Momento "Cultura" (?) : Sylvia Day




Esse não é um post para menores. Algumas referências são apenas para maiores de 18 anos! Leia por sua conta e risco.

Badalada, cultuada, idolatrada (salve, salve). Sylvia Day virou um ícone entre escritoras hot, com suas séries de livros. Eu sinceramente não entendo isso, porque li alguns deles.

Para mim, ela representa o epítome da mulher capacho, não da mulher submissa de um dominador, que conhece e estabelece seus limites. As personagens femininas criadas por Sylvia representam mulheres fracas, frágeis, sem vontade ou amor próprio, que precisam de um homem que seja seu farol, seu guia, seu herói. 


Li os cinco volumes de Crossfire e os dois de Renegade Angels. Tentei ler Dangerous, que são apenas dois volumes, mas larguei essa leitura e não me atrevi até hoje a pensar em tentar ler outro livro da autora. O problema é que os livros dela são sempre mais do mesmo: homem grosso e mal-educado, sem um pingo de sensibilidade, que maltrata uma mocinha sem amor-próprio. 


Para piorar, quem anda por aí defendendo o fim da cultura do estupro não pode concordar com personagens que não entendem que Não é Não. Ela, Sylvia, e E.L. James são especialistas nisso. Aí você idolatra esse tipo de literatura, mas se manifesta contra a cultura do estupro? Não venha dizer que é apenas literatura. Isso é cultura do estupro, não são dominantes sexuais.

Não vou falar sobre as cenas de sexo. Não porque sejam ruins, mas porque 90% delas não faz o menor sentido. São repetições sem emoção de outras cenas de outros livros – algumas bem trabalhadas, outras nem tanto – de outros autores. De acordo com o que li na Cosmopolitan, UK ou US, enfim, na internacional que, aliás, foi a responsável por elevar Sylvia ao posto de ícone – Diva é forçar uma barra que ela não merece – da escritora moderna e descolada, "mulher gosta de sexo, sim, mas anda preferindo realidade à ficção". Pornô francês e pornô gay fazem mais sucesso do que pornô hétero americano, com aquelas siliconadas de unhas enormes.

Bel, mas você não gosta de livro hot?

Não, eu não gosto de livro hot. Eu aprecio, leio, indico e recomendo Literatura Erótica, que é muito diferente de livro hot (ficou curioso? Veja minha classificação aqui). Aliás, não me lembro de um hot que li e gostei. O meu ponto de vista é que o tão proclamado hot nada mais é do que a literatura erótica com menor qualidade e mais apelo sexual. Um livro erótico não precisa ter uma cena detalhada de sexo, pode deixar apenas subentendido. Algumas vezes isso é mais quente e instigante do que dizer o que entrou onde.

Uma coisa que eu defendo em autoras no estilo Sylvia é que elas criaram uma cultura de dar voz às mulheres, de permitir que as mulheres assumam publicamente que “mulheres têm desejos e fantasias”. Claro que prefiro ligar esse tipo de “libertação” à Margueritte Duras, que chocou o mundo com sua autobiografia romanceada “O Amante”. Acho que “A convidada”, de Simone de Beauvoir, também é mais emblemático. Só que não estou falando de clássicos, estou tentando explicar por que motivos eu não suporto ler Sylvia Day.

Algumas amigas já tentaram explicar a qualidade técnica da autora. Eu vejo apenas o apelo de marketing e aqui confesso que acho a capacidade dela de, mesmo produzindo tantas obras similares, ser uma vendedora de livros de causar inveja.

Acho que começar a ler com Sylvia Day é válido, mas tenho certeza de que, se procurar um pouquinho, o leitor vai encontrar opções melhores.

Não sei ainda o que vou detonar na próxima semana! Alguma sugestão? kkkk

Comente com o Facebook:

33 comentários:

  1. Uiaaaa que esse blog ama ser polêmico... adorooooo
    Sou fã da Sylvia, gente... e agora???
    Não discordo totalmente de suas colocações, mas também não concordo rsrsrs
    Sempre digo que existem livros para todo o lipo de leitores e se ela conquistou esse numero absurdo de leitores, é porque suas histórias não estão assim tão fora da realidade... Nós que as vezes inventamos um mundo feminino perfeito, mas muitas vezes gostamos é do imperfeito kkkkkkk
    Não concordo em hipótese alguma com sua comparação ao estupro, pois uma coisa é você dar com vontade para alguém que você nunca viu na vida, outra é você ser abusada sexualmente por um estranho filho da P*** que resolveu fazer de você um objeto sexual. FATO!!!! Não podemos misturar as coisas gente... Pera lá... Vamos com calma, cada coisa em seu devido lugar!
    E quanto a escritora em si, cara ela é boa pra Cara****
    Mas respeito a sua opinião, Bel, e estou aqui para parabeniza-la por sua coragem em expor um tema tão polêmico através de seu ponto de vista...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Roberta,

      se o meu marido quer sexo e eu digo NÃO e mesmo assim ele continua, é estupro. Pouco importa que cinco minutos antes eu estava transando animada com ele. Então quando uma personagem fala NÃO ao seu parceiro no livro é estupro sim. Quando um abusador - dominador é outra coisa - vê sua parceira desconfortável com a cena que ele montou, quando ele vê que ela tem medo de dizer a palavra de segurança ou de dizer não e não toma nenhuma atitude para acabar com a cena, para deixar sua parceira confortável e segura é estupro. Vivi cenas BDSM suficiente para saber que segurança e "conforto" tornam um Dom um bom Dom e não um abusador com um chicote na mão.

      Excluir
    2. O que você viveu não pode servir como base para você generalizar as coisas, Bel. Sexo consensual é uma coisa, você ser abusada sexualmente é outra, por favor, vamos ser lógicas. Quando você falou da relação marido e mulher eu fiquei com uma dúvida. Você é casada? Sabe das rotinas conjugais? Na minha casa as coisas só acontecem quando os dois querem, seja na parte sexual, financeira, organizacional. E acredito que na vida de muitas pessoas, incluindo as mulheres de hoje em dia, é assim. Você esta fazendo um bafafa por conta de um livro, uma imaginação fértil de uma escritora. E acho até que esta misturando os livros, pois falamos da Sylvia Day e o trecho que você cita é o de 50 Tons de Cinza, se eu não estiver enganada. (que por sinal também adoro) Eu sou escritora, mas te digo que não vivi um terço do que escrevi, uso minha imaginação para isso. É isso que os escritores fazem, querida. Usam sua imaginação para povoar a imaginação das pessoas que os leem. Quanto a isso servir de exemplo de vida ou não, ai vai de cada um né. Até porque se formos pensar assim, letras de músicas fazem apologia a tantas coisas erradas também. E os livros e filmes de terror e suspense então... JESUS! Eles matam sem dó nem piedade. Mas é apenas um livro rsrsrsrsrs Isso é o mundo em que vivemos e por isso Deus nos fez livres para escolher o caminho que queremos seguir... Livre Arbítrio. Quanto aos flagelos causados pelos tais dominadores, eu não sei o que falar por nunca ter vivido tais situações, mas gosto de ver a criatividade das pessoas em seus escritos, pois mesmo quando elas já vivenciaram algo parecido, enriquecem mais a cena com os sentimentos que movem a determinada ação. Parabenizo os autores eróticos e hot´s, não deve ser fácil escrever. Eu me atrevo com meus contos eróticos, mas nada que chegue nem perto destas escritoras citadas. E volto a defender meu ponto de vista... Sou leitora de livros e artigos hot´s e eróticos, mas não é por isso que aceito o estupro, pelo contrário. Sou a favor do amor em tudo na vida, e o pratico sempre, principalmente evitando fazer pré julgamentos sobre as pessoas ;) Beijos querida!

      Excluir
    3. Vou fazer bem explicado, porque acho que por ser prolixa não estou me explicando.
      Cultura do estupro existe. Fato
      Não é não. Quem não aceita e força a situação é estuprador. Fato
      Livros eróticos, hot é invenção recente, dão ideias sim. Não acredita? Matérias e mais matérias de homens que foram presos por se comportarem como personagens de E. L. James.
      O que citei e defendo e vou defender sempre é a contradição de se dizer contra a cultura do estupro e se idolatrar personagens que se encaixam em perfil estuprador.
      Não quero criar bafafá. Defendo meus pontos de vista com lógica e argumentos.
      Aliás, você sabia que ser apalpada ou sarrada em transporte público é abuso sexual?
      Defendo, leio, indico e escrevo livros eróticos. Não defendo, não indico e não escrevo incentivo à cultura do estupro.

      Excluir
  2. Eu vejo os livros da Sylvia Day exatamente assim, discordo de nada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Roberta, sua vida não deve ser fácil... não seguir modinha é complexo rsrsrs Bem-vinda ao mundo crítico.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou fã de Sylvia Day, embora eu tenha uma fixação pela serie Crossfire. Não sei exatamente explicar o porque eu adoro essa série, mas não está ligada ao sexo, eu acredito que o comportamento obsessivo do casal protagonista é o que mais me intriga a ler o desfecho do romance. Renegade Angels também faz parte do meu hall de livros, li os dois e tenho demasiado interesse em concluir a leitura, quando a fulaninha Day decidir concluir a série que parece ter sido esquecida.... Nesse ponto, o que me atrai é a fantasia, o lance de anjos, lobos e vampiros, sou aficionada por esse tipo de livro, mas não chega nem perto de Irmandade da Adaga Negra, por exemplo. No mais, não tenho o menor interesse em ler outros títulos da autora e, concordo, que há muitos livros superiores a essas séries. É realmente difícil compreender o que cativa tanto o público leitor em livros onde as mulheres são inclinadas a ser dependentes de toda a atenção e proteção dos homens, e para isso, sujeitam-se a uma submissão que não é sadia, alimentando ainda mais o ego desses "homens traumatizados" ... É bem contraditório, não? kkkk Mas eu faço questão de encerrar os livros da série, não gosto de deixar pela metade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Evy, obrigada pela visita!

      Li até o final porque já larguei muita coisa pela metade, mas essa coisa de mulher que perde o cérebro porque o parceiro abre as calças é tão idiota que acho que a autora deveria me pagar para ler o livro dela.

      Isso, perder a lógica e a razão, não é paixão, é embriaguez! rssrsrs

      Excluir
  5. Nunca li Syvia Day, e também nunca li nenhum romance erótico, hot, ou pornográfico (eu não sabia que existia diferença). Sempre tive a impressão de que esse tipo de livro idealizava demais o sexo, como se a relação sempre fosse perfeita e os dois personagens sempre tivessem orgasmos múltiplos (a gente sabe que não é todo dia que isso acontece). Também tinha uma certa ideia de que esse tipo de romance tinha algo a ver com submissão feminina, porque foi essa ideia que eu tive quando assisti Cinquenta Tons de Cinza no cinema. Também acredito que levam a sério demais os estereótipos de beleza e juventude. Apesar disso tudo, eu ainda espero algum dia receber a recomendação de um livro erótico que não tenha nada disso, e que seja mesmo bom.
    O seu post foi interessante, e gostei de ler, mesmo não tendo conhecimento nenhum sobre o assunto. Fiquei curiosa sobre "A convidada", da Simone de Beauvoir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lethycia,

      eu ainda não descobri quando começou a "idiotização" feminina. Os romances atuais partem do princípio de que não importa o que o mocinho faça, ele sempre será perdoado ao abrir as calças e beijar a mocinha. As autoras modernas não tratam da sexualidade feminina, não dizem que é normal mulher gostar de sexo e ter desejo, o que é normal para essas autoras é a mulher se tornar uma imbecil a partir do momento em que se apaixona.

      Excluir
  6. Bel eu não sou muito fã de literatura hot por isso sabe, são cenas forçadas, que não condiz com a realidade e demonstram geralmente sexo não consensual,não me lembro até hoje de ler um livro hot onde o sexo foi prazeroso para os dois...Enfim, Silvia não me chamou a atenção com seus livros edepois de sua análise conxlui que não vou ler mesmo...Ótimo texto, parabéns

    http://curaleitura.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renata, obrigada pela visita.

      Esse meu texto cita especificamente Sylvia e E.L. James. Mas, pegue qualquer autora hot, por isso fujo dessas autoras, e verá sempre cenas forçadas e sexo "estranho", entenda-se algo comum em filmes pornôs de baixo orçamento como se fosse o cotidiano de casais.

      Se tiver paciência e quiser experimentar, tente Lena Valenti e seu Amos e Masmorras, autora erótica, história empolgante onde algumas vezes os casais fazem sexo. Talvez você goste de um suspense e mistério em que os adultos fazem sexo como adultos! rsrsrs

      Excluir
  7. Bel eu não sou muito fã de literatura hot por isso sabe, são cenas forçadas, que não condiz com a realidade e demonstram geralmente sexo não consensual,não me lembro até hoje de ler um livro hot onde o sexo foi prazeroso para os dois...Enfim, Silvia não me chamou a atenção com seus livros edepois de sua análise conxlui que não vou ler mesmo...Ótimo texto, parabéns

    http://curaleitura.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi Bel, eu nunca li nada da autora mas sempre tive muita curiosidade, eu gosto de livros eróticos e hots também, mas desde que tenham qualidade e conteúdo, mas no geral as cenas são muito repetitivas e cansativas, eu sempre acabo pulando as cenas de sexo e leio mesmo para saber sobre a história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beatriz,

      eu entendo pular as cenas de sexo, faço muito isso, na maioria das vezes as cenas são tão mecânicas e repetitivas que é melhor deixar o hot pra lá e se concentrar na história... O que sempre me pergunto é: então pra que ler erótico? rsrsrs

      bjsss

      Excluir
  10. Eu sou fa da autora e nao concordo com um monte de coisas que vc disse, mas enfim... essa e a sua opiniao e vou respeita-la. Nao existem livros ou autores ruins, existem leitores errados para autores errados, o que eh seu caso. O que ela escreve nao eh pra vc e ponto. Eu acho um monte de serie que caiu no gosto do povo (50Tons e Outlander sao bons exemplos) que eu acho uma porcaria gigantesca, mas eu sei que nao sao pra mim entao nem insisto.

    Raissa Nantes

    Raissa Nantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raíssa, muito interessante sua opinião. Se o livro não fosse para mim, não teria lido a série inteira. O que acho é que algumas pessoas têm uma postura mais crítica do que outras. Algumas pessoas pensam e não tem medo de expor suas opiniões. Li toda a série 50 tons, fui paga para isso, para desenvolver uma resenha literária profissional. Por prazer leria algo sem pesquisa, sem enredo, sem lógica, sem coerência e sem profundidade só porque a Oprah mandou? Não, porque tenho personalidade.

      Existem livros ruins, livros sem lógica, histórias sem pé nem cabeça, autores que não sabem desenvolver suas histórias. Existe música ruim, existe peça de teatro ruim, existe filme ruim. Existe gente ruim...

      Excluir
  11. Oiii Bel, tudo bem?
    Eu nunca li nada da autora na minha vida, mas infelizmente nenhum de seus livros despertam meu interesse e nem gêneros assim, não consigo ler.
    Beijinhos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Morgana, obrigada pela visita!

      Sou viciada em ler, nem todos os gêneros me atraem, mas tento ler de tudo, mesmo que ache ruim. Agora, para que forçar se não é seu estilo. Eu nem chego perto de autoajuda, acho aquilo o fim da picada, mas aplaudo quem lê. Melhor ler autoajuda do que ficar parado olhando para o teto...

      Excluir
  12. Oi, nunca li nada dessa autora, e nem tenho vontade, primeiro porque não gosto de livros hot e segundo, porque o estilo que ela escreve e a premissa de seus livros são um horror, não consigo ler nada dela e nenhum livro hot, simplesmente não consigo ler esse tipo de literatura. Gostei da postagem e achei polêmico, mas valido e concordo com você.
    bjus

    ResponderExcluir
  13. Sinceramente não vejo esse post sendo polêmico e sim, mais um post de opinião pessoal. Hoje infelizmente estamos no modo “opinião para tudo”, precisando afirmar o “ponto de vista” de qualquer maneira e esquecendo que às vezes, generalizar é apenas mais uma análise mal sucedida. Tem uma onda aí de impor a sua opinião sem se importar com a do outro ou sem se importar se isso vai gerar conflito com quem gosta e pensa o contrário.
    Quando postamos algo, temos que estar cientes que outras opiniões contrárias surgirão, o que é normal, claro. Gosto, graças a Deus, cada um tem o seu. Porém, eu achei infeliz a sua comparação e sendo assim, aqui vai a minha opinião sobre o seu post. Mas antes, gostaria realmente de saber onde foi comprovado que quem lê os livros dessas autoras (que você citou), estão defendendo a cultura do estupro. Entendo o fato de você não gostar da autora, dos livros e tal, mas não entendo o que faz uma pessoa gostar de ler, ser o “capacho idolatrado” que você descreveu, a partir do momento que é apenas personagens em uma história. Não gostar do gênero é normal, não gostar da narrativa é normal, mas montar um post generalizando geral, dizendo praticamente que a pessoa é hipócrita se ela faz os dois. Cara... é muito mente fechada.
    Vamos dar um exemplo: Gosto de suspense e policiais, inclusive de serial killers, mas também gosto de romance, clássicos, fantasias.... Enfim, sou eclética quanto ao gênero e não é porque gosto desses gêneros, inclusive hots ou de certas autoras, que não sei o que é certo ou errado, bem ou mal. No caso dos serial killers, quer dizer que por gostar da história e a forma como a construção e a narrativa do autor e dos personagens, é a mesma coisa que idolatrar um na vida real? Praticamente afirmando que o nosso senso moral é falho? E sim, citei o exemplo do serial killer, porque o que entendo é que mesmo o seu exemplo sendo o “hot capacho”, vale para todos os gêneros, a partir do momento em que estamos mais uma vez falando de senso moral. Enfim... A parada dos gêneros não me define e sim minhas experiências, meu caráter, meu senso moral na realidade do dia a dia e não o meu gosto literário.
    Acho posts como esses completamente desnecessários. Na verdade eu não entendo porque insistir numa leitura no qual você não gosta de nada, da autora, dos personagens, da escrita. Leu um e não gostou? Para. Pra que ler cinco, sete livros? Gastou tempo lendo e gastou tempo fazendo um post infeliz, que não acrescenta nada a ninguém. Será que não gosta mesmo? Fica a dúvida se não gosta ou se quer apenas causar, pq no final, depois de detonar a autora, ainda se contradiz dizendo que é válido ler a mesma.
    Ah! Só pra finalizar, pois vi o comentário da Ká Zimmerman. Se você realmente leu e sabe a história do começo ao fim, seja de que livro for, você sabe que os personagens não são "abusadores disfarçados de príncipes encantados", que a Anastacia disse não pra muitas coisas e mudou o Grey, fazendo até os papéis se inverterem, o “submisso” praticamente foi ele em toda a história, comendo na mão dela. Mas, vai saber, talvez você tenha lido livros diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo."
      "Não estou tão encantado com minhas próprias opiniões para ignorar o que os outros possam pensar delas." (Copérnico)

      Agora, se tudo o que eu queria era causar e aparecer, acho que funcionou!

      Excluir
  14. Eu só posso aplaudir a sua matéria, o problema é que hoje em dia as coisas se tornaram muito comum e muito normal e quando você vai na contra mão acaba sendo a pessoa errada.
    Li alguns livros da senhorita Day e posso dizer que achei pobre tanto de conteúdo quanto de escrita. Não entendo como hoje muitas histórias ruins fazem sucesso apenas pela ideologia que ela alega passar. Hoje a mulher que lê hot é empoderada e a que não lê é oprimida ou preconceituosa. Assim como você eu também fiz uma longa pesquisa antes de classificar alguns livros.
    O mais esquisito para mim é que situações que são sim estupro e banalização da sexualidade (seja feminina ou masculina) nesses livros não são nada mais do que normais. Nesses e nos tão aclamados livros dark... enfim aplaudo de pé seu posicionamento.

    ResponderExcluir
  15. Eu só posso aplaudir a sua matéria, o problema é que hoje em dia as coisas se tornaram muito comum e muito normal e quando você vai na contra mão acaba sendo a pessoa errada.
    Li alguns livros da senhorita Day e posso dizer que achei pobre tanto de conteúdo quanto de escrita. Não entendo como hoje muitas histórias ruins fazem sucesso apenas pela ideologia que ela alega passar. Hoje a mulher que lê hot é empoderada e a que não lê é oprimida ou preconceituosa. Assim como você eu também fiz uma longa pesquisa antes de classificar alguns livros.
    O mais esquisito para mim é que situações que são sim estupro e banalização da sexualidade (seja feminina ou masculina) nesses livros não são nada mais do que normais. Nesses e nos tão aclamados livros dark... enfim aplaudo de pé seu posicionamento.

    ResponderExcluir
  16. Buenos días a todos y muchas gracias por compartir tanto sobre cultura. Para los que estamos dando los primeros pasos, este tipo de recursos nos ayuda mucho a aprender y mejorar. Les comento que hace un tiempo hice un curso y empecé a producir mis propios diseños. Estaría bárbaro que nos recomienden también otros sitios en donde salir a vender el diseño que producimos. Gracias y saludos desde Temperley, Buenos Aires

    ResponderExcluir
  17. Oi Bel, eu nunca li nada da autora, mas acho que generalização da coisa nunca é a forma certa de se pronunciar sobre um assunto, eu não sou fã de hot, mas acredito que cada um deva ler o que lhe convier, afinal é tudo uma questão de opinião, a sua está nesse post, mas não é uma verdade absoluta.
    Enfim, concordo plenamente com amiga ali em cima que disse que gastar tempo lendo 5 livros de uma autora que você não gosta é perda de tempo, e sinceramente eu não faço.
    Mas cada qual com seu qual, eu acho que você pegou pesado com leitores que gostam desse tipo de literatura que apesar de não ser erudita, fez com que muitos virassem leitores. Aliás, gente que não lia nada e começou com um 50 tons de cinza (que não li e nem vou ler que não gosto dessa coisa de submissão) a lerem outros estilos de livros.
    Bem, é isso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Ah, adorei essa postagem!! Nunca li um livro da Sylvia Day nem lerei, porque já tinha ouvido falar coisas parecidas das obras dela. Ninguém merece mocinhas fracas que precisam de um homem que as guia e que as faça sobreviver, né? Olha que eu ainda nem sabia que os personagens que ela cria não entendem que não é não... O tipo de livro que deixa o sexo subentendido até leio, mas a verdade é que a literatura hot que chegou e ficou me deixa entediada. #prontofalei Não perco meu tempo com isso, tenho muitos livros legais me esperando.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Oi Bel, sua linda, tudo bem?
    Engraçado, eu sempre pensei que o hot fosse mais leve, pois tem enredo, tem drama, romance, suspense até, e que os eróticos é que fossem os livros sem muita história, praticamente só cenas de sexo. Esses últimos eu não gosto. Acho que inverti os termos, risos...Eu sempre coloquei essa autora no que eu entendia ser erótico, por isso eu não acompanho as séries dela.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  21. Oie
    não sou fã de silvia day exatamente por sempre parecer mostrar o mesmo cara mal educado e a mocinha tipica e fazer eles se apaixonarem e trem o melhor sexo da vida, eu fujo o máximo que posso de livros assim pois costumam me irritar horrores, bom saber que nao estou perdendo nada

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Eu nunca li Silvia Day (a única resenha de um livro dela que tenho no blog foi feita por uma colaboradora), mas também não gosto de livros hot, sobretudo pela pobreza que apresentam do ponto de vista literário. Claro que é apenas uma opinião. Muitas pessoas gostam desse tipo de literatura e a enxergam de modo diferente do meu, e eu respeito isso profundamente. Também concordo que devemos tomar cuidado com a apologia ao estupro, mas como disse, não li nada da autora, não sei se é o caso dela. Parabéns pela coragem de expor a sua opinião.

    Tatiana

    ResponderExcluir