Leituras da Mari: Um Caso Perdido - Colleen Hoover


Título no Brasil: Um Caso Perdido (Hopeless #1)
Título Original: Hopeless
Autor(a): Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 384
Ano: 2014

Pois é meu povo, sou fã assumida de Colleen Hoover. Já li praticamente tudo dela que foi lançado e posso dizer que amei quase todas as obras (foi por tão pouco que não falei todas. Por que você foi escrever Ugly Love, Colleen, por que?)

Hopeless é o meu livro favorito no gênero New Adult. Por que? Nada demais, apenas por ser FANTÁSTICO, simplesmente PERFEITO! 
Eu já conhecia a escrita de Colleen, da série Métrica, e sabia que ela sempre nos apresentava personagens bem trabalhadas, éticas, fortes e com alguma surpresa que te faria perder o chão. Mesmo assim nada me preparou para esse livro, até porque a sinopse deixa muito a desejar.

Antes de iniciar essa resenha tenho duas dicas para vocês:
  1. Cuidado com as resenhas que têm por aí. Muitas delas contêm spoilers e a graça dos livros da Colleen está nos detalhes que se descobre ao longo do caminho.
  2. Se você sabe ler em inglês, e a Galera Record que me perdoe, LEIA EM INGLÊS! Isso porque essa autora faz zilhões de joguinhos de palavras totalmente "show de bola" ao longo do livro e basicamente todos eles se perdem com a tradução. Não é problema do tradutor, vejam bem... é apenas impossível reproduzir em português os jogos feitos com palavras em inglês porque a ordem de cada letra delas é a base da coisa; com isso muito da beleza, da "mágica" e da graça dos livros dela acabam se perdendo nas versões em português.
  3. O título desse livro é HOPELESS. Não importa o que está na capa em português, ignorem e mantenham na mente que o título que a autora deu É E DEVERIA CONTINUAR TENDO SIDO Hopeless. (Quem me conhece sabe o quanto surtei quando vi o título sendo traduzido, né Caroline Gurgel?). Não sabe o que significa essa palavra? Procura no dicionário ou continua lendo a resenha porque eu explico, mas apenas entenda seu sentido e não mude sua escrita em NENHUMA HIPÓTESE! Ok... voltando a respirar e ficar calma em 3...2...1 
Isso dito, vamos à história.


Em Hopeless conheceremos a história de Sky, uma menina de 17 anos que tem uma vida um tanto atípica em relação às outras pessoas da mesma idade. Ela foi educada em casa, por sua mãe adotiva, Karen, que era uma pessoa completamente voltada à tudo que é "natural". Logo, nada de ficar assistindo televisão e internet é algo terminantemente proibido, assim como o celular. A primeira vez que ela está indo para a escola, realmente, é em seu último ano de ensino médio graças à uma luta imensa de Sky e Six para convencer sua mãe que a experiência era importante para o seu amadurecimento como pessoa.

Six é a vizinha de Sky, além de ser também sua única e melhor amiga. Ela sempre quis ter a amiga na escola com ela, mas agora que finalmente conseguiu não irá aproveitar pois está de viagem marcada para fazer um ano de intercâmbio na Europa. 

As duas tinham uma fama "terrível". Six era a namoradeira da cidade e Sky acabava sendo também por tabela já que, escondido da mãe, ficava com o amigo que estivesse acompanhando a paixão de Six no momento. Pior que a fama dela apenas a fama de Dean Holder.

Holder é o nosso "par romântico".  Ele tem a mesma idade que ela e é conhecido na escola como "o cara que foi preso por espancar ou matar um rapaz homossexual", as histórias podem variar nessa parte. Seu porte físico atlético, sua tatuagem escrito "Hopeless" no braço (que é uma palavra em inglês que significaria "desprovido de esperança ou salvação" caso fosse traduzida) e sua cara de "poucos amigos" apenas ajudam na manutenção dessa fama.

Sky se depara com Holder pela primeira vez no caixa do mercado. A atração por ele é imediata, mas há também uma outra sensação ali que ela não consegue bem explicar qual é. Holder fica a olhá-la também, de uma forma um tanto estranha. O que eles ainda não sabem, lógicamente, é que esse encontro mudará para sempre a vida dos dois e de maneiras que ninguém jamais poderia imaginar.  
"- Vou lhe avisar uma coisa – diz ele baixinho. – Assim que meus lábios encostarem nos seus, vai ser, sim, seu primeiro beijo. Porque, se nunca sentiu nada enquanto alguém a beijava, então ninguém jamais a beijou de verdade. Não da maneira como eu planejo beijá-la."

O início do livro parece um new adult como outro qualquer, nada de mais ou de surpreendente, tudo "cor de rosa" e até mesmo meio bobo e clichê. Por vezes me perguntei quando Colleen iria realmente aparecer naquele livro. E é por isso que dou uma outra dica aqui, nunca duvidem da "tia Colleen". Não desistam... ela VAI te surpreender, vai valer a pena.

A mudança acontece bem no estilo Colleen de ser, do nada! Te pega completamente desprevenido e você meio que começa a torcer para voltar ao "cor de rosa", a torcer para você não ser tão inteligente quanto acha que é e estar redondamente enganada sobre o rumo que a história irá tomar quando começa a ligar todos os pontos que ela foi lançando nas páginas inciais sem você notar direito.

A partir daí só você lendo pra saber, pois se eu contar é spoiler na certa. Lembro que "naquela cena" involuntariamente levei a mão ao coração e repetia "Não... não... não... não... um palavrão básico... Colleen você não fez isso!". Se você leu sabe de que cena estou falando, se ainda não leu vai saber de qual estou falando ao chegar nela - talvez você se confunda em cenas anteriores achando que pode ser ela, mas quando chegar nela de verdade, você vai ter certeza absoluta, pode acreditar.

O que mais posso dizer sobre essa obra? Ela é toda contada pelo ponto de vista de Sky (isso é muito importante, já que "Sem Esperança" - respira, Mariana, respira - conta a versão de Holder - eles ao menos poderiam ter traduzido para "Perdendo Esperança", né? Mas não.... respira... esse não foi tão mal como o outro, quase deu certo... respira). Ok, que mais? Ah, pode ser lido como livro único, mas não recomendo. A Versão do Holder é muito boa e nos mostra coisas que Sky jamais teria como nos contar.

Em suma, é isso. Meu último recado vai direto para Colleen Hoover: "Colleen, I love your books so much! Thank you for put in paper female characters with brain and couples with moral principles, with values. This is what I 'live' (like+love) the most in your work." (Colleen, Eu amo tanto os seus livros! Obrigada por colocar no papel personagens femininas com cérebro e casais com princípios morais, com valores. Isso é o que eu mais gosto nas suas obras.)

Obs.: com essa tradução que fiz da minha própria frase para ela provo o meu ponto... Quem não sabe inglês perdeu a do live porque não dá pra eu traduzir isso de forma a fazer sentido da frase em português.


SINOPSE DO SKOOB: Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras... Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente.
Leia resenhas de outras resenhas dessa série clicando nas imagens abaixo: 


Sem Esperança (Hopeless #2)
Em busca de Cinderela (Hopeless POV)

Comente com o Facebook:

12 comentários:

  1. UAU!!! fiquei ate com vontade de reler o livro. Perdi a conta de quantas vezes amei e odiei alguns personagens. Deveria conter um aviso na capa "Ministério da saúde adverte... A leitura desse pode causar vários problemas no coração" juro quase infartei. Concordo mais um livro que não deveria ter o titulo traduzido.nem vou comentar muito senão vira spoiler rsrsrsrs.
    bjus Mari <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkk pois é Fernanda! Tem tradução que simplesmente não dá pra entender ou aceitar bem. Mas faz parte.

      Semana que vem sai a resenha da continuação dele, muito boa também, por sinal.

      Excluir
    2. nem vou te contar que a continuação não me prendeu tanto rsrsrsrs. gostei mais Hopeless foi melhor kkkkk

      Excluir
    3. Fernanda, relaxa... Você lendo o post que fiz sobre a continuação notará que eu também preferi Hopeless! Kkkkk

      As coisas são assim mesmo. De qualquer forma, não me arrependi de ter lido a continuação, ainda mais porque nela tem uma cena introdutório para Finding Cinderela (que amei).

      Excluir
  2. Gostei da resenha, porém não me interessei no livro.
    Sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gregorio, obrigada por ter gostado da resenha. É uma pena não ter se interessado pelo livro, mas isso faz parte. Cada pessoa ten um estilo de preferência, talvez esse apenas não seja o seu. Normal.

      Excluir
  3. Muito boa, na verdade fiquei com vontade de ler... Será que o meu inglês da conta? Rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra, taí uma pergunta que não tenho como responder. Kkkkk

      Quando comecei a ler em inglês eu demorava horrores para terminar um livro porque acabava tendo que procurar muitas palavras no dicionário. Com o tempo vamos nos acostumando com o vocabulário e, no final, lemos na mesma velocidade que em português. Vale a pena começar.

      Excluir
  4. Se eu falar que li só um livro dessa autora você acredita?? rsrsr
    Morro de curiosidade pra ler, mas sempre acabo colocando outros na frente.
    Vou tentar lembrar quando terminar os que eu estou lendo.. :D
    Resenha ótima!!

    ResponderExcluir
  5. Bruna, que legal! Um livro é melhor que nenhum, certo?rs

    Qual foi o livro que você leu?

    ResponderExcluir
  6. Eu concordo TOTALMENTE com relação ao título do livro. Eu amei demais esse livro. E achei a resenha fantástica. Sou fã demais dessa autora... demais demais demais. Só falta eu ler métrica. Que não sei pq ainda não li!!!! Beijooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andreza, métrica foi a primeira obra dela que li e de lá pra cá devoro tudo. Amei ter conhecido as obras de Colleen... Elas mudaram a minha forma de encarar os New Adults!

      Excluir