Resenha: Ágata - Emília Lima


Título no Brasil: Àgata (Família Cirilo livro 02)
Autor (a) Nacional: Emília Lima
Editora: Sollo Editorial
Ano: 2015
Páginas: 112

Olá leitores,

Hoje vou falar sobre o segundo livro da Família Cirilo, fiz a resenha do primeiro, Alina (veja aqui), já tem um tempinho. Assim como no outro não pude deixar de me encantar pela capa e elogiar a diagramação, que apresenta, desenho no início de cada capítulo.

No primeiro livro, conhecemos superficialmente um pouco da vida de Ágata. Nesse podemos conhece-la profundamente, entender porque agia daquela maneira tão esnobe e era tão diferente dos irmãos. 


Como já disse na outra resenha, a história acontece na época em que o Brasil ainda era colônia de Portugal, desde o momento que a família Cirilo veio para o Brasil para tentar uma nova vida. Ágata não queria ir, preferia ficar com a tia em Portugal, mas o pai não aceitou e levou toda a família. Ágata sempre dizia que na primeira oportunidade iria casar com um homem rico e iria embora para a Europa.

O Conde de Basco, um senhor rico, se interessou por Ágata e a pediu em casamento. Mesmo tendo idade para ser seu pai, ela aceitou o pedido devido ao deslumbramento de ser Condessa e ir morar em Portugal novamente. Logo depois do casamento eles foram embora e Ágata estava exultante com esse novo recomeço.

Morando em Lisboa, vivia o que sempre sonhou. Uma vida com muitas festas e bailes, fraquentava a alta sociedade e era respeitada com o seu título de Condessa. O marido, como já era um senhor, não tinha disposição para acompanha-la e não se importava que ela fosse sem ele. Mesmo não amando seu marido, ela o tratava com carinho. Ágata desfrutou bastante da vida boemia e teve muitos amantes, até que o seu marido veio a falecer e se sentiu sozinha, sem a segurança que ele havia proporcionado. Resolveu, então, voltar para o Brasil e passar um tempo com a sua família.

Chegando ao Brasil, Ágata foi amada pela família e percebeu como eles eram importantes na sua vida. Viu como era uma mulher mesquinha, fútil, vingativa, manipuladora e sem princípios morais básicos.


Eu precisei atravessar o oceano mais uma vez para me encontrar; eu estava descobrindo sentimentos novos, coisas sobre mim que nunca imaginei que existissem. Bem lá no fundo eu era uma Cirilo e, como tal, não poderia ser uma má pessoa. Pág. 55



Depois de passar um tempo na casa dos pais, foi passar uma temporada na casa da irmã Clara, que vivia com o marido e os quatro filhos. Chegando lá, se encantou por Alberto, um fazendeiro muito bonito, solteiro, brasileiro e filho de portugueses. Mesmo com posses, ele era muito simples. Ágata se sentia à vontade com ele, conversavam bastante e se tornaram amigos. 

Sem perceber, Ágata se apaixonou loucamente por Alberto, mas sabia que nunca teria alguma chance com ele. Alberto queria uma uma mulher para casar e formar uma família; ela não se encaixava nessa definição, porque nunca quis ter filhos.


E foi assim que Alberto passou a ser a minha nova obsessão, mas com o tempo, percebi que Clara estava certa, nada que eu fizesse ou dissesse, mudava o tratamento de Alberto comigo. Pág 58.

Para conseguir ser cortejada por Alberto, ela teria que mudar todo o seu passado, se tornando uma mulher diferente de tudo que sempre viveu. Será que Ágata vai conseguir ser uma mulher melhor? Deixar de ter ódio e procurar a felicidade sem rancor?

E Alberto vai aceitar Ágata com todo o peso do seu passado? Casar com uma mulher que não quer ter filhos?

A autora continuou com o mesmo estilo nesse segundo livro, conseguiu fazer com que me sentisse ao lado de Ágata. Comecei ele com um pouco de receio, pois Ágata mostrou ser uma pessoa má no livro anterior e não me via gostando dela. Mas para minha grande surpresa, foi diferente, eu me senti amiga de Ágata e torcendo por cada conquista.

Continuei não gostando desse livro também ser curto demais, fiquei querendo mais de Ágata e aguardo ansiosa pelo terceiro livro dessa família encantadora.

Sinopse: Ágata é uma obra de ficção, ambientada em Portugal e na Bahia no final do Séc. XVI e início do Séc. XVII, e conta a história de Ágata Cirilo, personagem principal do livro e das mudanças que a vida impõe a ela, fazendo-a escolher entre ser uma pessoa melhor ou continuar em uma vida vazia. Ágata é uma personagem temperamental e egoísta até se apaixonar por um homem totalmente diferente dela. Alberto é um homem que vive uma vida muito simples, e que não pretende mudar, nem mesmo por um grande amor. Este livro fala sobre a força do amor e o quanto ele é a coisa mais importante na vida de uma pessoa. Quando ele aparece na nossa vida, nada nem ninguém são capazes de detê-lo. O amor verdadeiro pode mudar completamente uma pessoa.
Leia a resenha de outras obras da autora clicando nas imagens abaixo: 


Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Oi meninas!

    Nós do Viciadas fomos indicadas a uma TAG e através dela, devemos indicar mais 5 blogs para participar da brincadeira. E adivinhe só? Escolhemos o Conchego ^^
    Aqui está a TAG e não deixe de nos avisar quando a TAG for ao ar ;)

    http://www.viciadosemleitura.blog.br/2015/08/tag-faccoes-de-divergente.html

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Não sou muito de livros de época, mas adorei a sua resenha, quem sabe eu me encante por esse família!! rsrs

    Parabéns Daya, vc arrasa :D

    ResponderExcluir