Esposas & Filhas



Título original: Wives and Daughters
Título no Brasil: Esposas & Filhas
Autor (a): Elizabeth Gaskell
Editora: PEDRAZUL
Ano: 2016
Páginas: 536




“Esposas & Filhas” foi escrito no século XIX, por volta dos anos de 1865 e, na época, era publicada semanalmente pela autora em uma revista chamada Cornhill Magazine. Quando apareceu a oportunidade de ler esta obra, cedida pela Editora PEDRAZUL, fiquei bastante empolgada, a princípio, já que adoro as histórias de época e, preciso confessar, não resisto a um "livrão" bem grosso. Porém, quando fui pesquisar sobre a obra e soube que a autora faleceu repentinamente quando estava prestes a concluir a história, bateu um “medinho” de me aventurar, rsrsrs.  Imaginem só, ler um livro de quinhentas e trinta e seis páginas recheadas de letras miúdas e “morrer na praia”, não ler o final. Nem pensar! Mas então descobri, na orelha do livro, que o próprio editor da revista, Frederick Greenwood, concluiu a obra. Ai, que alívio! Bom, em seguida, logo no final da leitura, constatei que ele não exatamente escreveu o final, mas relatou, em meio a um bonito discurso sobre a obra e o falecimento não só da romancista, mas da pessoa, as intenções de Gaskell para o desfecho.
Sobre a história, a própria autora a intitulava como uma obra do cotidiano, e eu devo concordar, já que a trama se desenvolve a maior parte do tempo em meio a situações corriqueiras, singelas do dia a dia, claro, com as peculiaridades da sociedade rural inglesa na era vitoriana.
A história de Molly Gibson é contada desde quando ela é somente uma garotinha órfã criada apenas pelo pai, até a sua vida adulta. Apesar da falta da mãe, o arranjo entre pai e filha parece bastante confortável para ela, que vive felizmente em sua companhia, bastante satisfeita com seu cuidado e com suas conversas inteligentes. Ele, em contrapartida, preocupa-se com a criação da pequena. Médico respeitado, abriga em sua casa vários aprendizes e considera constrangedor para a criança e, aparentemente, também para os jovens tal convívio.
Em certo momento da trama, conduzido pelo desejo de dar uma mãe para Molly e por ardis bastante sutis idealizados por terceiros, Mr. Gibson resolve se casar com a ex-governanta chamada Clare, a mesma que havia negligenciado Molly anos antes. É então que a vida da garota dá um giro. Além de uma madrasta bastante controladora e, em minha opinião, de caráter duvidoso, ganha também uma irmã.

“Continuar com o quê?, perguntou Lady Cumnor secamente.”
“Oh, planejando. Não pode negar que eu planejei esta união.”

Moly se torna uma bela jovem, de bom caráter e temperamento pacífico. Apesar de, em alguns momentos, achá-la passiva demais, fiquei encantada com sua ingenuidade e seu bom coração. Em sua juventude, apesar de despertar o interesse de alguns homens, ela não é correspondida por aquele por quem se apaixonou, seu amigo Roger, e ainda tem que conviver com o conhecimento de que ele se casará com outra. Bom, é aqui que paro de falar da história, em si, para não dar spoilers, mas o leitor pode esperar por intrigas, traições, revelações.

“Não importa. No mundo em que vivemos, o que você admitiu que fez, Molly, já é o suficiente. Você precisa me contar tudo, assim posso refutar esses boatos, ponto por ponto.”

O que mais me encantou em “Esposas & Filhas” foram os personagens, pela forma profunda e verdadeira como foram delineados, mesmo que em linhas, aparentemente, tão singelas. Sabe quando você termina um livro com uma sensação muito forte de que aqueles personagens realmente existem? Pois é, minha experiência nessa leitura foi exatamente assim. Mesmo sem abertas ou complexas descrições da personalidade e do “jeito de ser” das pessoas que “povoaram” essas linhas, é possível identificar os mais sutis traços do caráter de cada um; suas ações dizem tudo.
A história é muito bem escrita e, apesar ter sido produzida no século XIX, nesta edição trazida pela PEDRAZUL, traz uma linguagem bastante acessível, embora coerente com a ambientação, até mesmo para aquele leitor que não está habituado à leitura dos clássicos. Apreciei bastante o projeto gráfico e fiquei encantada com as lindíssimas ilustrações de George Du Maurier que encontrei em meio ao texto.
 Esposas & Filhas é de fato uma obra-prima como é considerado por muitos. A autora era dona de uma escrita magnífica e, sem dúvida nenhuma, de uma sensibilidade ímpar, que salta a olhos vistos na delicadeza e verdade com que cada cena foi escrita. Estou encantada e já coloquei suas outras obras em minha lista de leituras.

SINOPSE SKOOB

É o último romance escrito por Elizabeth Gaskell, em 1865, considerado sua obra-prima, narra o destino de duas famílias do século XIX na Inglaterra rural. Trata das relações familiares de pai, filha, madrasta, filhos, enteada e de seus envolvimentos românticos. A história gira em torno de Molly Gibson, filha única de um médico viúvo vivendo em uma cidade provincial inglesa em 1830. Tem início com Molly ainda criança em visita à casa do pai e a negligência da ex-governanta, Miss Clare, em relação a ela.
Sete anos depois, Molly é uma atraente jovem bastante irreal que desperta o interesse de um dos aprendizes de seu pai, o Sr. Coxe. O afeto é descoberto pelo senhor Gibson que envia a jovem Molly para ficar com as Hamleys, de Hamley Hall, uma família da pequena nobreza. Lá, ela encontra uma substituta da mãe na senhora Hamley, que a trata como filha. Molly também se torna amiga do seu filho mais novo, Roger. O filho mais velho da família Hamleys, Osborne Hamley, um jovem bonito, inteligente e mais elegante do que seu irmão, é esperado para fazer um casamento brilhante após uma excelente carreira na Universidade de Cambridge. Porém, um grande segredo envolve Osborne. Intrigas, fofocas, preconceito, traições, tragédias e amor marcam este formidável romance.
Personagens como Molly, Roger e Osborne; a empregada doméstica Aimeé; o senhor Gibson; a madrasta de Molly: a senhora Jacinto Kirkpatrick (ex-Miss Clare, a antiga governanta), uma ambiciosa e egoísta mulher; a meia-irmã mais nova de Molly, a egoísta, rebelde, Cynthia, educada na França um contraste com a ingênua Molly. Segredos do passado envolvendo mãe e filha e um empregado nas terras do senhor Gibson, o senhor Preston, fazem desse livro uma obra-prima. Foi publicado na revista Cornhill como uma série de agosto de 1864 a janeiro de 1866. Quando Gaskellmorreu subitamente, em 1865, a última parte foi escrita por Frederick Greenwood.



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário