Resenha: Restos Humanos, Elizabeth Haynes



Título: Restos Humanos
Título Original: Human Remains
Autor: Elizabeth Haynes
Tradução: Mauro Pinheiro
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 315

Se você desaparecesse agora, alguém notaria sua falta?

"Se as pessoas pararem de olhar para você, você para de existir? Isso quer dizer que você não é mais uma pessoa? Isso quer dizer que você já está morto?"

Essa questão não é nova, mas a autora resolveu construir uma trama baseada nela. Para a principal (?) personagem feminina do livro essa é uma dúvida que a atormenta e martela em sua cabeça, depois de descobrir que sua antiga vizinha, que ela pensou ter se mudado depois de um final de relacionamento, estava morta... Na casa ao lado.


Narrado em primeiras pessoas, o livro não dá margem para dúvidas ou questionamentos. Há o bem, a moralidade, o esperado e há o mundo real, onde as pessoas não ligam para seus vizinhos, conhecidos, parentes, amigos. Essa é a única parte inquietante de toda a obra.

Não gosto muito de livros em primeira pessoa, acho que limita um pouco a narrativa, mas tem suas vantagens, uma delas é poder “entrar na cabeça de cada personagem”, Colin – isso ainda não é um spoiler – não é a maldade encarnada. Não é nêmeses ou a antítese do mocinho. Ele é o que é, um passaporte, uma porta. A passagem para quem precisa. Só que isso o satisfaz.
A narrativa incomoda a partir do momento em que notamos que temos muito em comum com as vítimas, com Annabel, que é a maior vítima de Colin e principalmente com o algoz, um típico psicopata, até inglês ele é.

É um livro de suspense policial, mas ao invés de se focar a investigação e na perseguição, somos conduzidos de maneira intimidante pela solidão das vítimas, até o ponto em que chegam a solução mais agradável para elas.

SPOILER
Nem todas queriam morrer, mas todos queriam o fim do sofrimento.
FIM DO SPOILER

A adaptação para o português foi bem-feita, um trabalho cuidadoso, tanto que não lembro de nada gritante em termos de gírias ou expressões que não estivessem pensadas de maneira correta. Li o e-book disponível na Amazon, então não posso falar muito sobre papel ou diagramação.

Imagino que o leitor médio, mais acostumado com uma “leitura rápida” vai se sentir muito incomodado com Annabel, com a maneira que a autora encontrou para contar as histórias, mas continuem a leitura. Annabel, nossa protagonista, não vive. Ela apenas arrasta sua existência através dos dias. Se não fosse assim, não existiria o livro.

Não é um livro “fácil, rápido e agradável”, mas a vida também não é.
Leitura mais do que recomendada.



Sinopse: Ao encontrar por acaso o corpo de uma vizinha em avançado estado de decomposição, Annabel Hayer, que trabalha com análise de informações para a polícia, fica horrorizada ao pensar que ninguém — e isso inclui ela mesma — sentiu falta daquela mulher. De volta ao trabalho, ela vasculha os arquivos policiais e encontra dados que mostram um aumento significativo de casos como aquele nos últimos meses em sua cidade. Conforme aprofunda a investigação, Annabel parece cada vez mais convencida de estar no rastro de um assassino, e é obrigada a enfrentar os próprios demônios e a própria fragilidade. Será que alguém perceberia se ela simplesmente desaparecesse? Um thriller psicológico extremamente perturbador, Restos Humanos fala de nossos medos mais obscuros, mostrando como somos vulneráveis — e a facilidade com que vidas podem ser destruídas quando não há ninguém que se importe com elas.

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Oie!
    Eu já li o livro, e não gostei muito da história.
    Lembro que um livro da autora eu gostei bastante, mas esse não me envolveu tanto. Mas é uma ótima dica!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  2. Oi, Bel!
    Não sabia da existência desse livro! Parece ser uma história interessante e o título já me chamou atenção.
    Gosto de livro que exploram a mente dos personagens, mas não quando se arrasta demais. Espero que quando eu fizer a leitura, eu possa gostar da Annabel. ^^
    Obrigada pela dica!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  3. Oiee Bel ^^
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei a premissa dele muito interessante e instigou a minha curiosidade. Acho que nunca li nada que focasse na solidão das vítimas ao invés do assassinato em si. Gostei.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir