Resenha: Perdida



Título no Brasil: Perdida
Título Original: ------
Autor(a) NACIONAL: Carina Rissi
Editora: Verus
Ano: 2011
Páginas: 364




Sinopse do Skoob: Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos. 



Esse é o primeiro livro da Carina Rissi (autora do também sucesso de vendas Procura-se um Marido). Fala sobre viagem no tempo, no nosso Brasil, e é muito bem trabalhado.

Melhor ainda, se você está cansada(o) de ler sobre um bad boy típico que se apaixona pela menininha fofa e completamente inocente, essa é uma escolha perfeita!



Nossa personagem principal é Sofia, uma mulher de 24 anos, completamente viciada em tecnologia, que nem se alimenta se não houver como fazer a comida no microondas ou se ela não vier pronta, moradora da cidade grande e apaixonada por sua correria e agitação. Sua única paixão não vinculada à tecnologia é a leitura - ela ama ler e vive com um livro dentro da bolsa. Basicamente, ela é uma pessoa como a maioria de nós.rs. 

Em uma noite de balada com a amiga, Sofia bebe váááárias e, trôpega, derruba seu querido amigo do peito (o celular) na privada. Ela chega até a pensar na possibilidade de pegá-lo, mas sabe aquelas privadas nojentas de boate após a meia-noite??? Blerg. Pois é... Felizmente, ela desiste dessa ideia nada sanitária e opta por comprar um celular novo no dia seguinte.

Na loja do celular é atendida por uma vendedora bem atenciosa e um tanto "incomum", que afirma ter o telefone perfeito para ela. Quando Sofia liga o aparelho um forte clarão sai de dentro dele, a fazendo tropeçar e cair no chão. Quando se levanta não está mais no século XXI e sim no século XIX, mais precisamente em 1830!

É nesse ambiente que ela encontrará com Ian, um jovem sonho de consumo para a maioria das mulheres: atraente, educadíssimo, cavalheiro, atencioso... Ian estranha suas vestimentas, mas imagina que ela tenha sido roubada ou algo assim. Ele então oferece que ela fique em sua casa, até que eles encontrem uma forma de levá-la de volta ao seu lar, que até o momento ele ainda não tem ideia que ela é daquela cidade, só de alguns séculos a frente.rs.

Na casa de Ian, Sofia conhece a fofa Elise, irmã de Ian, uma personagem que terá bastante importância na adaptação de Sofia ao local. Bem, Elise e a perfeita biblioteca de Ian, que inclui até mesmo o primeiro volume do livro favorito de Sofia.


Através do celular que, de forma impressionante, pega no século XIX, ela recebe algumas mensagens da "vendedora", a incentivando a se conhecer melhor, a evoluir como pessoa.
Peguei o celular. A tela estava acesa, 'Você tem 01 nova mensagem' escrito. Toquei a tela, com medo. 
Ler agora? Sim.
Muito bem, Sofia, Você iniciou sua jornada com sucesso. 
Depois piscou e voltou a desligar.
Daí se desenrola uma linda história de amor e aprendizado, com momentos de comédia maravilhosos como ela se revoltando por ter caído em um tempo onde ainda não existiam privadas e nem papel higiênico; ou tentando fazer um condicionador de cabelo natural para domar as madeixas que estavam ficando revoltas frente a falta de produtos químicos que ela estava acostumada a usar neles. As tiradas dela sobres as roupas e os hábitos da época também são esplêndidas.

O final me surpreendeu. Assim que comecei a ler o livro pensei "ah, mole, o final será X. Mais um livro totalmente previsível para a minha lista". Não estou dizendo que vai ser ou que não vai ser "X", o que estou dizendo é que em um momento eu parei e pensei "não... ela não vai fazer isso comigo!" e isso, minha gente, em um livro, é bom demais!
Contos de fada podem se tornar realidade, Sofia. Basta que a princesa não lute contra a própria felicidade.
Com escrita fluida, envolvente e personagens cativantes, Carina consegue fazer a mistura perfeita para transformar um tema batido em algo diferente e agradável de se ler.

Curiosidade 01: Na época de 1830 o Brasil ainda era um país escravista, mas Carina Rissi modificou um pouco isso na história. Ela comenta em uma nota, ao final do livro, que o Brasil não deveria se orgulhar de ter escravizado e, por isso, não colocou escravos. Eles são chamados de "criados" no livro e a personagem Sofia ressalta o tempo todo com Ian a importância de os tratar como empregados e não criados, que eles mereciam ser tratados com respeito.


Curiosidade 02: Perdida foi inicialmente elaborado para ser livro único, mas a história de Sofia fez tanto sucesso que a autora lançou uma continuação - Encontrada -, algum tempo depois.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Eu simplesmente AMO esse livro, ele foi uma descoberta muito boa e feliz ano passado, quando uma amiga sugeriu ele como livro viajante. Ele se tornou o meu xodó, um dos meus preferidos. A Carina é simplesmente maravilhosa. Podia ficar aqui babando um ovo eternamente hahahahaha, mas não vou. Leia Encontrada e volte a rir, a chorar, a suspirar e a desejar um Ian e uma fada madrinha na sua vida rsrs.
    Beijão
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianca, este livro foi uma agradável surpresa. De tudo que eu esperava dele, derramar lágrimas definitivamente não era uma das opções. Mas ele fez isso!

      Ele me surpreendeu e me fez ficar agoniada e derramar lágrimas logo depois do pensamento "agora só falta o final pra terminar tudo fofo como foi até o momento".

      Amei!

      Excluir
  2. O enredo em si, não é nenhuma novidade. Apesar de gostar de histórias com 'Viagem no Tempo', confesso que já estou meio saturada do tema. No entanto essa tem diferencial que é o fato de se passar no Brasil. História de época ambientadas no Brasil, isso sim, não algo muito comum hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Deh. O fato de se passar no Brasil dá todo um gostinho diferenciado para a leitura. Ficamos imaginando aquela época, aqui... como tanta coisa já mudou, como outras parecem ter continuado as mesmas.

      É muito mais próximo da nossa realidade e, consequente, para mim, se tornou imensamente mais interessante.

      Excluir