Devaneios da Bel: The Roman (The Florentine #3) – Sylvain Reynard


Título: The Roman (The Florentine #3)

Título original: The Roman (The Florentine #3)
Páginas: 275
Autor(a): Sylvain Reynard
Tradução: -
Editora: EverAfter Romance
Ano: 2016
Gênero: Romance, Mistério e Suspense, Suspense, Romance Estrangeiro

Sinopse: Uma história arrebatadora e bela de um confronto milenar que poderá condenar dois amantes para a eternidade.
Raven e a sua irmã, Cara, estão à mercê de inimigos que se movem no submundo de Florença e que as mantém como reféns e oferenda de paz à temida Cúria de Roma.
Sem certezas de que William sobreviveu ao golpe que destruiu o seu domínio, Raven está determinada a proteger a sua irmã a todo o custo, mesmo que isso implique desafiar Borek, o líder dos inimigos de William.
Num esforço para manter Raven longe dos seus rivais, William decide entregar-se ao Romano, o misterioso e perigoso rei do submundo italiano.
Mas o Romano revela-se como alguém totalmente inesperado… Alianças e rivalidades irão ser feitas e quebrar-se enquanto William luta para salvar a mulher que ama e o seu reino, sem iniciar uma guerra civil. Conseguirão os amantes permanecer juntos, contra todas as expectativas?

Abro a resenha com uma reclamação: A Editora Arqueiro detinha – digo detinha porque provavelmente não tem mais – os direitos sobre a série Noites de Florença, do autor Sylvain Reynard, publicou os primeiros títulos (O Príncipe das Sombras, A Transformação de Raven e A Sombra do Passado – resenha dos dois primeiros aqui, terceiro aqui, mas deixou o último livro para lá, e em uma postagem no Face ainda tivemos que ler – os fãs da série – a sugestão de comprar a edição portuguesa do livro. Oras, dona Arqueiro, olha quantos fãs frustrados a senhora fez... Sem contar as outras séries que larga pela metade, né?

De toda forma, vamos encerrar a série – porque li em inglês mesmo, não comprei a edição portuguesa não, dona Arqueiro, porque o frete era meus dois rins!

Em O RomanoThe Roman, no original em inglês –, Sylvain encerra de maneira bastante convincente sua saga de suspense sobrenatural.

A escrita de Sylvain é eloquente, de uma inteligência ímpar – não estou dizendo que é mais ou menos do que outros autores, apenas afirmando que, assim como Tess Gerritesen – ele usa sua experiência profissional em outra área para dar vida aos personagens e histórias. Cada elemento é trabalhado de maneira que os leitores sejam envolvidos pela trama. Ele é um professor nato, ensina ao mesmo tempo que entretém.

Na série Noites de Florença ele usa mais uma vez seus conhecimentos sobre o Renascentismo, História e Literatura para montar uma trama que entremeia realidade e ficção. Para quem gosta de detalhes, de uma narrativa mais “pesada” Sylvain é perfeito, para quem tem preguiça de ler descrições detalhadas ou trabalhadas, pode ter vontade de jogar o livro longe, mas cada descrição nos transporta para mais perto da narrativa, nos faz sentir como um personagem do livro.

Leituras da Mari: As cartas que escrevemos



Título no Brasil: As cartas que escrevemos
Autora: Brittainy C. Cherry

Editora: Record
Ano: 2018
Pág: 73

As cartas que escrevemos é uma história curta, rápida e graciosa.

Ana terminou com o grande amor da vida dela após descobrir que estava com câncer, pois não queria “atrasar a vida do rapaz” que planejava desistir da futura carreira de ator para cuidar dela. Jake, desolado, acata o desejo da namorada e vai embora para Hollywood... Contudo, ele nunca foi capaz de esquecer aquela garota, sua antiga amiga de infância e primeiro amor.

Agora Ana está de casamento marcado com Henry, o ex melhor amigo de Jake; ou ao menos é isso que o convite na mão do ator afirma.

Mentiras, saudade, cartas extraviadas, manipulação... e um amor que não se importa de esperar. A história de amor de Ana e Jake é capaz de encantar os leitores com uma lida relâmpago antes de dormir, que promete proporcionar sonhos cor de rosa com corações e casamentos.

Cantinho da Daya: Antes dos Vinte - Cinthia Freire


Título no Brasil: Antes dos Vinte
Autor(a): Cinthia Freire
Editora: Independente
Ano: 2018
Páginas: 450

Oi, pessoal!

Antes dos Vinte foi publicado na plataforma Wattpad e agora a autora nacional publicou no formato ebook de forma independente. Até hoje não entendo porque uma editora ainda não descobriu essa autora com um grande potencial de sucesso.

Luana quando era menor, juntamente com suas duas melhores amigas, fez uma lista com desejos que queria realizar antes dos vinte. Agora com dezoito anos, as suas amigas nem ligam para essa lista, mas Luana a mantem por perto e sempre riscando quando realiza um desses desejos. 

Devaneios da Bel: A Sombra do Passado (Noites de Florença 2) – Sylvain Reynard



Título: A Sombra do Passado – Noites em Florença 2
Título original: The Shadow
Páginas: 304
Autor(a): Sylvain Reynard
Tradução: Santiago Nazarian
Editora: Arqueiro
Ano: 2016
Gênero: Romance, Mistério e Suspense, Suspense, Romance Estrangeiro
Leia um trecho AQUI


Sinopse: Nesta sequência de A transformação de Raven, Sylvain Reynard combina suspense e sensualidade em uma das cidades mais belas do mundo, levando o leitor para um universo de fantasia e romance habitado por criaturas centenárias e poderosas.
A jovem e doce Raven Wood está em Florença trabalhando na restauração de O nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli. Certa noite, ao tentar evitar que um sem-teto seja agredido, ela mesma fica em perigo, mas é salva a tempo pelo belo e poderoso William York. Depois desse encontro, eles se envolvem numa improvável e avassaladora paixão.
O príncipe vampiro jura seu amor por Raven e promete se vingar de todos os que um dia a feriram. Contudo, ela prefere não ceder à violência e, para surpresa de William, busca nele algum traço de humanidade sob a aparente frieza – alguma bondade que lhe permita entregar-se a ele sem receios.
Mas um perigo terrível pode pôr fim à felicidade do casal. Uma sombra se espalha por Florença, colocando em risco a paz que há séculos existe entre seres humanos e sobrenaturais. Enquanto tenta proteger Raven, o príncipe precisa descobrir quem o traiu e evitar uma guerra entre poderes há muito adormecidos.
Abro essa resenha com uma reclamação: A Editora Arqueiro, detentora dos direitos da série, interrompeu a publicação, assim os leitores brasileiros ficam com duas opções ou leem em inglês ou vendem o fígado para pagar o frete da edição portuguesa.


Reclamação feita, falemos do livro.


William, o príncipe de Florença, levou um tempão para seduzir a relutante Raven de que ele não era o mal encarnado, que não queria se aproveitar dela, muito menos lhe causar qualquer tipo de mal. Ele era apenas “quase humano”. Ao conhecer e aceitar William e seu mundo, Raven é jogada em uma aula de História, intrigas e destruição. Os sobrenaturais estão em guerra e arrastam todos em seu caminho.

O grande problema é que, como as traições veem de todos os lados, não há tempo hábil para se perceber algumas nuances da história. Um desses desdobramentos é que Raven – e sua irmã obtusa e um tanto estranha – não é o que parece. Ela nem sabe, mas é uma peça fundamental para a queda – ou redenção – de William.

Aliás, quem é William, temos pequenos vislumbres de sua história. Do homem de posses que perdeu o grande amor de sua vida porque seu pai não admitia uma plebeia para o filho. William se desilude, retrai e as mudanças começam, quando um vampiro o transforma a mudança é bem-vinda, porque o coração do nosso herói já era escuro o suficiente para não se importar com mais nada. Foram séculos de nada, de indiferença até que a “quebrada” Raven despertasse novamente o lado humano de William.

Se em A TRANSFORMAÇÃO DE RAVEN vemos uma premiada e dedicada historiadora da arte mudando – abandonando o vitimismo, a autocomiseração e pena para se tornar alguém interessante a seus olhos – e que por esse motivo pode ser interessante aos olhos de outras pessoas. Aqui temos William, seu mergulho na escuridão e a tentativa de volta à humanidade.

Claro que o livro não é apenas isso, afinal estamos falando de uma obra de Sylvain Reynard, onde não nada é bem o que parece. A “redenção (para brincar com outro título do mesmo autor) de William é em meio a muitas lutas, guerras e traições. Enquanto as lutas e reviravoltas acontecem podemos nos encantam com uma das vertentes do triângulo amoroso: Florença. Poucos leitores se deram conta, mas o romance entre William e Raven é na verdade um intrincado triângulo em que um dos dois sempre trai o outro com seu amor maior por Florença e sua rica arquitetura e história.

O enredo desse livro dá umas cinco ou seis novelas de pequenas tramas, mas Sylvain trabalha de maneira que cada pequeno detalhe não é circunstancial, mas interligado de maneira a formar um quadro maior, que – no caso dessa série – só será compreendida na última linha do último livro.
Raven Wood era humana, tinha uma beleza pouco convencional e muita coragem. Também costumava proteger os outros, incluindo estranhos. 

Para os românticos de plantão, o amor de William e Raven é construído, ele não nasce em um olhar ou um toque. Ele é conquistado, construído peça por peça, com William mostrando para Raven que ele é mais humano do que a maioria dos humanos, mais sensível e preocupado com a humanidade do que aparenta. Cuidando, não apenas fisicamente, de Raven. Já a “mocinha” aprende a deixar o medo de lado e se assumir como é, pelo que é.

Raven pôs a mão sobre o peito dele, em cima do coração. Sentiu sob apalma o estranho ritmo e o silêncio quase assustador.



Já ia me esquecendo. Além de todas as tramas de traição e lutas por poder ainda conhecemos melhor a família de Raven e com isso entendemos tanto sua história, a negação da irmã por tudo o que aconteceu e porque quem resolver atingir William usando Raven vai se dar muito mal.

Leiam sem medo, mas não esqueçam que a Arqueiro não terminou a série, então o último livro só em inglês.

Leituras da Mari: Mais forte que o Sol (Irmãs Lyndon #2)



TÍTULO NO BRASIL: Mais forte que o Sol (Irmãs Lyndon #2)
TÍTULO ORIGINAL: Brighter than the Sun (Lyndon Sisters #2)

AUTORA: Julia Quinn
EDITORA: Arqueiro
PAGS: 288
ANO: 2018

Assim como eu, muita gente não pesquisou sobre o lançamento da primeira edição americana do livro 01 de Irmãs Lyndon e cometeu o erro quase fatal de acreditar que era um livro que vinha bem depois da série dos Bridgertons e trazia a sua escrita toda a bagagem de experiência da famosa autora Best Seller Julia Quinn. Apesar de só estar chegando para os fãs brasileiros da autora apenas agora, em 2018, tanto Mais lindo que a Lua (livro 01) quanto Mais forte que o Sol (livro 02) tivera sua primeira edição (em inglês) em 1997.

Muito diferente do primeiro, na minha opinião, esse segundo livro mostra uma evolução gigantesca frente ao livro 01 da série Irmãs Lyndon e um prenúncio da escrita que encantou uma legião de fãs com Os Bridgertons. Então, se, assim como eu, você  estava cogitando não ler o livro dois, repense (essa é a minha sugestão). 

Charles Wycombe precisa casar em menos de um mês se quiser receber sua herança e manter suas propriedades. Eleanor Lyndon precisa encontrar um marido que ela ao menos seja capaz de suportar para escapar da futura madrasta intragável e o marido deplorável com quem a mulher pretende casar a futura enteada para se livrar dela. Juntando a fome com a vontade de comer, temos nosso mais novo casal de romance de época.

Nada de amores a primeira vista, apenas atração e um encontro oportuno de interesses (proporcionando ao leitor um respiro merecido da mesmice de outras obras do gênero). O início do romance é no mínimo inusitado, com o "príncipe encantado" caindo de uma árvore e a "donzela em perigo" dando uma de enfermeira e reclamando horrores de ter sido atingida por um homem bêbado. 

O livro é divertido, tem romance na medida certa e conflitos bastante críveis, com resoluções coerentes. Ellie e Charlie não são o casal perfeito para aquela época, mas cativam o leitor justamente por ser o casal ideal em toda a sua imperfeição. 

O temperamento forte e explosivo de Ellie em oposição à fraqueza e ao melodrama da irmã Victoria (do livro anterior) é uma mudança mais que bem vinda! A forma como Julia Quinn dá uma atenção especial ao relacionamento dos protagonistas com personagens secundários, como toda a equipe da mansão também mostra mais essa evolução na escrita em relação ao livro 01 e uma proximidade com o que os fãs dela já conheciam de obras que para nós vieram antes e para ela foi escrita anos depois.

Leitura mais do que recomendada para qualquer fã da autora; se não pelo prazer de ler uma obra dela, pela curiosidade de ver o que me pareceu o primeiro livro da Julia Quinn com uma protagonista forte, em desacordo com a época, mas super crível e cativante mesmo assim.

Sinopse: Julia Quinn é nossa Jane Austen contemporânea.” – Jill Barnett, autora de Tudo por um beijo
Considerada a “rainha dos romances de época” pela Goodreads, Julia Quinn já atingiu a marca de 10 milhões de livros vendidos.
Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.
Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.
Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.
No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal...