Resenha: Outlander - O Resgate no Mar (Parte I)


Título no Brasil: Outlander - O Resgate no Mar (Parte I) (Outlander #3)
Título Original: VOYAGER
Autor(a): Diana Gabaldon
Editora: Arqueiro
PÁGINAS: 592
Ano: 2016

Esta resenha não contém spoilers do livro 03, mas se você não leu ainda os livros 01 e 02 e pretende lê-los, provavelmente encontrará informação demais aqui. 

Aviso dado, preciso dizer a vocês que estava morrendo de saudade desses personagens. Depois da montanha-russa de emoções de A Viajante do tempo e A Libélula no âmbar, assumo que estava um pouco receosa com o que o livro três poderia fazer com o meu pobre coraçãozinho.

Em O Resgate no Mar - Parte I encontramos Claire, Roger e Brianna em busca de maiores informações a respeito do que poderia ter acontecido com Jamie Fraser após a batalha de Culloden.


Como já informado no livro anterior, ele sobreviveu, e a meta do momento era descobrir por quanto tempo para saber se seria possível a ela voltar novamente e reencontrar seu grande amor. Sempre que uma informação era descoberta por Claire, o capítulo acabava e viajávamos para o século XVIII, vendo como aquela informação que ela encontrou realmente ocorreu, agora pelo ponto de vista de nosso querido e amado Jamie Fraser.

As informações vão se completando de forma gradual. Jamie, como sempre, sendo aquele que coloca a todos antes de si mesmo, principalmente após ter perdido o que lhe era mais importante na vida, Claire, sua amada. Nós o acompanhamos em tantas situações as quais eu jamais poderia cogitar que iriam acontecer... Sofria com Claire ao saber de tudo e imaginar sua angústia por não ter podido estar lá para ampará-lo, para ser a companheira que foi durante os três anos em que viveu no passado.

Além disso tudo, outra dúvida pairava na mente de Claire. Ela quase não sobrevivera à última travessia pelas pedras, que caracterizou como lhe trazendo a sensação de que estava sendo rasgada em milhões de pedacinhos, muito pior que da primeira vez... Será que se ela descobrisse que ele ainda estaria vivo, seria capaz de arriscar a própria vida para tentar voltar para ele? E Brianna, conseguiria deixá-la?

A escrita da Diana Gabaldon continua excelente, entretanto este foi um livro bem mais linear do que os anteriores, quase "morno". É quase um respiro, depois de tantas emoções nos livros anteriores. Isso não desmereceu em nada a leitura (preciso frisar), que terminei em cinco dias, devorando cada letrinha como se fosse a carta de uma amiga a qual não recebia notícias há muito tempo.  Eu queria falar tanta coisa a mais para vocês: se Murtagh, Fergus, Jannie, Ian e seus filhos foram capazes de sobreviver ou não à Culloden e à fome que se abateu na Escócia logo depois... Mas seria spoiler. Então só me resta dizer "leia... E nos encontramos no próximo livro".

Onde comprar: site da editora




Sinopse: Há vinte anos Claire Randall voltou no tempo e encontrou o amor de sua vida – Jamie Fraser, um escocês do século XVIII. Mas, desde que retornou à sua própria época, ela sempre pensou que ele tinha sido morto na Batalha de Culloden. Agora, em 1968, Claire descobre, com a ajuda de Roger Wakefield, evidências de que seu amado pode estar vivo. A lembrança do guerreiro escocês não a abandona… seu corpo e sua alma clamam por ele em seus sonhos. Claire terá que fazer uma escolha: voltar para Jamie ou ficar com Brianna, a filha dos dois.
Jamie, por sua vez, está perdido. Os ingleses se recusaram a matá-lo depois de sufocarem a revolta de que ele fazia parte. Longe de sua amada e em meio a um país devastado pela guerra e pela fome, o rapaz precisa retomar sua vida.
As intrigas ficam cada vez mais perigosas e, à medida que tempo e espaço se misturam, Claire e Jamie têm que encontrar a força e a coragem necessárias para enfrentar o desconhecido. Nesta viagem audaciosa, será que eles vão conseguir se reencontrar?

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário