Momento Cultura: Bienal Internacional do Rio de Janeiro - História

Inauguração da "Feira Internacional do Livro de 1983" - Imagem Rede Globo

“A Bienal do Livro foi uma tentativa de introduzir no país a tradição europeia das feiras de livros encontradas na França, na Alemanha e na Itália, cujo objetivo é incentivar o gosto pelos livros e pela leitura.” Frase sobre a Bienal de SP, mas que serve para mostrar como começou o “sonho” da Bienal carioca.


Você conhece a história da Bienal Internacional do Rio de Janeiro? Não? Tudo bem, eu também não conhecia. E olha que trabalhei na 6ª, quando a Bienal completou 10 anos de vida!

Em comemoração à essa "semana especial" o Conchego resolveu fazer um post contando sobre a história da Bienal e a incumbida disso fui eu.


Computador usado na 'Feira Internacional 
do Livro de 1983' - Imagem Snel 

Então vamos lá: a primeira Bienal aconteceu em 1983, nos charmosos salões do Copacabana Palace. E nem se chamava Bienal, era apenas a Feira Internacional do Livro do Rio de Janeiro.

Tudo começou quando a diretoria do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) pensou em reproduzir aqui no Brasil o sucesso das feiras de livros que aconteciam em outas partes do mundo. Aposto que quando chegavam aos futuros patrocinadores com o projeto, os caras pensavam: “Esse povo deve ser maluco, aproximar leitores, escritoras e editoras? Tudo junto e misturado em um mesmo espaço?”.

Pausa para um comentário sarcástico de uma quase carioca? A Bienal de São Paulo era realizada desde 1970, mas só ficou famosa e conhecida depois que o Rio começou a promover a sua. Sei lá, deve ser porque é difícil concorrer com o charme de Copa, onde aconteceu a primeira Bienal. Ops, Feira! Ou talvez porque ao descobrir que cariocas leem o mercado editorial brasileiro tenha visto que vale muito a pena investir em livros. Posso garantir que cariocas leem muito, vá à praia e veja quantas pessoas estão esparramadas pela areia com seus livros, tablets e leitores digitais. O Aterro do Flamengo aos domingos é uma livraria a céu aberto. Nossa, quantos livros troquei por ali. Obrigada a todos os cariocas e fluminenses que se sentam na grama, tomando um sol e lendo.

Voltando ao tema: a Feira Internacional do Livro no Rio de Janeiro de 1983 pode até mesmo ter sido pequena, mas foi executada com muito charme e estava cheia de escritores ilustres como Antonio Calado, Orígenes Lessa, Ana Maria Machado, Manuel Puig, João Ubaldo Ribeiro, Caio Fernando Abreu e Artur da Távola. Gente, isso é quase o paraíso na Terra para quem AMA livros. Por que eu não fui? Até mesmo programação para as crianças tinha, uma peça do Ziraldo!

Certo, certo, a Academia Brasileira de Letras em peso compareceu, hoje não é diferente, mas o elenco acima é estelar, ainda estou aqui babando.

Nos últimos 32 anos a Feira se tornou Bienal e consolidou-se como o evento mais importante do mercado editorial brasileiro. Na verdade, nunca fui a nenhuma feira de livros fora do Brasil, mas acredito em amigos que afirmam que a nossa pode ser comparada com as grandes feiras internacionais, como a de Frankfurt. Além de mobilizar boa parte do país. 

Um toque ainda mais pessoal? No ano de 1993 trabalhei na Bienal. Era um dos alunos da Universidade Federal Fluminense – UFF – que ficavam no estante da Universidade mostrando e vendendo os livros da EDUFF, a editora universitária. E gente, TODAS as universidades brasileiras que têm editoras sempre, eu disse SEMPRE, comparecem. 

Olha minha cabeça, já ia esquecendo de dizer que foi apenas em 1987, na terceira edição, que a Feira passou a se chamar Bienal! Ainda bem que lembrei antes desse post terminar!

O que acharam? Gostaram desse momento cultura!?

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Bel,
    gostei bastante! Eu nunca fui em uma bienal, mas imagino que deve ser uma loucura.
    Sempre bom conhecer mais sobre algo que é tão comentado e famoso.
    beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daya. Eu AMO a Bienal do Rio, infelizmente perdi as duas últimas, mas aconselho todo mundo a conhecer, de preferência marcando a visita em dois ou três dias, pq lá é grande pra caramba.

      Excluir
  2. Nunca fui a Bienal mas adoraria. Teria que levar muito dinheiro porque ir na Bienal e não trazer muitos livros é pecado. Adorei o post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fê (outra característica carioca que adoro: todo mundo é amigo íntimo), eu fui a de 1993, 1995, 1997, 2001, ... deu para entender né?! Conselho?? Vá, anote tudo o que quer comprar (com os preços ao lado), volte no último dia e se nada tiver baixado de preço, compre pela internet.... As promoções pós Bienal são fantásticas!

      Excluir
  3. Oi Bebel, tudo bem?
    Adorei seu post.
    Eu também não sabia como tudo tinha começado.
    Gostei muito de saber um pouco mais sobre um evento tão gostoso e importante.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de ver a seleção de autores da primeira Bienal, ops, Feira, fiquei triste de não ter ido!

      Excluir
  4. Oi, tudo bem?
    Ainda não conhecia seu blog e gostei muito. Adoraria conhecer Bienal, beijos

    http://blogmemoriies.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio Robson. Vou dar uma passadinha lá no seu blog para agradecer o carinho...

      Excluir
  5. Morei a maior parte da minha cida no Rio e já fui a algumas Bienais, mas nunca havia lido sobre a história e origem dela antes.

    Gostei muito dos novos conhecimentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Jornal do Brasil gostava de contar a história e a origem das coisas, mas ele acabou (buá buá buá - pq snif é pouco). Acho, não tenho certeza, que teve um caderno distribuído no JB e durante uma Bienal que contava toda a história do evento...

      Excluir
  6. Oii!
    Adorei o post! Ficou super divertido de ler. Nunca tinha lido sobre a história da bienal e adorei isso!!

    Abraços
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Markus, eu tento ser séria para escrever. E um tema como Bienal exige toda a seriedade do mundo, mas algumas vezes erro a mão e acabo sendo mais intimista mesmo.

      Excluir
  7. Oi
    Muito legal o poste e é o mais diferente também
    que fala sobre a Bienal, achei legal a história.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todo mundo contando o que vai ter na Bienal desse ano, nós, as meninas do blog, achamos que valia a pena tentar alguma coisa meio diferente.

      Excluir
  8. Que post interessante!! :D
    Nunca fui numa Bienal, é meu sonho de leitora!! rsrs
    Quem sabe um dia né ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna, a primeira Bienal eu amei. A partir da segunda já achava melhor ir a livrarias em dia de promoção. O grande barato do evento são os painéis e apresentações dos autores, porque livro é quase sempre mais caro.
      Tenho certeza que um dia você vai. Faz assim, começa agora a juntar cinco reais por dia, em dois anos vai ter uma graninha boa para poder viajar e comprar livros.

      Excluir