A Letícia leu: A christmas Carol - Charles Dickens

Ilustração presente em uma das edições americanas ilustradas. Nela está retratada o personagem Scrooge andando pelas ruas de Londres na noite de natal.

Título: A Christmas Carol
Título no Brasil: Um conto de Natal
Editora: Chapman & Hall
Editora no Brasil: L & PM Pocket
Ano: 2003
Páginas: 146



Olá leitores, acho que vocês não esperavam me ver tão depressa, não é mesmo? Mas como é Natal e eu estou muito feliz de estar colaborando aqui no blog, decidi trazer um especial para vocês. Este clássico não é um clássico qualquer, digamos que é "O Clássico de Natal", pois ainda nos dias de hoje influencia muitas produções, seja no cinema, na teatro e mesmo na literatura. O mais engraçado de tudo é que o autor não tinha pretensão de que este livro fosse grande, ou canônico. Não. Ele o escreveu em menos de um mês a fim de saldar suas dívidas! Eu o li em inglês, pois foi para um trabalho na disciplina de Literatura Inglesa da faculdade, mas me apaixonei inteiramente pela história e vou contar um pouquinho para vocês!

A Christmas Carol nos apresenta o personagem Ebenezer Scrooge, um homem extremamente avarento e que ignora tudo e todos ao seu redor, por conta de sua ganância desenfreada. Na noite mais esperada do ano, véspera de Natal, ele obriga o seu pobre, mas feliz emprego, Bob Cratchit, pai de quatro filhos, a trabalhar com pouca lenha na lareira e apenas um toco de vela para economizar, enquanto o frio cortante domina os pequenos cômodos de seu escritório de contabilidade, Scrooge & Marley.


Scrooge não deixa que ninguém se aproxime dele, nem mesmo sua família, pois não quer que sua dura couraça seja destruída e assim ele se dedica inteiramente ao trabalho a fim de lucrar mais e mais. Por isso, fica extremamente irritado quando Bob lhe pede o dia do Natal para passar com sua família e mesmo após ameaças de descontar do seu salário, o rapaz risonho diz que valerá a pena. O velho não entende esse tipo de coisa e após Bob ir embora, fica pensando a respeito.

Havia muito tempo que ele nem sequer dava atenção ao seu único sobrinho, que sempre o convidava para passar o Natal com ele. Scrooge arrumava várias desculpas e dizia que ficaria em casa. A verdade é que ele era tão avarento que não queria ter que gastar com presente para todos! Enquanto se perde em seus devaneios, algo estranho acontece.

Scrooge leva um tremendo susto quando o fantasma de Jacob Marley, seu antigo sócio, morto há 7 anos, aparece em sua sala e diz que nunca pôde descansar em paz, pois não foi generoso em vida e que, vendo o antigo sócio indo pelo mesmo caminho, resolveu que lhe mostraria que ele tinha uma chance de se salvar, e por isso três espíritos iriam visitá-lo.

Capa de uma das edições americanas
mais atuais
Achando que está alucinando, Scrooge nem dá bola, mas seu susto é ainda maior quando um ser com uma luz emanando de sua cabeça e um apagador de velas debaixo do braço surge no local. Ele é o primeiro espírito, o dos Natais passados. Sua missão é mostrar o Scrooge ainda jovem, que apreciava o Natal, e este se entristece com suas próprias lembranças. Assim, somos levados, junto com Scrooge, aos Natais passados, ao Natal presente, com o espírito grandalhão que possui uma coroa de azevinho e lhe mostra o que acontece no agora, onde ele vê até mesmo a felicidade de seu empregado, Bob, que apesar da pobreza é feliz com sua família unida, e aos natais futuros, que é representado por um espírito alto vestido de negro, cujo rosto é encoberto por um capuz. Este nada fala, apenas lhe aponta o que irá acontecer: Scrooge irá morrer sozinho e sem amigos. Estas visões fazem o personagem refletir e olhar para o seu próprio interior, e ao leitor também que é convidado a fazer uma reflexão profunda sobre suas próprias atitudes. 


Leve, divertido e cheio de ensinamentos, A Christmas Carol se tornou um clássico atemporal, pois a trajetória de Scrooge é emocionante e nós conseguimos sentir as transformações do personagem e ficamos pensando a todo momento: será que ele vai mudar? Será que Scrooge vai voltar atrás? Mesmo ele sendo um personagem ranzinza, torcemos por ele e nos empolgamos da primeira página à ultima. Por este motivo, este é um dos meus clássicos favoritos. Charles Dickens era um verdadeiro gênio e conseguiu captar a magia natalina em um dos seus personagens tipos que ultrapassou as barreiras do tempo.

O personagem de Dickens se tornou inspiração para o famoso Grinch, protagonista do conto Como o Grinch roubou o Natal, de Dr. Seuss e também para o famoso Tio Patinhas, da Disney, que em inglês é Uncle Scrooge. Estes são apenas alguns exemplos de como este conto ainda influencia nas produções mais atuais, temos filmes, musicais como o que a cantora Kelly Clarkson apresentou, intitulado  Kelly Clarkson's Cautionary Christmas Music Tale e etc.

Então, vamos prestar atenção, o que você está fazendo nesta época natalina? Será que ela serve apenas para ganhar presente ou algo mais? Será que você está dando atenção aos seus familiares e partilhando com o próximo um pouquinho de si mesmo? Será que está praticando o bem? Na vida real não teremos espíritos como os que Scrooge recebeu, então é melhor ficarmos atentos, não é mesmo? Recomendo esta leitura com toda a certeza, pois ela vai se infiltrar em seu coração!

E aproveitando a deixa, gostaria de desejar a todos um Feliz Natal e Próspero Ano novo!

Até a próxima, pessoal!

Curiosidades:

- Scrooge, em inglês, significa avarento, o que nos deixa claro a ironia do nome do personagem a fim de frisar seu maior defeito.

- O autor Charles Dickens classificou este livro como "seu livrinho de Natal" e não tinha ideia de que ele iria vender 6 mil cópias somente na primeira semana de seu lançamento.

- Foi lançado originalmente em 19 de Dezembro de 1843 e é sucesso até os dias de hoje, encantando milhões de leitores.


Leia outras resenhas de Clássicos da Literatura clicando na imagem abaixo:



Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Feliz Natal!
    Nunca tinha ouvido falar nesse livro, mas achei muito interessante, principalmente a sua influência nos dias atuais. E essas peguntas como "...o que você está fazendo nesta época natalina?" e "Será que você está dando atenção aos seus familiares e partilhando com o próximo um pouquinho de si mesmo?" são importantíssimas. Natal não é presente, mas é uma forma de agradar um familiar, um amigo, mas não é o primordial. Suas boas ações que são necessárias, e o ano inteiro, não só na época do natal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Bianca, aposto que você vai amar! É um livro lindo demais e super, super fofo! Você fica pensando a respeito, sabe?

      Excluir
  2. Eu tenho um carinho imenso por esse conto. Foi na época do natal do ano passado que comecei a escrever A Beleza de um Cactos e este conto foi, sim, base para a inspiração do prólogo.

    Sua resenha sobre ele está maravilhosa. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia e confesso que não me interessei, me pareceu meio entediante... Como posso explicar?
    Mas sua resenha ficou ótima, super bem escrita!

    ResponderExcluir