Resenha: Senhora - José de Alencar


Título Original: Senhora
Autor Nacional: José de Alencar
Idioma: Português
Editora: Martin Claret
Páginas: 244
Ano: 2001

Olá pessoal, tudo bem? Hoje vamos de mais um clássico da literatura brasileira que, sinceramente, eu não estava esperando gostar, mas simplesmente amei! Senhora é um livro apaixonante e eu vou lhes dizer o motivo!

Este livro é um pouco diferente dos outros do José de Alencar, pois foi escrito em um período, digamos que, de transição entre o romantismo e o realismo. Assim, ele não segue aquele romance exacerbado, onde o casal se apaixona em um piscar de olhos e tudo segue para um fim trágico, exemplo de Cinco minutos e mesmo A viuvinha. Não, nada disso, este livro é ousado e eu diria que um dos melhores de José de Alencar.


Senhora vai tratar da sociedade burguesa do Rio de Janeiro e suas aparências. É uma crítica ferrenha ao estilo de vida das pessoas mais abastadas daquela época, e percebemos isso já pelo inicio que nos trás Aurélia Camargo, uma rica e refinada senhorita, que é tarjada como a flor mais formosa da sociedade carioca. Aurélia é tida como esnobe e ao ser questionada por uma amiga sobre se casar, diz que ainda não encontrou homem que a mereça. Ao a amiga lhe mostrar um rapaz recém-chegado da Europa, cobiçado por todas, Aurélia diz que ele vale 100 contos de réis, mas que ela, quando for se casar, comprará um marido mais valioso.


No mesmo episódio, descobrimos que quem também tornou a cidade é o jovem Fernando Seixas, que estava no Recife a serviços burocratas. Ele, apesar de frequentar a sociedade e ser tão fino e educado quanto todos os outros, não é rico. Pelo contrário, ele gasta todo o dinheiro que era para casar as irmãs com um bom dote em roupas e sapatos da moda. Ao passar por Aurélia, não a olha com a admiração que os outros têm e é aí que toda a nossa história começa, de fato.

Aurélia decide que quer comprar um marido, mas não qualquer marido e sim o Seixas. Para tanto, pede ao tio que faça a negociação com ele sem mencionar o seu nome, e diz que ele pode oferecer a quantia que for necessária, deixando-o ultrajado.

“Esquece que desses dezenove anos, dezoito os vivi na extrema pobreza e um no seio da riqueza para onde fui transportada de repente. Tenho as duas grandes lições do mundo: a da miséria e a da opulência. Conheci outrora o dinheiro como tirano; hoje o conheço como um cativo submisso. Por conseguinte devo ser mais velha do que o senhor que nunca foi nem tão pobre, como eu fui, nem tão rico, como eu sou.” (ALENCAR, 1961, p. 20).

Sem poder contestar Aurélia, ele disfarça o nome e vai a procura de Seixas a fim de negociar o casamento. Para seu espanto, o homem pede uma quantia bastante alta, e com adiantamento.

“Aurélia amava mais seu amor do que seu amante; era mais poeta do que mulher; preferia o ideal ao homem.” (p. 103)
Assim, Aurélia começa a mostrar sua verdadeira intensão para com este casamento e nós, os leitores, somos convidados a conhecer esta personagem incrível, que divide sua história em quatro etapas bem distintas:  “O Preço”, “Quitação”, “Posse”, e “Resgate”.

Não posso dizer mais nada sobre a trama, pois seria um grande spoiller, e eu não quero tirar o prazer da leitura de vocês! Só o que posso dizer é que trata-se da compra de um marido; e teremos dado um passo adiante se refletirmos que essa compra tem um sentido social simbólico, pois é ao mesmo tempo representação e desmascaramento de costumes vigentes da época, como o casamento por dinheiro.

Ele possui características românticas, como a supervalorização do amor, a supervalorização da mulher, o nacionalismo,  melancolia, evasão na morte e entre outros, mas o seu desfecho é completamente surpreendente.

Este é um clássico que, sem sombra de dúvida, vai te fazer se emocionar,  frustrar-se, apaixonar-se mais uma vez e chegar ao final com o coração na mão. Vale muito a pena!

E para animá-los, é um livro bem curtinho, para sentar e ler numa tarde! Se você está em busca de um clássico que seja bom e nada entediante, esse é para você!

Um beijo pessoal e até a próxima!


Sinopse: Aurélia Camargo, filha de uma pobre costureira e órfã de pai, apaixonou-se por Fernando Seixas – homem ambicioso - a quem namorou. Este, porém, desfez a relação, movido pela vontade de se casar com uma moça rica, Adelaide Amaral, e pelo dote ao qual teria direito de receber.Passado algum tempo, Aurélia, já órfã de mãe também, recebe uma grande herança do avô e ascende socialmente.Passa, pois, a ser figura de destaque nos eventos da sociedade da época.
Dividida entre o amor e o orgulho ferido, ela encarrega seu tutor e tio, Lemos, de negociar seu casamento com Fernando por um dote de cem contos de réis. O acordo realizado inclui, como uma de suas cláusulas, o desconhecimento da identidade da noiva por parte do contratado até as vésperas do casamento.
Ao descobrir que sua noiva é Aurélia, Fernando se sente um felizardo, pois, na verdade, nunca deixara de amá-la. E abre seu coração para ela.
A jovem, porém, na noite de núpcias, deixa claro: "comprou-o" para representar o papel de marido que uma mulher na sua posição social deve ter. Dormiram em quartos separados. Aurélia não só não pretende entregar-se a ele, como aproveita as oportunidades que o cotidiano lhe oferece para criticá-lo com ironia. Durante meses, uma relação conjugal marcada pelas ofensas e o sarcasmo se desenvolve entre os dois.


Leia outras resenhas de Clássicos da Literatura clicando na imagem abaixo:



Comente com o Facebook:

22 comentários:

  1. esse livro é apaixonante. Os peronagens segundários dele tambpem são ótimos. É uma leitura que vale muito a pena ser feita.
    Tem uma novela da Record que tu ate musou a foto "Essas Mulheres" foi baseada nos lviros do autor, é linda
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  2. Oiee

    Adorei sua resenha! Gostei demais desse livro!
    Eu sinto falta de resenhas com os clássicos, por isso gostei bastante da sua.
    Uma leitura que realmente vale muito a pena.

    bjs
    Fernanda
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi! Ah essa resenha..
    Me fez querer fazer a releitura..
    LI faz uns 9 anos.. Adorei!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá...esse livro parece ser ótimo, meu professor de literatura encenava pra gente em aula...era uma comédia. Bom, eu dificilmente leio clássicos, mas acho que qualquer dia vou arriscar.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Esse é um dos meus clássicos favoritos! Li quando tinha 15 anos na biblioteca da escola. Ainda quero comprar um exemplar para colocar na minha estante =D

    Beijokas da Mylloka
    https://myllokasecret.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto muito de clássicos mas faz tempo que não leio nenhum. Esse, eu ainda não li mas pelo que vi na resenha eu não me senti muito interessada para fazer essa leitura. Mesmo com sua opinião tão positiva sobre a obra, vou deixar passar a dica.

    ResponderExcluir
  7. Ola Le que saudade de ler um bom clássico menina, lendo sua resenha lembrei que li esse livro há muito tempo na escola, preciso sair de minha zona de conforto e voltar a ler grandes clássicos. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Saudações literárias! Me fez lembrar os tempos de ensino médio, foi um dos autores que li e foi amor na primeira leitura. Acho que vou reler e matar a saudades.

    ResponderExcluir
  9. Oi, eu estou na vibe de ler livros clássicos, só que escolhi apenas estrangeiros e to precisando de dicas, e essa veio a calhar, já que gosto da escrita do autor. Vou anotar a dica e lerei em breve.
    bjus

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?
    Lembro que li Senhora na escola e na epoca odiava ler, pq era obigada pela professora.
    Mas Senhora eu gostei! Achei diferente e o enredo é bem interessante.
    O que a protagonista faz é mtoooo bom, hahaha..adoro mulheres fortes e eu vi a novela na record na epoca, amava!!!!
    Adorei a resenha, me deu vontade de ler de novo.
    Beijos!

    Livros e Sushi • Facebook InstagramTwitter

    ResponderExcluir
  11. A história de Senhora pode parecer simples e batida hoje, mas quando José de Alencar a escreveu foi uma revolução! As mocinhas dos romances eram sempre heroínas politicamente corretas (mesmo A Moreninha, que era uma mulher forte não fugia do padrão) e não faziam coisas reprováveis como "comprar um marido" ou sonhar com algo que não seja um romance (ela casou por vingança, mesmo que no final tenha havido um romance, não era a intenção dela quando casou). Por isso, é uma obra tão importante.

    Parabéns pela resenha!

    Abçs

    ResponderExcluir
  12. Olá!!
    Já faz muito tempo que li essa obra, lembro que no ensino médio líamos pelo menos um por semana nas aulas de literatura e fazíamos seminários em cima das obras! E foi graças a essas aulas forçadas que tomei gosto pela arte de ler. Já faz muito tempo que não leio um clássico e às vezes sinto sua saudade! Sua resenha me levou ao tempo da infância! Maravilhosa

    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, nessas aulas forçadas sempre vem uma coisa gostosa como Senhora para ler!

      Excluir
  13. Olá!

    Esse é um clássico que quero ler a um tempo. Já ouvi o audiobook dele, mas não é a mesma coisa, o envolvimento é outro. E nesse momento estou numa pegada mais clássica, adoraria ler! Vou procurar! Se é curtinho da para encaixar nas leituras obrigatórias!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Déa, eu acho que você vai amar esse livro, ele é rápido de ler viu? Uma delicia!

      Excluir
  14. Oi Lê, tudo bem??
    Ainda não conhecia o enredo do livro... já tinha ouvido falar e tudo mais, só que a leitura em sim, nunca me despertou a curiosidade até ler a sua resenha... achei mega interessante... e pela imagem deste casal que você colocou, teve uma novela semelhante a este enredo onde a mocinha comprava um marido... gostei demais dessa premissa e vou procurar este clássico para ler... ótima dica. Xero!

    ResponderExcluir
  15. Nossa, sabe que eu li esse livro quando era bem mais nova (leitura obrigatória no colégio) e não me lembrava de nada dele? Achei muito curioso isso de compra de marido, e com certeza vou querer reler. Amo clássicos e espero me emocionar com essa obra!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  16. Olá Letícia,
    Adorei sua resenha.
    Tenho muita vontade de ler esse livro há um bom tempo e, esse ano, decidi, ler clássicos.
    Já anotei a dica.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  17. Oi
    Tudo bom?
    Acredita que nunca li nenhum dos livros que era 'obrigada' a ler na escola?
    Ler para mim sempre foi prazer, e se obrigada a ler na escola era um absurdo para mim.
    Por isso nunca li os grandes clássicos nacionais que todo mundo leu na época de escola.
    Mas fiquei curiosa para ler José de Alencar, adorei a sua resenha.
    Bjos

    ResponderExcluir
  18. Olá, adorei a resenha e conhecer um pouco mais sobre o livro, na verdade ainda não li, mas achei essa premissa de compra de noivo no mínimo muito inusitada para época, gostei bastante e fiquei curiosa para conhecer.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. OI

    caramba, que resenha linda gente!!!

    Li esse livro ainda na escola, como leitura obrigatória e olha, foi incrível viu! Lembro que a partir desse, fui procurar títulos do autor na biblioteca da escola e devorei tudo o que achei...

    deu saudades!!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  20. Esse livro é muito bom! Adoro esses clássicos da Martin Claret! Para mim esse livro é, seguramente, o melhor de José de Alencar, ao menos dentre os que eu li (li quase todos). Adorei a sua resenha!

    Tatiana

    ResponderExcluir