Resenha: O amante de Lady Chatterley - D. H. Lawrence


Título no Brasil: O amante de Lady Chatterley
Autor (a): D. H. Lawrence
Editora: Martin Claret
Ano: 2006
Páginas: 304




Olá meus caros leitores, aqui estamos para mais uma resenha de clássicos! Dessa vez, vou trazer um livro diferente para vocês, diferente até mesmo do que eu costumo ler.  Certo dia, nossa professora de Tópicos de Literatura Universal nos falou sobre o livro O amante de Lady Chatterley e eu resolvi comprá-lo para ler. Resultado? EU AMEI! Querem saber o motivo? Vem comigo!


O escritor é D.H. Lawrence e eu o considero um gênio da Literatura Inglesa. Enquanto todos escreviam de acordo com o que a sociedade permitia, esse escritor inovou! Suas obras foram consideradas obscenas e proibidas para a época, mas ele não desistiu. O amante de Lady Chatterley, por exemplo, circulou clandestinamente por toda a Inglaterra e O arco- Íris foi recusado pelas editoras de Londres e só foi publicado anos depois em Nova York. Nesse sentido, as obras de Lawrence são pertencentes ao movimento literário intitulado Naturalismo e fortes, sensuais e descrevem os verdadeiros sentimentos humanos.

O amante de Lady Chatterley é um livro bastante ousado que narra a vida de Constance, uma jovem escocesa que se casa com um ex-soldado mutilado na guerra. Clifford não pode lhe dar os prazeres carnais e não é um dos melhores maridos do mundo. Na verdade, ele é bastante egoísta e só pensa em si mesmo, principalmente porque ele é inseguro e tem medo de perder Constance para alguém que pode lhe dar aquilo que ele considera banal.

A mulher faz um grande esforço para atender aos seus desejos, ajudando-o em tudo, sendo-lhe amável e gentil, mas Constance não nasceu para levar uma vida de "semivirgindade", como diz seu próprio pai. Primeiro, deixou-se apaixonar por um jovem ator irlandês de melancólica personalidade, mas viu que aquilo não a levaria a nada e voltou para as águas paradas de seu casamento. Cada vez mais infeliz, observa como o mundo é cruel ao seu redor e como seu marido se torna cada dia mais odioso para ela.

Assim, desgostosa de tudo, em um dia extremamente rotineiro, Constance conhece o guarda-caça de Clifford, o misterioso Mellors e começa a sentir coisas que considerava mortas dentro de si. Confusa, primeiro sente-se envergonhada por tais desejos, mas é como se fosse atraída para aquele homem simples, um homem do povo, parte daquele cenário que ela tanto odiava. O desejo de ter um filho também lhe fala alto, ela já não é mais uma jovenzinha e consciente de que Clifford nunca poderia lhe dar isso, Constance se aventura por um caminho perigoso, onde ser Lady Chatterley não é mais importante do que sentir o prazer carnal nos braços de Mellors. Tendo consciência do seu adultério, ela terá de decidir: sua honra ou sua intensa paixão pelo guarda-caça?

   Um livro extremamente atual, não só pela liberdade sexual feminina, mas por se situar em um ambiente pós-guerra, numa sociedade como a nossa: dinheiralista, egoísta, industrialista ou simplesmente capitalista. O começo da obra é um tanto maçante, mas depois ela simplesmente fluí e você não consegue deixar a leitura de lado, as cenas consideradas picantes para a época, para nós, é bastante light e necessárias para entender o que a personagem sente. O narrador é onisciente, dando um ar mais plano da obra. Nós conseguimos nos sentir na pele dos personagens. O espaço é bastante aberto, os personagens transitam em ambientes descritos com maestria para nosso deleite, pois conseguimos até mesmo sentir os cheiros dos miosótis que Mellors dá a Constance em um dia de garoa... Enfim, é incomparável!

Vale a pena conferir, pois além de ser um clássico da literatura inglesa, esse livro nos remente as personalidades, anseios e angústias que podem ser encontradas em cada um de nós.
Até a próxima, pessoal, e espero que curtam esta indicação!

CURIOSIDADE:

- O Amante de Lady Chatterley ganhou uma adaptação cinematográfica em 1981, chamada "L'amant de Lady Chatterley". O filme foi protagonizado pela atriz holandesa Sylvia Kristel que faleceu em 2012.


Sinopse: Pelo papel que conferiu à paixão amorosa, às vezes em meticulosas descrições do amor físico, o britânico D. H. Lawrence causou polêmica em sua época, porém mais tarde passou a ser visto como um dos maiores renovadores da prosa de ficção no século XX. Em 1928, radicado em Florença, Lawrence publicou seu mais célebre romance, O Amante de Lady Chatterley, que conheceu sucessivas proibições e cujo texto integral só veio a público em 1959, em Nova York. A obra recria as relações entre uma aristocrática inglesa, seu marido (paralítico em conseqüência da guerra) e seu guarda florestal: ao mesmo tempo em que defende a liberdade sexual, ataca frontalmente as convenções sociais. O romance desenvolve o tema do conflito entre a imperiosa exigência do sexo e a serenidade do amor.

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Olá Letícia,

    Da primeira vez que li este livro, achei chatíssimo e mal consegui terminar a leitura. Porém, agora lendo a sua resenha, acabei percebendo um outro ponto-de-vista dele, que não tinha visto quando li. Por isso, adorei seu texto, parabéns!

    Abraços,
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    ResponderExcluir