Leituras da Mari: A Rainha


Título no Brasil: A Rainha
Título Original: The Queen
Autora: Kieara Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 70
Sinopse do Skoob: Uma das personagens mais cativantes de A Seleção é a rainha Amberly, mãe do príncipe Maxon. Ao longo da série, descobrimos pouca coisa a seu respeito, e muitas dúvidas permanecem: como uma pessoa tão bondosa e gentil se apaixonou por um homem rígido e impiedoso? Por que Clarkson a escolheu, considerando que ela vinha de uma casta baixa e de uma província pobre? E qual era exatamente seu estado de saúde?

Chegou a vez de Amberly contar sua própria história. Em A rainha, disponível em edição digital, acompanhamos a Seleção anterior à de America Singer, quando Amberly foi ao palácio com outras trinta e quatro garotas para disputar o coração do então príncipe Clarkson. O leitor enxergará uma nova faceta do rei através dos olhos apaixonados de Amberly, entenderá melhor o relacionamento dos dois e conhecerá um pouco mais do passado dessa personagem tão encantadora — uma garota simples que provou que uma rainha pode vir de qualquer casta.


Não vou mentir para vocês, estava ansiosa para ler A Rainha pois Amberly sempre foi uma personagem cativante e de quem gostaria de saber um pouco mais. E o conto não decepcionou!

A resenha vai ser pequenininha, mas o conto tem apenas 70 páginas, então...
ATENÇÃO, CONTERÁ SPOILERS SOBRE OS LIVROS A SELEÇÃO, A ELITE E A ESCOLHA, se você ainda não leu esses três, não lei essa resenha ou leia ciente que pode dar spoiles sobre eles. NÃO CONTÉM SPOILER SOBRE O CONTO EM SI.

Como em todos os livros da série A Seleção, A Rainha é contado em primeira pessoa, do ponto de vista de Amberly enquanto participante de sua própria Seleção, na época em que o Rei Clarckson ainda era conhecido como Príncipe Clarckson.
No início foi muito difícil  conseguir me envolver com a história. Torcer pela felicidade de Clarckson, após tudo que lemos sobre os comportamentos dele com América e Maxon em A Elite e A Escolha era algo que ia completamente em oposição aos meus desejos. Mas Kieara soube levar a situação de forma maravilhosa e acabei o livro sorrindo pelo futuro "feliz" do casal.
Amberly, assim como América, não tinha uma casta alta. Ela era uma quatro, que realizava trabalhos de uma sete e que morava em Honduráguas, uma das regiões mais poluídas de Iléia, antes de ir para o Castelo. Essas suas "qualidades" não eram exatamente o que o Rei gostaria para a futura esposa de seu filho, mas assim como Maxon, Clarckson não se importava tanto com castas na hora de escolher sua própria esposa (vai entender porque não continuou seguindo esse caminho quando virou Rei!?).

Ela sempre foi apaixonada pelo Príncipe Clarkson e a forma como o enxerga acaba nos contagiando um pouco.

Pelos olhos de Amberly podemos conhecer um Clarckson um pouquinho diferente daquele dos outros livros, um homem capaz de demonstrar preocupação e carinho.  Capaz de arriscar a própria vida por aquela que ele ama. Um do qual somos capazes até mesmo de sentir pena e desejar o bem. Isso tudo, claro, até lembrarmos que já conhecemos sabemos no que ele vai se tornar quando Rei, porque aí a raiva volta.

Consegui entender um pouquinho, embora não concorde, o motivo que fez com que ele ficasse como ficou; os "esqueletos" que ele guardava dentro do armário.

Achei interessantíssimo o critério de escolha dele... a forma que ele usou para "selecionar" sua futura esposa. Isso mostrou, ao menos, um desejo de fazer diferente do pai. Pena que ele não conseguiu ser diferente em relação a nada que não fosse o relacionamento com a esposa em si. Mas valeu a tentativa, né?

O conto acaba da forma mais fofa possível! Se vocês queriam mel, esse conto proporciona uma verdadeira crise à diabéticos e deveria ser proibido por dentistas pelo alto risco de provocar cáries.


Para ver as outras resenhas da série A Seleção clique AQUI.

Comente com o Facebook:

10 comentários:

  1. Adorei o final da sua resenha, kkkk "O conto acaba da forma mais fofa possível! Se vocês queriam mel, esse conto proporciona uma verdadeira crise à diabéticos e deveria ser proibido por dentistas pelo alto risco de provocar cáries." Por mais que os fãs da literatura clássica torçam o nariz pra esse tipo de obra, sempre é bom ler algo leve e esquecer um pouco das dificuldades da vida, por isso imagino que seja muito gostoso de ler. E quanto ao casamento do príncipe, nem mesmo os membros de Famílias Reais tem vidas amorosas fáceis e são necessariamente felizes em seus casamentos: Charles e Diana que o digam.

    Um abraço, Mari.
    http://www.rascunhocomcafe.com/2015/07/frankenstein-ou-o-moderno-prometeu-quem.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandro, obrigada pelo comentário! É verdade, casamento não é coisa fácil e problemas existem independente da condição financeira e status social, mas a questão a qual me referia é que Clarckson é meio que o "vilão" nos outros três livros. Então depois de encarar ele como vilão por umas 600 páginas de história me deparar com um livro onde, teoricamente, eu deveria torcer por ele não foi absolutamente NADA FÁCIL.rssss

      Quanto à parte do ler livros leves. Acho que está completo de razão. Depois de um livro pesado sobre temas políticos, guerras, dramas, terror; nada melhor do que ler A Seleção para aliviar a tensão e voltar um pouco a acreditar em contos de fadas.rs.

      Excluir
  2. Nossa, eu ainda não li nada de A seleção, e se eu não tivesse tantos livros para a leitura com certeza seria uma das próximas leituras depois de ler a sua resenha. Adoro esses romances fofinhos e como disse no final, realmente é bem romântico. essas são leituras mais fáceis que a gente lê em 1 dia e por isso é tão gostoso! rsrs
    Vou tentar me organizar melhor para ler tudo dessa série!
    http://saberes-literarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda, eu gostei muito, mas conheço gente que detestou. De qualquer forma, isso é algo que a pessoa tem que decidir por si mesma e a minha resenha nada mais é do que uma recomendação sincera levando em consideração única e exclusivamente o meu ponto de vista em relação à obra.rs.

      Quando estiver lendo me avisa. Caso vá resenhar em seu blog volta aqui e coloca o seu post também. Bjs

      Excluir
  3. Preciso ler, mesmo não gostando o Rei pelas coisas que ele fez, to bem curiosa. ;)
    Bjo Mari
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianca, leia! Sei que você leu os anteriores e amou então não irá se arrepender ao ler esse. Depois volta aqui e conta pra mim o que achou?

      Excluir
  4. Viciei nessa série, kiera Cass escreve super bem! Mal posso esperar o quinto livro!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NAT, é viciante mesmo! Esperar agora pela segunda metade de A Herdeira está sendo um pouquinho enervante pois estou totalmente curiosa de como ela conseguirá nos prender por mais esse livro.rs

      Excluir
  5. começo hj a ler A rainha. Essa serie sem duvida sempre será uma das minhas preferidas. vou levar a minha paixão por Maxon pela vida toda. Ate agora não me imagino torcendo pela felicidade do rei,afinal ele foi um dos personagens que mais odiei rsrsrsrs. Bjus Mari adorei <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, nem eu me imaginava e no início, como relatei, tive muita dificuldade em conseguir me envolver com a história por causa disso. Não conseguia superar a imagem de Clarckson que já havia sido formada em minha mente de forma alguma.

      Passado a metade do conto consegui "viajar" mais e até quase gostei dele em alguns momentos. Definitivamente o compreendi mais, mas ainda assim não foi fácil.rs.

      Excluir