Entrevista: FP Rozante




FP Rozante é uma das autoras parceiras desse Blog, que de forma muito simpática atendeu ao nosso pedido de entrevista. Tem dois livros publicados, "Quando Você Voltar" (ver resenha do blog AQUI) com venda na Amazon; e outro, "Minhas para Proteger", atualmente pode ser comprado em livro físico pelo email fprozante@gmail.com. Para ver a sinopse do livro no Skoob, clique AQUI)

Nascida em 1990, taurina, bacharel em Ciências Contábeis, descobriu nos livros sua verdadeira paixão. Leitora compulsiva e voraz desde pequena, decidiu se aventurar na escrita após um período conturbado de mudanças em sua vida. Recolhendo cadernos e rascunhos onde sempre costumava escrever pensamentos e textos aleatórios se viu concluindo seu primeiro romance e agora caminha para transformar sua segunda obra em um novo sonho realizado.

Para ter sempre as informações mais recentes sobre as obras de F. P. Rozante, siga sua página do facebook: FPRozante

Vamos à entrevista?



Conchego: Como foi a decisão de começar a escrever profissionalmente?



FPRozante: Até começar a escrever eu nunca cheguei a pensar realmente que algum dia poderia ter um livro publicado, ou até mesmo, talento o suficiente para escrever um. Então, as coisas foram acontecendo, fiquei desempregada, mudei de cidade/estado, e precisei literalmente recomeçar. Mesmo que a mudança tenha sido uma escolha minha, eu senti o baque. Acabei sofrendo com tudo isso e estava vivendo um momento complicado de adaptação e com medo de uma possível depressão. Foi quando resolvi começar a escrever de verdade, criar uma história, já que até então, eu escrevia apenas pensamentos, mensagens e poemas aleatórios em cadernos e agendas.



Depois que consegui escrever o primeiro livro, que consegui finalizá-lo, foi como se uma nova Fabiana tomasse conta de todo meu ser. Minha mente se recusava a parar de viajar, divagar e dar voz a tantos personagens, situações e momentos. É algo que não consigo descrever, mas que posso dizer que me tomou por completo. Hoje não consigo imaginar minha vida longe dos livros, longe da escrita.


Infelizmente, eu não posso me dedicar totalmente à escrita e por essa razão eu sinto que às vezes falho com meus leitores, que as histórias estão sempre necessitando de algo a mais. Escrever é um constante aprendizado, não me considero uma “profissional da escrita” ainda, mas quero muito um dia poder dizer que sou apenas Escritora e que isso basta.

Conchego: Quais as maiores dificuldades que encontrou pelo caminho?

FPRozante: Dificuldades sempre vamos encontrar infelizmente. Primeiramente aceitação, a literatura nacional ainda sofre muito pré-conceito, e preconceito. Depois temos a falta de incentivo e apoio, na maioria das vezes recebemos muitas críticas (Não estou dizendo que isso é apenas ruim, críticas construtivas são essenciais e ajudam a aprimorar a escrita, estou me referindo a ofensiva, a crítica destinada a prejudicar, menosprezar o trabalho.). Tem também a falta de oportunidade, são poucas as portas que se abrem para um autor nacional. Existe um gênero mais valorizado, um estilo de escrita que infelizmente obtém mais espaço e nem sempre o que você está escrevendo é considerado “adequado”.

Mas independente de qualquer dificuldade, o principal é manter o foco e sempre seguir adiante.

Conchego: Como se dá a escolha do tema de cada livro? O que você considera mais fácil e mais difícil ao desenvolver uma história?

FPRozante: Ui, difícil responder essa (risos). Acho que o tema te escolhe, ele brota em seu coração, atormenta a sua mente, ele pede para sair e conforme você vai escrevendo, o enredo vai surgindo e você vai moldando ele. Sempre inicio um livro diante de algum surto, um clique que estala com uma cena, com alguma situação que minha imaginação criou e a partir disto eu tento pensar em como poderia desenrolar a história, se ela teria conteúdo o suficiente, criar uma trama.

O ponto mais difícil para mim é iniciar a história, porque você ainda não se adaptou aos personagens, nada ainda está claro, concreto. O momento que antecede a escrita, quando estou planejando personagens, personalidades, assuntos a serem abordados, me deixa bem tensa. Acabo analisado demais, comparando meu enredo com histórias já existente e fico com medo de acabar deixando parecidas. Então a preparação e o inicio são bem complicados, me roubam o sono (risos).

O mais fácil aiiiii, será que tem? (risos). Acho que todas as etapas de criação possuem suas dificuldades. Não sei se seria o mais fácil, mas o momento mais tranquilo, que curto muito fazer, mesmo que nesse aspecto não a verdadeira criadora não seja, eu, seria a capa. Acho que pensar na capa, escolher a imagem, ver os detalhes e depois como resultado final ter algo que transmita toda a sua história, que fale com o leitor apenas ao encarar seu livro é fantástico. Então, essa finalização do livro, o fechar do processo criativo, o finalizar o trabalho, seria o momento que mais curto, mesmo que não necessariamente o mais fácil.

Conchego: Qual sonho você já realizou e qual ainda deseja realizar como autora?

FPRozante: Escrever um livro foi um sonho ao qual eu não sabia que possuía até que o escrevi. E então, ter ele publicado, poder ter em minha estante um livro escrito por mim, esse foi um sonho que adquiri e que realizei.

Acho que como toda autora, um sonho que ainda não realizei, mas que almejo, é saber que meus livros de alguma forma estão tocando pessoas, transmitindo algo de bom, entretendo, ajudando. Saber que fiz algo de positivo, que mudei alguma história de vida. Não sei exatamente como explicar (risos). 

Conchego: Que conselho você daria para aqueles que desejam ser "futuros autores nacionais"?

FPRozante: Nunca desista. Escreva com o coração. Escreva primeiramente para você, porque isso te faz feliz, te faz bem. Escreva porque não consegue imaginar sua vida sem isso. Escreva para dar voz a vidas que habitam apenas em sua mente, escreva para ser feliz.

Não deixe que o primeiro obstáculo te desvie do caminho, que a crítica seja maior que sua motivação. Mantenha sempre o coração e a mente aberta, interaja com seus leitores. Não crie muitas expectativas, permita que as coisas aconteçam naturalmente.

E se divirta, aproveite cada momento.

Conchego:  Mensagem da autora para os seus fãs.

FPRozante: OBRIGADA! Vocês são a melhor parte de tudo que escrever um livro me proporcionou. Sem vocês eu sou nada. Eu não fiz leitores, eu fiz amigos, pessoas que estão sempre me apoiando, incentivando, caminhando comigo, sendo paciente, e eu só posso agradecer. Vocês me tornaram uma pessoa melhor, me deram mais carinho do que jamais pensei ser merecedora de receber, me acolheram e me receberam uma parte minha em suas casas. Então muito, mais muito obrigada mesmo, com todo o meu coração. Minha conquista é divida com vocês. Tudo o que conquistei é graças a vocês. E por essa razão, eu sempre vou me esforçar para aprender mais a cada dia e oferecer a vocês o meu melhor. Um beijo gigante.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Adorei conhecer mais da Fabiana! Comecei ontem a ler "Quando você voltar" e já passei da metade, estou devorando, curiosa pra saber como termina. ^^
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal Bianca! Ficamos muito felizes que você tenha gostado da entrevista. Ela foi muito boa, né?

      Excluir