Momento Cultura: Homeland – maratona para a 6ª temporada




Antes de falar sobre um dos melhores seriados dos últimos tempos tenho que explicar como consigo assistir os episódios antes de eles chegarem ao Brasil. 


Fato 1: eu entendo inglês. Não sou nativa ou fluente, mas sei o suficiente para assistir o seriado e não me perder.Fato 2: tenho amigos que moram nos Estados Unidos e que delicadamente fazem “live” para que eu possa assistir os episódios junto com eles.

Isso explicado, vamos falar sobre Homeland.


Assim que estreou comecei a assistir e o realismo dele, a atualidade, a cara jornalística, deixou-me encantada. Confesso que choro em toda as temporadas, então vamos lá. Fiz uma maratona com as cinco temporadas lançadas, isso para me preparar para a estreia da sexta e as sacanagens de Saul.

Em Homeland não existem mocinhos. Os heróis são humanos, com dores, problemas e moralidade humana moderna. Tradução: farinha pouca, meu pirão primeiro.

Carrie Mathison (a atriz premiada Claire Danes) é uma agente da CIA que desconfia que ataques terroristas estão prestes a acontecer dentro dos Estados Unidos. Seu principal suspeito é o herói de guerra, o sargento Nicholas Brody (Damian Lewis, fantástico no papel), um marine que passou oito anos sequestrado por fundamentalistas islâmicos. Carrie é bipolar, em tratamento, e esconde o fato de seus superiores. Brody é um homem atormentado, que foi torturado e traz na pele e na alma as cicatrizes de oito anos longe do seu mundo.

Toda a primeira temporada é a luta de Mathison para provar que está certa, que um atentado vai acontecer e que Brody é um terrorista.

Falar da segunda é dar o spoiler da primeira, mas Mathison reconhece que está apaixonada por Brody e eles assumem um relacionamento conturbado, violento e instável – como ela – que terá consequências para o futuro da série.

A terceira temporada me desidratou. Não vou contar por que, mas ela é a mais sentimental e a que teve menos ação até o momento. Só de lembrar a última cena do último episódio... estou em prantos novamente. Só que vai piorar.

A quarta temporada deixou claro que Saul Berenson (Mandy Patinkin, espetacular), chefe de Mathison, é uma pessoa nada confiável. Ele faz o que for preciso para manter a Segurança Nacional dos Estados Unidos. Mentir, trair, enganar a amiga e pupila não é nada. Manter milhões de americanos seguros é a função dele. Saul nunca foi alguém de quem gostei, mas na quarta temporada considerei a hipótese de meter uma bala na cabeça dele. Entendam, do personagem não do ator.

Chegamos à quinta temporada, Carrie deixou a CIA, sua vida é quase um mar de rosas (mentira e ela leva uma vida regrada, de poucos riscos, mas com o mundo real sempre à espreita). Então, depois de reconstruir o que sobrou de sua sanidade, ela tem que lutar por Peter – um novo amor – e decidir entre ele e Otto. Vida difícil.

Gente, qual é, sou eu, tia Bel. Se eu não falasse de romance fofo em uma série de ação baseada no mundo real, não seria eu!

Assistam, vale muito a pena. Depois me contem que estão tão apaixonados quanto eu.

Para quem não é fã de séries, mas ama uma boa leitura, a primeira temporada virou livro. HOMELAND: Como tudo começou foi lançando pela editora Intrínseca em janeiro de 2014. O livro tem 320 páginas e existe tanto em físico quanto em e-book.

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Menina já comecei a ler esse post com um pesar no coração, não tô podendo ver indicação de série que eu já corro pra assistir e isso tá acabando com todo meu tempo livre pro resto do mundo kkkkk como faz? Eu amei a série e parece ser exatamente o estilo que eu curto assistir! Parabéns pela resenha!

    MEMÓRIAS DE UMA LEITORA

    ResponderExcluir
  2. Olá, eu já havia visto o nome dessa série por aí mas não sabia do que se tratava a história. Após ler seu post, deu até vontade de assistir a série, pois gosto de tramas que envolvam investigações e ação e os personagens também me deixaram curiosa para conhecê-los mais.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Bacana saber que existe um livro sobre a primeira temporada! Também gostei de saber do romance e da sua forma empolgante de dizer que não deixaria de falar dessa parte. rs Amei a série também! Vou favoritar aqui para tentar ver nos próximos feriados porque agora não está dando. rs
    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  4. Olá! Já tinha ouvido falar muito bem da série, especialmente na temporada de premiações. Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir
  5. Legal ver sua opinião sobre a série. Vejo muitas pessoas falando dela mas confesso que a mim não agrada então deixarei a dica passar. Obrigada

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oiii, tudo bem?

    Sempre vejo sobre series, mas é a primeira vez que leia algo sobre Homeland. Já me indicaram várias vezes que eu deveria assistir, e não levei muito a sério, mas depois de ler sua indicação, adicionei as series que irei começar futuramente. Pena que são series d+ pra assistir, estou ficando maluca, juro pra você kkkkk.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca tinha ouvido falar dessa série, mas já gostei dela pra caramba. Primeiro, porque você falou tão bem que me convenceu. Segundo, porque ela é totalmente diferente do que já assisti. Se tiver tempo, certamente darei uma conferida nela.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, achei o máximo seus amigos fazerem Live pra você poder assistir aos episódios com eles! A série não chamou minha atenção porque quanto mais próximo da realidade, menos me atrai, acho que não curtiria essa cara jornalística, mas achei muito louco essa agente da CIA bipolar se tratando secretamente.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Nossa que realmente maratona pra você conseguir assistir a série hein haha Nunca tinha ouvido falar dela, até pq como você explicou só tem ainda no EUA. Gosto de séries realista e adorei saber que tem livro. Já estou procurando ele <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir