Resenha: Dominic


Título no Brasil: Dominic (Slather Brothers 01)
Título Original: Dominic (Slather Brothers 01)
Autor(a): L.A. Casey
Editora: Bezz
Ano: 2015
Página: 337




Vou falar desse livro a mesma coisa que falo dos livros da Abbi Glines... Essa autora só pode ter jogando algum feitiço bem ferrenho na obra, não há outra explicação. Depois que você começa a ler, não consegue mais parar mesmo achando que o livro não é lá grande coisa. Pior, de alguma forma você ainda tem vontade de ler os livros seguintes. 

Eu não entendo isso, não sei explicar. Sério mesmo, não consigo processar uma coisa dessas na minha mente! Mas agora chega de enrolação e vamos à resenha, que é o que interessa a vocês, certo?

Dominic é o primeiro livro da série Slater Brothers e segue o estilo de Belo Desastre, sendo que Dominc é uma versão muito mais surtada de Travis e Bronagh uma adolescente com sérios problemas de controle da raiva, uma barraqueira total.

A história se passa em Dublin, na Irlanda, mas não chegamos a realmente aprender muito sobre o local. Bronagh é uma menina que gosta de ser invisível. Após a perda dos pais, passou a ser criada pela irmã mais velha, Branna, e se fechou para o mundo por "não querer gostar de mais ninguém para não vir a sofrer caso venha a perder aquela pessoa". 

Dominc é um americano de gênio forte, que se mudou com os irmãos (ele também não tem os pais) para a Irlanda recentemente e, com isso, passa a estudar na mesma sala de Bronagh.

O primeiro conflito dos dois é por um motivo seríssimo: ele estava sentado na cadeira dela. Pois é meu povo, vocês não leram errado, Bronagh tem uma cadeira cativa na sala de aula onde, aparentemente, só ela pode sentar. Ela até vandalizou a mesa riscando, com um estilete ou coisa parecida, seu nome nela para poder provar isso.

A partir daí temos a única reação possível para Dominc, ele se apaixona por ela. Afinal, o  mocinho sempre vai querer aquela mocinha que não dá bola pra ele de início e desafia sua masculinidade. Para conquistar Bronagh ele irá usar a técnica mais romântica de que já se ouviu falar, ele irá praticar bulling com ela como forma de chamar sua atenção, como todo adolescente normal na faixa dos 16 a 18 anos; e também irá tentar provocar seu ciúme, pegando outras garotas na sua frente. Tão romântico ele, né!? Praticamente um ursinho de pelúcia gente.

Outra coisa bem legal é que ao ler este livro você pode ter certeza absoluta de que seu vocabulário de insultos e xingamentos será aumentado consideravelmente! Bom, né? Sabe aquele momento em que você quer xingar alguém de todos os nomes possíveis, mas percebe que só conhece alguns? Pois então, você nunca mais precisará passar por ele, pois Dominic e Bronagh vieram te socorrer. 

O nosso "fofo" par romântico não sabe conversar para resolver um problema e, no lugar do diálogo parte para as ofensas e, pasmem, até mesmo para as agressões físicas. Aparentemente Bronagh tem uma mira perfeita em se tratando de tiro, sendo o tiro qualquer coisa ao alcance de sua mão e o alvo a cabeça de Dominc.

Apesar disso tudo, o livro te prende. Talvez pelo fato de descrever seres esculturais como irmãos de Dominic, por ser regado de um senso de humor duvidoso, ou por te enlaçar em um pequeno suspense que é o grande segredo que a família de Dominic guarda. 

Eu realmente não teria como te dizer ao certo os fatores reais para prenderem uma pessoa que gosta de King a esse livro, mas ele prende e você se vê querendo ler o próximo para saber o que acontece a Alec ou Kane (que já possuem livros em inglês), ou os outros dois irmão (cujos livros ainda deverão ser lançados, acredito).

Isso é estranho, eu sei, mas é a realidade que experienciei. Vejam, eu dei 2 pro livro e se eles lançarem o de Alec no Brasil podem ter certeza que quem estará resenhando aqui serei eu também. Dá pra entender isso? Não dá!

OBS.: Este livro foi lido em sua versão original, em inglês, para a realização desta resenha. A partir do dia 05/07 já se encontrava, entretanto, em pré-venda, na versão em português, pela Bezz Editora e, por este motivo, colocamos em nosso informativo tudo sobre a editora brasileira.

É isso pessoal. Beijinhos e até a próxima resenha.


Sinopse do Skoob: Depois de um acidente de carro que matou seus pais quando ela era uma criança, Bronagh Murphy escolheu a isolar-se das pessoas num esforço para manter seu futuro longe de sofrimentos. Se ela não se aproximar de pessoas, falar com elas ou conhecê-las de qualquer forma, ela conseguirá ficar sozinha, do jeito que ela quer.Quando Dominic Slater entra em sua vida, ignorá-lo é tudo o que ela tem que fazer para chamar sua atenção

Comente com o Facebook:

19 comentários:

  1. ouvi falar desse livro a algum tempo já mas ainda não li por motivos de: acho que a historia é meio clichê, e eu tenho um serissimo problema com clichês kkk
    mas confesso que ando bem curiosa em relação a historia, e a resenhe me deixou ainda mais curiosa e com vontade de conhecer Doinic, acho q vou dar uma chance kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeka, eu fui o mais sincera possível na resenha! O livro não é lá grandes coisas e, por isso, dei 2 estrelas, mas ao mesmo tempo eu gostei! Dá pra entender? Não.

      Ele é tudo de mais clichê e sem noção que você possa imaginar, mas agarrei nele que só larguei na última página. kkkkkk

      Não dá pra explicar isso. Ou é magia das brabas ou eu estava em um momento estranho na minha vida.rs.

      Excluir
  2. Adorei a resenha , vou ler.. Porque sou daquelas que se alguém disser, não faça isso, não tem sentido, eu vou lá e faço. Também não consigo entender esse meu lado, mas sou assim, fazer o quê?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk Cláudia, eu te entendo. Na resenha americana desse livro estava algo como "se você não gosta de homem troglotida, ciumento, machão e que fala palavrão, esse livro não é pra você".

      Oras, quem escolhe se um livro é pra mim ou não sou eu e só de teimosia resolvi ler o livro. kkkkk

      Excluir
  3. Ah Mari, você tá no time das que adoram, mas ficam fazendo esse doce hahahahahahah pode falar, a gente não vai te zoar, não! XD
    To doida pra comprar o meu. :)
    Beijo
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianca, mas eu falei! Ele não é um bom livro mas eu gostei! kkkk Falei isso com todas as letras. Ele é tudo de mais clichê e sem noção, mas agarrei nele que só larguei na última página. kkkkkk

      Excluir
  4. Kkkkk adorei ofensas, xingamentos, agressões fisicas. Tem certeza que é romance? Rsrs brincadeira acho que nesse misto de confusão ai tem uma história de amor , regada a segredos melhor ainda. Concerteza irei ler. Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, tenho sim! É romance e as agressões físicas deles são fichinha perto de 50 tons. Nem Maria da Penha daria direito, mas ainda é partir pro tapa sem necessidade.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. eu particularmente não li o livro 50 tons e o filme não era nada do que eu esperava.

      Excluir
    4. Não tive paciência pra tentar ver 50 tons - O filme. Assumo!

      Excluir
  5. Já tentei ler esse livro, mas não consegui terminar. E a resenha me convenceu que ele pode continuar no fim da fila hahaha. Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  6. Kkkkkk. Emille, se você começou a lê-lo e conseguiu para foi porque não te prendeu e, como o estilo não muda... Kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Ixiii Mari, você podia falar o que for desse livro que eu iria ler só por essa bela barriga de tanquinho na capa! hahahha

    Falando sério, não me importo com clichês, desde que prenda minha atenção e do jeito que você falou da mágica da autora que você dando dois não largou o livro, também quero ler!! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkk Bruna, sua tarada!!! kkkkkkk A capa da Bezz é a da direita. Achei muito boa, mas particularmente prefiro a americana. Talvez eu esteja sendo influenciada pelo fato de ter participado do jogo de adivinhação que a Bezz fez com a capa.

      Ela foi liberando apenas pedacinhos por fez, deixando o resto todo pintado de preto e em algum momento achei que o ombro dele seria uma nádega e o braço a perda. Óbvio que a parte da cabeça e a barriga tanquinho ainda estava cobertos mas agora não consigo mais olhar a capa sem rir por enxergar uma nádega no lugar no ombro. kkkkkkkkkkk

      Excluir
  8. Kkkkkkkkkkkkkkkk... Mari você foi ÓTIMA!!! Nossa eu nunca me diverti tanto lendo uma resenha .. a forma como você vai contando os acontecimentos é demais. A primeira briga... e os atos românticos... kkkkkk(ri muito) eu acho que é aquela velha história cliché... mas só pela sua resenha eu irei ler ele! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal Andreza! Muitíssimo obrigada! Sinceramente não sei ao certo se recomendo esse livro para a leitura ou não pois tenho medo de queimar minha credibilidade de "pessoa culta" indicando ele... Já chega o fato de eu ter lido e todo mundo saber disso porque fiz a resenha! kkkk

      Mas sinceramente, acho que todo mundo merece gostar dos prazeres mais fúteis de vez em quando como se empanturrar de chocolate durante a TPM, assistir aquele seriado de comédia pastelão e ler Dominic para relaxar. Faz bem pro cérebro ser eclética, então... manda bala garota. kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  9. Oii Nana caramba complicado esse voodu literário, pq mesmo tu dando duas estrelas eu Ri muito e consequentemente me deu vontade de ler kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Beijos parabéns pela sagacidade!!

    ResponderExcluir
  10. Oii Nana caramba complicado esse voodu literário, pq mesmo tu dando duas estrelas eu Ri muito e consequentemente me deu vontade de ler kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Beijos parabéns pela sagacidade!!

    ResponderExcluir