Tardes Sensuais – Edição de Páscoa – RJ



O que falar de um evento que se dispõe a reunir a nata do romance erótico nacional? Ideia fantástica? Iniciativa louvável? Risco calculado?

Assinale todas as alternativas acima e vocês terão a dimensão do problema que os organizadores do evento enfrentaram e ainda enfrentarão, porque sei que o gênero não é dos mais amados e admirados. Pelo menos não publicamente..

A quinta edição, realizada no domingo, 13 de março, foi na Cidade Maravilhosa, no deslumbrante Cine Odeon, centro do Rio de Janeiro. Vou começar com o local, um dos meus cinemas prediletos na cidade. Cinema de rua.

Era enorme, lindo e antigo. Agora é pequeno – foi todo dividido em salas, lindo e moderno, mas ainda mantendo as linhas arquitetônicas deslumbrantes. Fica no entorno do Teatro Municipal e da Biblioteca Nacional. Lugar cheio de histórias e cultura. É lá que ainda são feitos os grandes lançamentos cinematográficos nacionais.

Pronto, local devidamente identificado, vamos ao evento em si.


Não fui como parceira ou convidada da organização, que fique claro. Fui convidada pela elegante e apaixonante Nahra Mestre, autora de Não Pare de Sonhar e Acordei! E agora? – não percam, em breve entrevista com a autora e resenha de um de seus livros e mais algumas surpresinhas.

Resenhista do post toda boba abraçada com a autora fofa
O evento em si é uma graça, reunindo em um único local autoras e leitoras de livros nacionais, pessoas que verdadeiramente apoiam as publicações, seja com palavras de incentivo ou torcidas organizadas por suas autoras prediletas. A melhor parte é pegar um segmento que é mal visto pelo público de maneira geral – pelo menos é execrado por crítica e público como se fosse subliteratura, mas é consumido aos milhões mundo afora – e tratar com carinho e respeito. Isso já é um ponto muito favorável para qualquer evento sobre literatura, principalmente no Brasil. Fazer um evento 100% focado nesse segmento merece um prêmio.

A ideia de dar espaço para editoras mostrarem seu trabalho e captarem novos autores também é bem vista. Um ambiente profissional e ao mesmo tempo descontraído, onde todos podiam mostrar seus talentos e trabalhos.

Senti falta de algumas coisas, mas isso sou eu, espectadora falando. Gostaria de um debate, uma mesa redonda com autores e editoras. Gostaria de ter professores de literatura discutindo e debatendo nossa cultura. Sei que isso foge um pouco da proposta, mas melhora e muito o nível da cultura dos leitores e consequentemente dos autores.


Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Não fiquei sabendo... vai ter outro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querido vai sim, as datas são avisadas no face do Tardes Sensuais.

      Excluir
  2. Que evento maraaa... É uma pena que não é perto de mim. Infelizmente, o gênero erótico é mal visto aos olhos da sociedade, mas percebo que esse cenário vem mudando, principalmente depois do sucesso de 50 Tons de Cinza. Espero que tanto as obras, quanto os autores e o gênero sejam mais valorizados daqui pra frente.
    Seguindo.. Emoticon heart
    http://curaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nathalie, o Tardes Sensuais roda o Brasil, já teve em BH, SP e RJ. Sei que vai ter edição nordeste e provavelmente Sul também.

      Acho errado atribuir qualquer coisa a 50 tons, o livro é muito ruim!

      Excluir
    2. Também acho o livro para lá de ruim. Mas é inegável o sucesso que fez! E com isso meio que abriu as portas para outros livros do gênero que são, por vezez, infinitamente melhores. :)

      Excluir
  3. Depois do sucesso de 50 Tons acho bem hipócrita esnobar o gênero. Não é o meu predileto, mas passeio por ele de vez em quando, especialmente quando as resenhas são boas e despertam a curiosidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juliana,

      o tal "fenômeno" 50 tons é uma coisa muito brasileira. Não que não tenha acontecido nos EUA, sim lá vendeu feito pão quente. Aqui é que teve essa coisa de se "descobrir" o gênero depois do livro. Nelson Rodrigues escrevia erotismo. Autor nacional, anos 1960. Essa pseudo literatura da E.L. James é lixo, não leia isso!

      Excluir