Leituras da Mari: Archer's Voice


Título no Brasil: A Voz do Arqueiro
Título Original: Archer's Voice
Autor(a): Mia Sheridan
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
Páginas: 338



Oi pessoal, tudo bem? Hoje falaremos de um livro que me surpreendeu: A Voz de Archer.

Se você não entendeu o porque de eu ter usado o título em inglês nessa resenha e o ter chamado de A Voz de Archer em seu texto, dá uma lidinha nesse outro post nosso Saiu a Capa de Archer's Voice no Brasil. Se ainda ficou confuso eu explico mais... não consegui fazer essa atrocidade com a obra e dormir tranquila.

Tendo isso esclarecido, vamos à resenha.



Esse livro faz parte da famosa série Signos do Amor, de Mia Sheridan; uma série que, particularmente, não gosto muito. 

Primeiro porque a única conexão entre os livros é a existência de um prólogo falando sobre o signo da vez, mais NADA! Ou seja, são praticamente livros únicos, com personagens que não tem nenhuma conexão com o livro anterior, unidos em uma coletâneaSegundo porque nem fazendo muita força consegui gostar de Leo, Leo's Chance e muito menos de Stinger, que são os três primeiros livros dela. Sério, achei os três fraquíssimos e meu maior sentimento ao longo da leitura foi tédio (desculpem as fãs, mas foi assim que me senti). 


Depois de ler três livros eu tinha certeza que o estilo dessa autora simplesmente não combinava comigo. Então vocês já podem imaginar como iniciei a leitura de Archer após uma amiga insistir bastante para eu dar mais uma chance, certo? Só não estava com os dois pés atrás porque senão eu cairia de cara no chão, mas dizer que estava receosa e totalmente desanimada seria até pouco.

Agora tente imaginar o meu espanto quando com um terço do livro lido me encontro completamente apaixonada pela história, totalmente presa ao contexto, chegando a ficar sem fala e sem ar em vários momentos. Meu choque em relação a isso foi tão grade que cheguei a voltar na capa para conferir se o livro que eu tinha pego pra ler era mesmo da Mia Sheridan, se eu não tinha pego um livro de outra autora, sem zuação! E voltei a fazer isso quando meus olhos começaram a encher de lágrimas, só pra ter certeza que eu não estava alucinando.

Archer's Voice nos conta a história de Archer e Bree. 

Bree Presccot, é uma jovem de vinte e poucos anos que após sofrer dois grandes e traumatizantes golpes da vida decide mudar de cidade e recomeçar sua vida onde ninguém a conheça. O lugar escolhido é Pelion, uma pequena cidadezinha do Maine e a primeira pessoa com quem esbarra, literalmente, é Archer, que acaba a ajudando a pegar os pacotes de absorvente que se espalharam pelo estacionamento da drogaria.


Ela, morta de vergonha, não para de tagarelar pedindo desculpas e agradecendo ao homem com um traje um tanto surrado, cabelo comprido e barba cheia de forma a ter seu rosto bem escondido em baixo de todo aquele pelo. Archer não responde a ela em momento algum, na verdade nem se digna a balançar a cabeça assentindo seus comentários, o que a faz sentir-se ainda mais desconfortável. Do final ele apenas faz um aceno e vai embora, deixando-a com uma impressão estranha, porém marcante.


Se Bree é uma pessoa marcada pela vida, Archer Hale é ainda mais. Um homem de 23 anos, marcado pela dor, pelo preconceito e pela tragédia, que vive recluso, saindo de casa apenas para ir ao mercado comprar suprimento. Sua única companhia são seus cachorros, por quem alimenta um amor lindo. A história dele nos comove e nos faz sentir empatia de imediato. Não há como não querer consolá-lo, sentar em um sofá e querer que ele ponha a cabeça no seu colo para que possa fazer carinho em seus cabelos e confortá-lo, dar-lhe o amor que tanto merece (recado especial para o meu marido. Te amo, meu bem. Fica com ciúmes não que o Archer é apenas um personagem fictício, tá!?)
“Ei, na verdade, eu tenho uma pergunta sobre alguém. Eu derrubei algumas coisas no estacionamento da farmácia ontem a noite e um rapaz jovem parou para me ajudar. Alto, magro, boa forma, mas…. eu não sei, ele não falou uma palavra… e ele tinha uma barba longa”                                                                    “Archer Hale” Melanie interrompeu. “Eu estou chocada por ele parar para te ajudar. Ele geralmente não dá atenção a ninguém”. Ela pausou. “E geralmente ninguém dá atenção a ele também, eu acho”.

É claro que Bree não irá se sentir satisfeita com apenas essa informação e irá procurar por ele, enxergando mais do que ele quer demonstrar e ouvindo mais do que as palavras poderiam expressar. Com muita garra, paciência e persistência, ela irá quebrando as barreiras dele e um sentimento puro e comovente vai se formando, juntamente a um enredo encantador, repleto de sensibilidade.

Mia Sheridan, quem diria, consegui escrever uma obra que me faz suspirar até hoje (li em 2014, em inglês), apenas de lembrar. As partes em que eles vão se descobrindo e aprendendo um com o outro são tocantes.


Ela nos mostrou como o comodismo e o medo do diferente, de muitos, são capazes de isolar e até quase matar uma alma boa e com muito amor para dar. Que ajudar requer esforço, dedicação e, até mesmo, abdicação em alguns momentos. Demonstrou ainda que não importa o quanto tentamos passar segurança ao outro, as vezes é preciso que eles encontrem essa certeza dentro deles para acreditar na que queremos passar; de que podemos nos surpreender se realmente pararmos para prestar atenção no outro e não apenas deduzirmos o que ele é ou não capaz de fazer.


Archer é, fácil, um dos meus personagens favoritos (coladinho com o Diogo, de Corações Quebrados, da autora portuguesa Sofia Silva). Sua pureza e honestidade me deixaram encantada, assim como sua luta para se tornar "uma pessoa melhor" me comoveram, me cativaram.


"...nem todos os atos de coragem são óbvios àqueles que olham de fora."

Ainda me perguntando, vira e mexe: "Mas era mesmo um livro da Mia, aquela autora que eu não gostava de forma alguma!?". Que grata surpresa! Derramei lágrimas com esse livro e recomendo a qualquer um, de olhos vendados, sem medo. Vale muito a pena, mesmo!



***



SINOPSE DO SKOOB: Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história sobre o poder transformador do amor.Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.

Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.
Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma
mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de
um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.
Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de umamulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória deum homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Eu sempre me divirto com o teu jeito, Mari. Você nunca gosta, mas lê, nunca gosta, mas gosta de ler hahahaha. É uma paradoxo total! hahaha
    Quero muito ler esse livro, acho que é bem do jeito que eu gosto. ^^
    Beijos
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk O pior é que amei Archer. É um livro realmente lindo!

      Agora, que culpa eu tenho se os livros anteriores dessa autora não eram lá muito do meu agrado!? rs

      Excluir
  2. Mari e tao bom quando o livro nus surpreende. Sempre dou uma segunda chance<talvez nesse a autora tenha colocado mais alma.
    adorei a resenha me fez desejar ler o mais rápido possível e conhecer Archer.(marido da Mari sem ciumes viu rsrsrs ela fez declaração pra vc leva em conta ta rsrsrsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkk
      Dá uma chace pra esse sim que vale a pena!

      Excluir