Leituras da Mari: No mundo da Luna - Carina Rissi


Título do Livro no Brasil: No mundo da Luna
Título Original: No Mundo da Luna
Autor(a) Nacional: Carina Rissi
Editora: Verus
Páginas: 476
Ano: 2015



Gostei muito de Perdida (ver resenha AQUI), desta mesma autora e, quando No Mundo da Luna saiu, fiquei bastante curiosa a respeito. As diversas críticas positivas, dizendo ser este um dos melhores livros dela só contribuíram para minha animação.

Luna é uma mulher de 25 anos, formada em jornalismo, que conseguiu seu primeiro emprego na revista dos sonhos cujo chefe era o homem que sempre admirou ao longo da faculdade (não só ela como vários de seus companheiros de turma também). Quando qualquer um lhe conta coisas tristes, ela dá um jeito de tentar mostrar o lado positivo para aquela pessoa, é educada, simpática, inteligente, amiga. O problema é que isso tudo é como ela age na vida profissional e na vida amorosa alheia! Na vida pessoal Luna é muito infantil e, como o texto é todo narrado em primeira pessoa nos proporcionando acesso aos pensamentos dela, chata.

Há bastante tempo atrás, fiquei muito chateada com uma amiga e usei o ombro do meu marido para desabafar toda minha incompreensão a respeito de ela ter brigado comigo pura e simplesmente por eu não ter concordado com o que ela estava falando. Foi então que meu marido disse uma das frases mais reais desse mundo para mim: "o problema é que as mulheres complicam demais as coisas mais simples e inventam problemas onde não têm". Meu marido é um gênio, sério! Mas porque estou contando isso!? Porque essa é a definição perfeita para Luna.

Assim como a avó dela, não consigo ver uma mulher em Luna e sim uma criança de 7 anos, mimada e teimosa; que insiste em continuar colocando o dedo na tomada porque acredita que a tomada não deveria dar choque, independente de todos avisarem a ela que dá choque sim. E, pior, quando ela leva a bendita descarga elétrica NOVAMENTE, porque ela já enfiou o dedo na tomada várias vezes antes, fica irritadíssima e culpa a tomada.



O chefe ,que era seu grande ídolo, deixa de ser só porque esbarrou nela e não pediu desculpas dois dias depois de a contratar, o que faz com que ela resolva que o odeia para "todo o sempre". A garota nunca está satisfeita com suas conquistas porque nunca são exatamente o que ela quer (que parece ser algo perfeito e que deva cair do céu); menospreza a crença alheia, mas se faz de vítima pela pessoa não entender que "ela simplesmente não acredita naquilo, oras".
"As pessoas só veem aquilo que querem ver."

A frase acima é um dos vários ótimos pensamentos da personagem que, infelizmente, ela utiliza apenas para julgar os outros e nunca a respeito de si.

Luna sonha em ser uma grande jornalista, mas quando ganha a coluna de horóscopo do jornal simplesmente dedica apenas duas horas de pesquisa sobre o assunto e começa a escrever com base mais em "chutes" do que acredita ser o significado das cartas de tarô do que conhecimento adquirido por estudo. Ela não lê nenhum dos arquivos "enormes" que encontra na internet a respeito e fica chateada quando começa a receber agradecimentos das pessoas que leram porque "elas não deveriam acreditar nessas coisas, quanto absurdo". Em suma, é uma ingrata de marca maior e durante muito, muito tempo mesmo, eu quis simplesmente entrar no livro e dar uns tapas na cara da dita cuja de tanto que me irritava.

Entendo que uma mulher fique insegura quando a ex de seu namorado é uma super modelo, mas da forma como a personagem se comporta ao longo de 95% do livro nos faz acreditar que nem que o cara a peça em casamento a garota vai sentir-se segura. O mundo falando pra ela que o homem a ama e ela minimizando, menosprezando tudo e, como sempre, afirmando categoricamente que todos estavam errados, até mesmo o cara, menos ela.


"Dizer não basta. Não é o suficiente, não tem valor algum. (...) Palavras desaparecem, as ações, os gestos é que realmente contam."

Essa é outra das belas frases que podem ser encontradas nesta obra, um ótimo ensinamento que a própria Luna conhecia e enfatizou em algum momento, mas apenas da boca para fora. Ela cansa de dizer para Dante que não se convence com palavras e sim com atos, mas sempre minimiza os atos e fica arrasada por não ouvir a palavra que queria no momento que achava que seria apropriado. Por volta da página 200 eu já a chamava de "idiota" com relativa frequência e lá pela página 350 a minha paciência havia se esgotado por completo, chegando ao ponto das cenas de sua insegurança e imaturidade realmente tirarem grande parte do prazer da minha leitura (para não dizer todo).

Mas calma, também farei elogios! Carina Rissi se vale de bom vocabulário, com capítulos curtos e diretos, fazendo o leitor se perder na história (no bom sentido) e querer um pouquinho mais a cada página. Apesar das informações sobre a cultura cigana serem bem menos do que eu gostaria de ler, além de extremamente superficiais, elas existem e são interessantes. E temos Dante....

Quem é Dante? Dante é o tal chefe que esbarrou na criatura. Durante os primeiros meses em que Luna trabalhou na revista ele apenas a chamou de Clara. No início, isso nos faz achar que ele era um chefe esnobe, mas o coitado apenas havia confundido o nome dela e realmente jurava que o nome da mala era Clara e que ao cumprimentá-la pelo nome todos os dias estava sendo simpático. Coitado! kkkkk. É um "Deus grego" que se esconde em uma "armadura de nerd", extremamente inteligente, independente, amante dos animais, trabalhador, esforçado... Um líder por natureza.

Ele é o motivo de muito relacionamento hoje não dar certo! As garotas leem esses livros e esperam que existam Dantes no mundo real. Não estou dizendo que não existe, mas a probabilidade de encontrar um é igual ou menor do que a de achar uma agulha no palheiro. Ele é "o homem perfeito", que perdoa todas as burradas que Luna faz e fala e ainda continua professando seu amor infinito por ela; fica que nem um cachorrinho babão toda vez que ela aparece e, obviamente, sabe exatamente o que fazer na cama desde o primeiro momento. Claro que, assim como todas, achei ele o máximo.
"Relacionamentos não admitem egoísmo. Individualidade e opiniões diferentes, sim. Egoísmo, jamais. A partir do momento em que um se preocupa mais com o próprio bem-estar do que com o do outro, a relação está com os dias contados."
Outro aspecto deste livro que gostei muito foi o fato de haver citações de outros autores e obras, que não as dela. Uma forma linda, embora velada, de estímulo à leitura desses autores.

Na última página no livro é feita uma pergunta, cujo tom dá a entender que a resposta seria "sim", mas já aviso para as marinheiras de primeira viagem e para as novinhas de plantão que a resposta é um grande e sonoro "NÃO!", "não é assim. Na verdade, é assim que muitos deles terminam". 

Talvez eu, com meus 32 anos, já esteja muito velha para esse tipo de leitura, onde a mocinha tem uma idade mental tão distante da que consta na carteira de identidade - para menos, claro - e o mocinho é digno de estrelar um filme Disney de tão capacho que se torna. Pode ser isso, afinal, geral amou, menos eu.

***


Sinopse do Skoob: A vida de Luna está uma bagunça! O namorado a traiu com a vizinha, seu carro passa mais tempo na oficina do que com ela e seu chefe vive trocando seu nome.
Recém-formada em jornalismo, ela trabalha como recepcionista na renomada Fatos&Furos. Mas, em tempos de internet e notícias instantâneas, a revista enfrenta problemas e o quadro de jornalistas diminuiu drasticamente. É assim que a coluna do horóscopo semanal cai no colo dela. Embora não tenha a menor ideia de como fazer um mapa astral e não acredite em nenhum tipo de magia, Luna aceita o desafio sem pestanejar. Afinal, quão complicado pode ser criar um texto em que ninguém presta atenção?
Mas a garota nem desconfia dos perigos que a aguardam e, entre muitas confusões, surge uma indesejada, porém irresistível paixão que vai abalar o seu mundo. O romance perfeito — não fosse com o homem errado. Sem saída, Luna terá que lutar com todas as forças contra a magia mais poderosa de todas, que até então ela desconhecia: o amor.
Com seu estilo ágil e fluido, Carina Rissi criou em No mundo da Luna uma leitura viciante, permeada de humor, magia e paixão, que vai conquistar você do início ao fim.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Que bom que gostou Gregório! Obrigada por ter prestigiado a minha resenha não apenas com a leitura mas também com um comentário!

      Excluir
  2. Hahahaaaa sua resenha disse somente a verdade, Luna decepciona mesmo e é infantil... Mas o Dante valeu a leitura!
    Eu amo as mocinhas maduras, cheias de atitude... mesmo porque só assim se forma um casal legal, mas eu li até o fim e gostei kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Dante é perfeito... Esse é o único defeito dele porque ninguém é realmente perfeito nesse mundo! kkkk Mas claro que fiquei apaixonada por ele (com respeito ao marido, sempre!), que mulher não fica apaixonada por esse tipo de personagem fictício?

      Pri, se você conseguir ler em inglês procura por A DIFFERENT BLUE, é perfeito também e tem um Mr. Darcy!

      Excluir
  3. Mari, sou apaixonada pela escrita da Carina Rissi, mas este livro ainda ão consegui ler...
    Amo livros que tem citações de outros autores, ou frases de filmes ou música, acho que a leitura fica mais envolvente...

    Adorei o post, beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei muito disso no livro Bruna. Achei uma homenagem bem legal e sem ficar apelativo. O livro tem várias coisas boas, como falei, mas Luna em si é meio irritante. Não pegando em período de TPM acho que dá pra aguentar a personagem. rsss

      Excluir