Resenha: A Revolução dos Bichos


Título no Brasil: A Revolução dos Bichos
Título Original: Animal Farm
Autor(a) Nacional: Geoge Orwell
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2008
Páginas: 147




Resenha do Skoob: Cansados da exploração a que são submetidos pelos humanos, os animais da Granja do Solar rebelam-se contra seus donos e tomam posse da fazenda, com o objetivo de instituir um sistema cooperativo e agualitário, sob o slogan "Quatro pernas bom, duas pernas ruim".
Mas não demora muito para que alguns bichos - em mais particular os mais inteligentes, os porcos - voltem a usufruir de privilégios, reinstituindo aos poucos um regime de opressão, agora inspirado no lema "Todos os bichos são iguais, mas alguns bichos são mais iguais que outros". A história da insurreição libertária dos animais é reescrita de modo a justificar a nova tirania, e os dissidentes desaparecem ou são silenciados a força.
Instrumentalizada na época da Guerra Fria como arma anticomunista. A revolução dos bichos transcende os marcos históricos da ditadura stalinista que a inspirou e resplandece hoje,passados mais de sessenta anos de seu surgimento, como uma das mais extraordinárias fábulas sobre o poder que a literatura já produziu.


Uma leitura simples e absolutamente instrutiva para quem estiver com os olhos abertos e vontade de aprender. Se eu pudesse teria dado 10 corações, mas 5 é o nosso  máximo, então...


Engana-se quem pensa que este é um livro bobo e infantil por ser contada através de fábula. Pelo contrário, é uma história profunda, marcante e cujo estilo de escrita permite a imersão e compreensão de pessoas de diferentes idades sobre como se pode transformar um belo ideal em uma arma de manipulação das massas.


Orwell escreveu esse livro com base no que ocorria na União Soviética em época de Segunda Guerra Mundial. Foi uma crítica à Stalin. Mas ele é usado por muitas pessoas como uma mostra do que pode acontecer durante um período de tentativa de implementação do comunismo em uma sociedade que, na verdade, é regida por homens falhos e, em sua absurda maioria, egoístas.

A história ocorre em uma fazenda, que primeiramente é dominada pelo homem. Até que o homem se torna relapso ao ponto dos bichos não mais suportarem e eles se revoltam, tomando a fazenda para si. Com um ideal socialista e igualitário, tudo começa às mil maravilhas... todos trabalhando em conjunto, cada qual mediante sua própria capacidade, sempre recebendo mais alimentos, todos em um mesmo patamar de igualdade e com 7 regras extremamente simples e diretas para direcionar seus caminhos a partir daquele momento.




Entretanto a maior parte dos bichos era iletrada e não tinha como ficar lendo as regras. Alguns eram também preguiçosos para aprender ou facilmente manipuláveis e em pouco tempo uma raça dentre os animais, a dos porcos, passou a tomar todas as decisões. Elas eram, de início, postas para votação dos outros animais da fazenda... mas chegou um tempo em que um dos porcos não quis mais "perder" e simplesmente tomou o poder completo para si através da força e da expulsão de sua oposição.



Apesar desse ato ele não queria que os animais ficassem assustados ou com medo dele, logo resolveu alegar que sua oposição era, na realidade, um traidor que estava o tempo todo planejando devolver o poder ao temido "homem". O tempo vai passando e a situação vai piorando cada vez mais, mas sempre com os animais sendo convencidos de que, de fato, tudo está muito melhor do que na época do homem. As regras básicas vão sendo alteradas de acordo com a conveniência dos porcos até um ponto em que a liberdade e a igualdade se tornam mais uma ilusão coletiva do que uma realidade.



"O totalitarismo exige, na realidade, a alteração contínua do passado, e a longo prazo requer provavelmente uma descrença na própria existência da verdade objetiva" - pg 209.



Em suma, o livro é MA-RA-VI-LHO-SO. E por ser baseado em algo que realmente aconteceu nem ao menos pode ser chamado de golpista ou qualquer coisa parecida. Além do mais, foi escrito por um simpatizante do anarquismo e do socialismo não-autoritarista. Uma verdadeira lição de vida e de história.


Era esse tipo de fábula que eu esperava em O Oceano no Fim do Caminho. Pena que esse segundo não chegou nem aos pés de Orwell.

CURIOSIDADES:

01 - Geoge Orwell é, na verdade, um pseudônimo utilizado pelo escritor e jornalista inglês Eric Arthur Blair (1903-1950)

02 - As obras mais conhecidas do autor são  e 1984. 

03 - A Revolução dos Bichos tornou-se um clássico e uma ferramenta anti-comunista nas mãos do governo americano, muito embora isso tenha causado desagrado ao autor, que era um socialista convicto.

04 - Existem vários filmes baseados nesse livro, até mesmo em desenho animado. Em uma pesquisa rápida cheguei a encontrar 3, inteiros, no youtube.

05 - Existe um debate muito legal, de leitores, sobre esse livro em um Clube do livro no Skoob. Para quem quiser, após ler, participar, clique no link: Clube do Livro 2 Caras.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Oi Mari, ótima resenha.
    De uma maneira clara e objetiva, você mostra o que podemos encontrar na leitura mas sem entregar o verdadeiro teor da história.
    Uma linda semana.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Lia, eu simplesmente amei ler esse livro. Ele trata de forma simples sobre uma situação real, então quem conhece a história da segunda guerra e da União Soviética sabe basicamente como será o final do livro e conseguirá tirar mais dele.

    Entretanto, não é preciso conhecer a história real para entender a história do livro. E ele é simplesmente maravilhoso!

    ResponderExcluir
  3. Oi Mari, em defesa de O Oceano no Fim do Caminho: a proposta era completamente diferente, mas não vou entrar nisso aqui, já expressei minha opinião no outro post. Eu li esse livro faz um tempo e precisei reler recentemente e pra mim é leitura obrigatória. Primeiro pelo fato dele muito fácil de ler e segundo pelo alto teor crítico que há nele que acredito que seja importante despertar em todos. Foi uma jogada muito esperta do George fazer esse livro em formato de fábula por dois motivos: 1 - por ter uma escrita fácil ele poderia facilmente ser consumido pelas massas 2 - sendo consumido pelas massas o poder revolucionário do livro se torna muito maior. Ainda não li 1984, mas com certeza está na minha lista de futuras leituras ao lado de Farenheit 451. Uma leitura com teor crítico tão interessante quanto que recomendo pra você é "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley, se ainda não leu, acho bacana ler porque de uma forma diferente, também critica nossa sociedade de uma forma alegórica e muito inteligente.
    Abraços!
    www.rascunhocomcafe.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara, eu vi seu comentário e até o respondi. Sim, a proposta dos diis livros é diferente, mas como disse, era essa gama de profundidada de conteúdo que eu esperava achar em O Oceano no fim do caminho e não consegui. É aquela velha máxima da espectativa x realidade. Eu esperava uma coisa, me foi fornecida outra e eu não consegui me desvencilhar da espectativa frustrada.

      Já li Admirável Mundo Novo e pretendo fazer resenha dele para o blog em breve. Achei um livro de iníco indigesto, mas con um conteúdo e uma mensagem geral interessantíssimos, também é uma leitura que super recomendo.
      Bj

      Excluir
  4. Mari, amei sua resenha! Ele e o 1984 estão na minha lista para compras de julho, e ler sua resenha, só fez aumentar a vontade em tê-los.
    Gosto de como faz suas resenhas. Você consegue apontar os aspectos positivos e negativos de um livro, de uma forma bacana e sem dar spoilers.

    Parabéns garota!!
    Beijo grande!

    http://www.viciadosemleitura.blog.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graziela, eu tento. Me esforço para passar para o leitor, junto da minha opinião, o que ele realmente pode esperar da obra em seu máximo e mínimo, evitando os spoilers.

      Essa coisas de não colocar spoiler é muito mais difícil do que eu pensava de início! Faço umas duas revisões, no mínimo, antes de postar para ter certeza de não ter deixado escapar nada. rs

      Excluir
  5. Tudo mentira dela! a Grazi não presta!!
    :P
    Mari, adorei também sua resenha! mandou muito bem! gosto desse jeito sério e centrado de expor opiniões e passar a idéia do livro. Eu sou perturbada... Não consigo fazer isso... :'(
    E esse negocio de spoiler... é triste mesmo!! Coisinha bem dificil... e quando vc ama o livro?! Fica mega difícil parar os dedinhos!! huahuuah
    Parabéns novamente!
    Beijinho!!!

    http://www.viciadosemleitura.blog.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Eu sou perturbada... Não consigo fazer isso... :'(" kkkkkkkkkkkkk Morrrendo de rir! Deixa de ser dramática porque já li suas resenhas no Viciados e elas são ótimas! kkkkk

      O problema do spoiler é que o que é spoiler pra um pode não ser pra outro. Tenho uma dificuldade danada nessas partes e vivo me policiando. Pior ainda é na parte dos comentários, quando vemos que alguém leu o livro e queremos falar justamente daquele pedaço que não pôde entrar na resenha por ser spoiler. kkkkk

      Excluir