Sylvain, e o primeiro volume na minha opinião é o melhor. Também nunca entendi o porquê das pessoas compararem o Gabriel com o Christian, eles são totalmente diferentes. Sua resenha está ótima e me fez relembrar tanto os pontos negativos quanto os positivos dessa série. Bjss!

    ResponderExcluir
  5. Olá Bel! Nunca li a trilogia, mas sempre li resenhas positivas. Te confesso que as sinopses não me chamaram atenção. É uma pena o último livro não ter tido um impacto tão bom quanto os dois primeiros, é frustrante. Gostei das suas observações, parabéns pela resenha, beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Bel
    Vejo que não só esse, mas os outros livros da série, dividem a opinião do leitor.
    Confesso que não tenho muita vontade de ler os livros, mas a história não parece ruim. Uma pena que não foi o melhor volume, ou pelo menos tão bom quanto.


    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  7. Esta foi uma série que nunca me interessou, mas tenho uma amiga que adorou e tem quase a mesma opinião que você sobre a conclusão. Que pena que ficou inferior aos outros dois livros.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Gosto de livros que falam de arte, arquitetura em meio a tramas ficcionais, mas tenho um pouco de receio com o autor, acho que as resenhas negativas que já de sua obra me impactam mais que as positivas, mas quem sabe um dia eu vença esse receio.

    ResponderExcluir